Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Boaventura: para que o futuro seja de novo possível

» Seis elementos da conjuntura brasileira

» Trump quer a guerra – e conquista o establishment

» Sob Temer, a grilagem volta sem freios

» Tiradentes, herói sem nenhum caráter?

» Como pulsa hoje nosso desejo de rua?

» França: a esquerda vive, quando não se rende

» A indispensável Reforma Política

» Quilombolas: a longa batalha pelo território

» Bem-vindo à escola do século 19

Rede Social


Edição francesa


» « Le Parisien » enchaîné

» Quelque part au sud de Paris

» Errements de la politique migratoire de Bruxelles

» Mondialisons la solidarité !

» Le fantôme de la guerre d'Espagne

» La Grèce en première ligne

» L'Europe au défi des réfugiés

» Rectificatifs

» Politique de la pollution

» Un monde de camps


Edição em inglês


» Climate change as genocide

» How to lose the next war in the Middle East

» Trump, a symptom of what?

» Found in Cuba: the American dream (and nightmare)

» Through the bars

» Resurrecting the unholy trinity

» War in the Gulf (no, not that Gulf!)

» Demobilizing America

» The bloodstained rise of global populism

» Montreal global city


Edição portuguesa


» Militarismo: uma paixão francesa

» Edição de Abril de 2017

» A liberdade e o medo

» Outra vez a armadilha do voto útil?

» Canto Livre e Canção de Protesto

» União Europeia: para onde vai o pelotão da frente?

» A literatura, cimento que constrói mundos

» Tendências recentes do emprego dos jovens diplomados portugueses

» Edição de Março de 2017

» Offshores, defeitos e feitios


Ditaduras Militares

Um ato contra a tortura

Anistias só podem ser concedidas para beneficiar cidadãos ou grupos que atuam fora do âmbito estatal. Governo que indulta a si mesmo já representa um paradoxo inaceitável; manter a auto-absolvição mesmo depois da queda do regime autoritário ultrapassa qualquer padrão de racionalidade

Guilherme Scalzilli
4 de fevereiro de 2009

Dom João VI, o AI-5 e a Resistência

Na luta pela independência e na superação da ditadura militar, repetem-se velhos padrões brasileiros: a tendência aos acordos conciliatórios, a recusa a mudanças radicais, uma "democracia" que esconde os conflitos. Mas há sinais de que este quadro pode estar mudando

Cláudio César Dutra de Souza, Sílvia Ferabolli
12 de fevereiro de 2008

As obscuras atividades econômicas dos militares

É notório que as forças armadas constituem o maior partido político do país. Poucos sabem, no entanto, que elas concentram também um formidável poder econômico, responsável por 6% do produto interno bruto. Seus negócios vão da alta finança e da indústria pesada até a administração de padarias e salões de beleza

Ayesha Siddiqa
14 de janeiro de 2008

Esquerda, versão Uruguai

Sensível aos temas sociais e duro com os militares que têm saudades da ditadura, o governo Tabaré Vasquez faz, porém, concessões às transnacionais. Parte de seus ministros flerta com os EUA e despreza o Mercosul

Edouard Bailby
29 de abril de 2007

Pinochet sem pena nem glória

"De suas vítimas, de todos os que o resistiram, do presidente Allende, fica o exemplo moral. Dele, nada resta digno de ser lembrado — somente o odor fétido que os bons ventos do Pacífico logo se encarregarão de levar". Um texto do escritor chileno Luis Sepúlveda

Luis Sepúlveda
16 de janeiro de 2007

As eleições do medo

O primeiro turno das eleições presidenciais afastou o fantasma da eleição do general Efraín Rios Mont, acusado de ser responsável por 20 mil mortes nos dois anos que se seguiram ao golpe de Estado por meio do qual tomou o poder em 1982

Stéphanie Marseille
1º de novembro de 2003

Uma literatura claustrofóbica

De 1973 a 1983, o Chile viveu a década do ’apagón’ cultural. Toque de recolher e estado de sítio permitiram à ditadura esconder os crimes e os fantasmas que, 30 anos mais tarde, ainda assombram o imaginário coletivo da literatura chilena

Nira Reyes Morales
1º de setembro de 2003

Nos tempos da Unidade Popular

Brutalmente enterrada no fatídico 11 de setembro de 1973, os relatos daquela época marcada pela esperança de um mundo melhor são parte da “batalha pela memória” que se trava no Chile, ainda asfixiada pela amnésia provocada pela junta militar

Cronologia

Franck Gaudichaud
1º de setembro de 2003

Da vitória à redemocratização
1º de setembro de 2003

A corrida às embaixadas

Quando o palácio La Moneda foi bombardeado, no dia 11 de setembro de 1973, a esquerda chilena estava desprevenida e a tragédia foi total. Foi um salve-se quem puder. Todo mundo correu para as embaixadas. Cadáveres boiavam no rio Mapocho...

Pierre Kalfon
1º de setembro de 2003

Noite da vitória

As pessoas gritavam, pulavam - ’El que no salta es momio’ [Quem não pula é reaça!] -, abraçavam-se para ter certeza de que não estavam sonhando. Ah! Como esse país era magnífico e como eram maravilhosos esses chilenos politizados até a raiz dos cabelos!

Pierre Kalfon
1º de setembro de 2003

Lições de uma tragédia

As indispensáveis reformas de estrutura não exigem só o consenso das forças de esquerda, mas a cooperação de outras forças populares. Eis a lição do 11 de setembro chileno, mas ainda não explorada em lugar algum

Dominique Vidal
1º de setembro de 2003

O sonho de Salvador Allende

No Chile da década de 60, Salvador Allende foi um revolucionário atípico: acreditava na via eleitoral da democracia representativa e na possibilidade de instaurar o socialismo dentro do sistema político vigente

Tomas Moulián
1º de setembro de 2003

Diante da barbárie: um sopro evangélico

O livro de um padre francês (Charles Antoine) recentemente falecido faz um impressionante levantamento do saldo da repressão na América Central durante as décadas de 60 à de 90: só na Guatemala, 200 mil mortos e um milhão de refugiados

Maurice Lemoine
1º de fevereiro de 2003

Adeus às liberdades

Em nome da “guerra justa” contra o terrorismo, toda transgressão é permitida. Washington não hesitou em estabelecer alianças com dirigentes pouco recomendáveis: o general golpista Musharraf, do Paquistão, e o ditador Karimov, do Uzbequistão

Ignacio Ramonet
1º de janeiro de 2002

Por que a direita vence na Espanha

O Partido Popular, de direita, obteve maioria absoluta nas eleições de 12 de março, na Espanha. Como poderia um partido historicamente ligado à ditadura e seu herdeiro direto ter uma vitória tão estrondosa? A análise dos filmes de Pedro Almodóvar ajuda a responder a estas perguntas

José Vidal Beneyto
12 de abril de 2000

Palavras-chave no mesmo grupo
[temas permanentes]

Outros grupos de palavras-chave

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel