Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» A cultura alimentar proibida pela lei

» A sociedade dos afetos regredidos

» UberCapitalismo: a contrarrevolução do século 21

» UberCapitalismo: a contrarrevolução do século 21

» Revolução Russa: mitos, erros e atualidade (1)

» Frugalidade, opção anticapitalista

» Henrique Meirelles e o Consenso de Washington

» Rio Doce, a farsa da “recuperação”

» Boaventura: a ilusória “Desglobalização”

» Boaventura: a ilusória “Desglobalização”

Rede Social


Edição francesa


» Relire Marcuse pour ne pas vivre comme des porcs

» L'autre combat des femmes kurdes d'Irak

» Révolte silencieuse pour sauver l'Unesco

» La France condamnée à désarmer

» Ces grandes puissances, obstacles à un monde non nucléaire

» Des champs pétrolifères contestés

» Les frontières incertaines du Kurdistan

» Pour un nouvel ordre économique mondial

» Une voie nouvelle : enrichir la revendication

» En finir avec le franc CFA ?


Edição em inglês


» Gabriel Gorodetsky on the early years of Soviet foreign policy

» Trump's game plan

» “Tell me how this ends?”

» “Enemy Combatants” again?

» The empire comes home

» The scandal of Pentagon spending

» Autopilot wars

» The Trump presidency

» Trump is in your head

» China's new Silk Road


Edição portuguesa


» Ordenar a floresta contra incêndios: não basta a silvicultura

» Os incêndios florestais, mais uma vez

» Edição de Outubro de 2017

» Trabalho à esquerda

» O século de Lenine

» «Nova rota da seda»: um trunfo geopolítico para a Rússia

» Edição de Setembro de 2017

» Blocos de actividades para o Estado e para o mercado

» Donald Trump ultrapassado pelo partido anti-russo

» Edição de Agosto de 2017


Eleições

Quem tem medo de Obama

Aclamado pela mídia, a futura política de Obama permanece incerta. Ele é negro, mas não é baiano. E muito menos arretado. O novo presidente mostrarará ao mundo o que que a baiana tem?

Paulo Cannabrava Filho
12 de dezembro de 2008

McCain e Obama: as idéias sobre política externa

Embora os dois candidatos se mantenham no terreno do discurso aceitável pelo “mainstream” da política americana, há nuances significativas. A discordância mais profunda diz respeito à atitude perante a Rússia: enquanto Obama defende o diálogo, McCain aposta em um confronto nos moldes da Guerra Fria

Michael T. Klare
13 de outubro de 2008

Os democratas na conquista do Oeste

Campanha de Obama decide enfrentar os republicanos em seu reduto mais forte – uma região onde o eleitorado, rural e conservador, adora armas, rejeita o aborto, abomina ambientalistas e desconfia de tudo que tem a ver com o Estado

Serge Halimi
12 de outubro de 2008

O patriotismo de cada um
Serge Halimi
12 de outubro de 2008

A moral camaleônica

É delicioso resgatar os argumentos lançados pela mídia em 1997, em favor da reeleição de FHC. Comparados com a grita contra um terceiro mandato de Lula, eles revelam a tendência a adaptar-se às circunstâncias, típica do camaleão. Mesmo que, confirmando sua essência, ele finja ser outro animal...

Guilherme Scalzilli
13 de setembro de 2008

Barack Obama e a América Latina

Uma análise detalhada sobre o primeiro documento em que candidato expõe suas políticas para a região. Propostas mesclam conservadorismo com importantes novidades. Mas tom geral é de mudança, e autora frisa: abriu-se a possibilidade de rever as políticas que prevaleceram nas últimas décadas

Laura Carlsen
9 de setembro de 2008

A explosão política no Quênia

Menina dos olhos do Ocidente, o país vive hoje uma crise social que envolve velhos atores políticos e contrapõe as etnias luo e kukuyo. Mais do que uma disputa eleitoral, o conflito é conseqüência da profunda desigualdade de classes no leste africano.

Jean-Christophe Servant
15 de fevereiro de 2008

Turquia: discreta esperança

Uma nova Constituição, em debate, poderia substituir o laicismo de fachada — escudo para os interesses das elites e a interferência do exército na política — por uma democracia menos restrita. Mas que forças sociais poderão lutar em favor da mudança?

Niels Kadritzke
15 de fevereiro de 2008

Principais formações políticas
Jean Radvanyi
12 de dezembro de 2007

Cristina e a transição democrática Argentina

O saneamento da economia e a falência dos partidos políticos tradicionais configuram um horizonte promissor para o processo argentino. Mas a nova presidenta chega ao poder com uma base de sustentação frágil. Conseguirá cumprir sua promessa de reconstruir o Estado e instaurar um novo modelo econômico-social?

Carlos Gabetta
12 de dezembro de 2007

Populismo à francesa

Para o conjunto da esquerda a derrota nas eleições presidenciais é decisiva. Marca o fim de uma era. E força a uma indispensável refundação

Ignacio Ramonet
21 de junho de 2007

Turquia, eleição decisiva

Os islamitas tendem a obter novas vitórias, na renovação do Parlamento e na escolha do próximo presidente turco. Embora o risco de fundamentalismo seja real, a eleição pode significar uma virada, ao superar o controle do exército sobre a vida política

Ignacio Ramonet
19 de maio de 2007

Uma eleição longe do mundo

O primeiro turno da disputa presidencial francesa foi marcado pela mediocridade do debate sobre temas internacionais. Seria mais um indício de que o capitalismo globaliza as decisões, mas esvazia a política?

Bernard Cassen
29 de abril de 2007

Uma nova primavera espanhola?

A Espanha prepara-se para eleições municipais em maio. Acossado por uma direita ainda presa ao franquismo e pelo terror do ETA, o premiê Zapatero parece esperar um aval para as políticas de abertura moral, reconhecimento das autonomias regionais e pacificação

José Manuel Fajardo
20 de março de 2007

Nos bastidores da vitória de Rafael Correa

Emergência do movimento indígena, uma sucessão de presidentes derrubados, crise do neoliberalismo na América Latina. Graças a tudo isso, um economista de classe média e idéias não-convencionais é o novo presidente do Equador

Maurice Lemoine
16 de janeiro de 2007

Retratos do Império, quando decadente

Temidos por seu poder e cobiça, os EUA foram também admirados, durante décadas, por sua democracia e mobilidade social. Serge Halimi sustenta que esta ilusão acabou. Para ele, vinte anos de neoliberalismo dividiram a sociedade em castas, e a política foi soterrada pelo marketing

Serge Halimi
10 de novembro de 2006

Parar a esquerda

Por trás da fraude quase evidente, nas últimas eleições do México, está uma grande coalizão conservadora. Ela une a Casa Branca às forças mais conservadoras, e quer evitar que as eleições latino-americanas continuem apontando o caminho das mudanças

Ignacio Ramonet
1º de agosto de 2006

As razões de um vazio

A derrota provável do berlusconismo vai virar uma página na vida política italiana. O problema é a falta de ânimo da oposição para buscar alternativas reais ao neoliberalismo

Dominique Vidal
1º de abril de 2006

Um balanço assustador

O "contrato com os italianos", que garantiu a vitória do primeiro-ministro, há cinco anos, foi descumprido. Em seu lugar, o país viveu declínio econômico, ataque ao serviço público, atentados à democracia

Pierre Musso
1º de abril de 2006

Centro-esquerda, esperança e conflito

Muito próxima de uma vitória eleitoral, a coalizão anti-Berlusconi propõe um programa bem mais avançado que o de sua primeira passagem pelo governo. Mas ainda está longe de resolver tensões internas e demonstrar que poderá liderar mudanças profundas

Andrea Colombo
1º de abril de 2006

A possível troca humanitária

Na longa guerra travada entre governo e guerrilhas, já houve, em diversos momentos, troca de prisioneiros

Abelhaweb
1º de abril de 2006

Reféns da guerra trágica

A possível reeleição do presidente Uribe e a continuidade de sua "guerra total" contra as guerrilhas deixam mais distante a troca humanitária de prisioneiros com as FARC

Maurice Lemoine
1º de abril de 2006

Democracias sob medida

O que incomoda a alguns, hoje, é não poder determinar antecipadamente o resultado de uma consulta eleitoral. Alguns adorariam instalar eleições "livres" de resultado garantido...

Ignacio Ramonet
31 de março de 2006

A "outra campanha" zapatista

Às vésperas de uma campanha eleitoral que pode levar a esquerda ao poder pela primeira vez em décadas, o ’subcomandante’ Marcos propõe a mobilização autônoma da sociedade

Fernando Matamoros Ponce
1º de fevereiro de 2006

Votem bem, eles farão o resto

Enquanto a legitimidade dos políticos eleitos é questionada pelo crescimento da abstenção, a forte participação no referendo de maio mostra o ressurgimento da soberania de um povo que considerou que a questão proposta lhe dava verdadeiro poder de influência

André Bellon
1º de julho de 2005

Bush II

As eleições norte-americanas confirmam que a democracia – apesar de ser o menos imperfeito dos regimes políticos – não está isenta de escolhas que podem levar ao poder perigosos demagogos

Ignacio Ramonet
1º de dezembro de 2004

Esquerda no poder e privatização fora da lei

Ao elegerem, no dia 31 de outubro de 2004, um presidente de esquerda – Tabaré Vásquez, da Frente Ampla (“Frente Amplio”) – os uruguaios não só puseram fim a 170 anos de partilha do poder entre o Partido Colorado e o Partido Nacional, como, por meio de um plebiscito, também decidiram, e com uma maioria de 64,5%, que seja incluído na Constituição que a água pertence ao domínio público e não pode ser privatizada

Jacques Secretan
1º de dezembro de 2004

O povo simplório de Bush

Estado com riquíssima história social, a Virgínia Ocidental era um baluarte democrata até a última eleição presidencial. Sua conversão ao candidato republicano é exemplar para a compreensão do entusiasmo que sustenta o atual presidente

Serge Halimi
1º de outubro de 2004

As prudências de Kerry

Crítico da incapacidade de Bush de internacionalizar o conflito no Iraque, que deixou os soldados norte-americanos vulneráveis, o candidato democrata não acha que houve exagero na guerra contra o terrorismo, mas sim que não foi feito “o suficiente”

Michael T. Klare
1º de julho de 2004

Espanha

A reação dos espanhóis diante da atrocidade dos atentados, das mentiras de Estado e sua revolta, expressa nas eleições, deram uma grande lição para os que apostaram que graças à hipnose da mídia, uma mentira a mais passaria sem qualquer problema

Ignacio Ramonet
1º de abril de 2004

A América que vota em Bush

O desafio da esquerda norte-americana é que os republicanos foram bem sucedidos em identificar como elite os esnobes intelectuais “progressistas” que comem sushi e têm carro importado, a léguas de distância do povo simples do Meio-Oeste

Tom Frank
1º de fevereiro de 2004

Os filhos da privatização chegam ao poder

Quatro eleições, maculadas por fraudes, abalaram Geórgia, Armênia e Azerbaidjão, revelando que, apesar do fim do regime soviético, o poder nunca mudou através das urnas e a política continua sendo o reino de alguns raros privilegiados

Vicken Cheterian
1º de janeiro de 2004

O prefeito que está mudando a capital mexicana

Carismático e modesto, Lopes Obrador, o atual prefeito da Cidade do México, segue o lema “para o bem de todos, os pobres em primeiro lugar”, combate a corrupção e modifica aos poucos a face desta grande megalópole, despontando como alternativa para as próximas eleições presidenciais

Ixchel Delaporte
1º de janeiro de 2004

Onde está o povo?

As noções de “povo”, “interesse geral” e “sociedade civil” se diluem, enquanto as eleições se aproximam de uma formalidade destinada a rubricar “democracia” em escolhas feitas a priori por uma elite. A democracia representativa aprofunda sua crise

Anne-Cécile Robert
1º de novembro de 2003

O governador descartável

O projeto de Arnold Schwarzenegger? Limpar as estrebarias de Augias, isto é, de Sacramento. E o que é essa limpeza? Ele explica que realizou o impossível em seus filmes de ação, que é “empresário” e que “quer retribuir à Califórnia que lhe deu tanto”

Loïc Wacquant, Serge Halimi
1º de novembro de 2003

As eleições do medo

O primeiro turno das eleições presidenciais afastou o fantasma da eleição do general Efraín Rios Mont, acusado de ser responsável por 20 mil mortes nos dois anos que se seguiram ao golpe de Estado por meio do qual tomou o poder em 1982

Stéphanie Marseille
1º de novembro de 2003

O futuro incerto do comunismo

Em sucessivas eleições, o Partido Comunista Francês teve um desempenho abaixo de seus patamares históricos. Essa decadência aparentemente inexorável de seu potencial militante e de seu apelo político é questionada por três livros lançados recentemente

Jack Dion
1º de junho de 2003

O avanço da extrema-direita em Flandres

Na eleições legislativas de 18 de maio, Flandres espera um avanço sombrio: o ’Vlaams Blok’ deverá realizar ali um rápido progresso. Dirigentes políticos e intelectuais começam a esboçar o balanço crítico da “batalha antifascista” que inclui a imprensa

Rink Van den Brink
1º de maio de 2003

Perigosa escalada

Foi sob uma chuva de morteiros atirados pelas Farc que Alvaro Uribe Vélez assumiu suas funções em agosto do ano passado, anunciando o recrudescimento do conflito entre o Estado e as guerrilhas, agora com intervenção cada vez maior dos forças norte-americanas

Maurice Lemoine
1º de abril de 2003

Os democrata-cristãos islâmicos

A vitória eleitoral do partido islâmico AKP foi uma resposta à crise que abalou a classe média, atingida pelo desemprego, e também um protesto contra a corrupção e a falência do sistema turco. Mas ele poderá corresponder às expectativas?

Wendy Kristianasen
1º de março de 2003

A hora de buscar a paz

A três semanas das eleições legislativas, num clima de insegurança sem precedentes, com a economia descontrolada, o desemprego crescente a população cansada de guerra e deprimida, o grande favorito, segundo as pesquisas, é o general Ariel Sharon

Amnon Kapeliouk
1º de janeiro de 2003

Um rebelde na Presidência

As palavras de ordem da campanha de Lucio Gutiérrez romperam com a vulgata neoliberal e seu movimento político - o Partido Sociedade Patriótica de 21 de janeiro (PSP) - reatou a aliança com o movimento indígena, bastante atuante

Marc Saint-Upéry
1º de janeiro de 2003

A era pós-Cardoso

A vitória de Lula e do PT, nas eleições brasileiras, abrirá um grande debate estratégico. Qual a relação entre a presidência e o poder, quais os limites e possibilidades de agira no quadro institucional, qual a possibilidade de adesão ao sistema, por exemplo

Emir Sader
1º de outubro de 2002

A voz do poder patronal

Durante os seis meses que antecederam as eleições, o sindicato patronal francês jogou pesado para virar a mesa: o social-liberalismo do PS incomodava. Agora, com vários representantes no governo eleito, não vê a hora de derrubar os direitos sociais

Paul Lagneau-Ymonet
1º de outubro de 2002

O “modelo bávaro”

Herdeiro confesso de Franz-Josef Strauss, a mais importante liderança da Baviera que surgiu no pós-guerra, o candidato da direita alemã, Edmund Stoiber, apresenta-se como um político moderado e pragmático: um paradigma da modernidade

Christian Semler
1º de setembro de 2002

Os eleitores imprevisíveis do Leste

A ex-RDA vem sendo cortejada como uma noiva rebelde, pois sua população poderá ter um papel crucial nas próximas eleições legislativas alemãs. Mas nem a direita (CDU/CSU), nem os social-democratas sabem lidar com esse território desconhecido

Jens Reich
1º de setembro de 2002

O abismo entre a imagem e o real

Nas próximas eleições legislativas, o governo do rei Mohammed VI se verá questionado por uma juventude frustrada – promessas traídas, desesperança, desemprego, corrupção e abuso de poder – e por um islamismo forte, organizado e reprimido

John P. Entelis
1º de setembro de 2002

Viva a crise política!

O princípio da representação política e o voto universal, símbolos maiores da democracia, perdem o sentido quando “exigências” externas – da União Européia, da OMC, do mercado – limitam, e até impedem, o exercício do poder político

Anne-Cécile Robert
1º de junho de 2002

A peste

O que desabou no dia 21 de abril foi a certeza de que, quando tudo mudava no mundo, nada iria modificar as forças políticas francesas.

Ignacio Ramonet
1º de maio de 2002

Metamorfoses políticas na Europa

Assiste-se à ascensão de uma extrema-direita atípica, que substituiu o culto do Estado pelo ultraliberalismo, o corporativismo pelo mercado e até, às vezes, o âmbito do Estado-nação por particularismos regionais ou simplesmente locais

Jean-Yves Camus
1º de maio de 2002

Contrastes do destino belga

Na Bélgica, a extrema-direita tem tradição. Mas sua implantação e êxito eleitoral variam de uma região para outra. Por que os eleitores de La Louvière expulsaram, no ano 2000, os seis neofascistas que, seis anos antes, haviam sido eleitos vereadores?

Sergio Carrozzo
1º de maio de 2002

Avanço neofascista em Flandres

Nas eleições legislativas de junho de 1999, quando obteve 19,4% dos votos, o partido neofascista Vlaams Blok tornou-se a segunda mais importante formação política do norte da Bélgica, a exemplo do que já ocorrera em Antuérpia

Magali Uytterhaeghe
1º de maio de 2002

O confisco da soberania popular

Existe sentido nas eleições francesas depois da Cúpula de Barcelona? As questões fundamentais para os cidadãos já foram resolvidas, não no Parlamento, em Paris, mas no encontro de chefes de Estado e de governo da União Européia

Bernard Cassen
1º de abril de 2002

Qual o sentido do voto?

A democracia vai bem nos países em que é considerada exemplar? O aumento do nível de abstenção nas eleições indica o contrário. Em tempos em que os negócios e as decisões mundiais tendem a escapar da tutela do Estado, é preciso dar aos eleitores boas razões para votar

Alain Garrigou
1º de abril de 2002

FMLN contra FMLN

Na Frente, as reações divergem, conforme as correntes – revolucionária socialista (CRS, também chamada “ortodoxa”), renovadora, unionista (ligada à unidade do movimento), cada uma delas com um nome identificando a sua ideologia

1º de março de 2002

Quando a ex-guerrilha governa a capital

Dez anos depois de deixar as armas, a FMLN transformou-se na maior força do Parlamento e é forte candidata à Presidência. Já governa San Salvador, onde enfrenta a pobreza, o boicote do governo federal e suas próprias contradições internas

Karim Bourtel
1º de março de 2002

A espantosa ascensão do PC checo

Frustrada com uma social-democrata mais austera que os conservadores, grande parte do eleitorado apóia os comunistas. Duas vezes mais populares que há um ano, eles já se unem aos anarquistas, nas manifestações de rua, e querem lembrar os períodos anti-autoritários de seu passado

Adam Novak
12 de abril de 2000

A Constituição que pesa sobre a política americana

Nas eleições americanas, o dinheiro e a notoriedade dos candidatos valerão mais que suas posições políticas. O debate dos problemas de fundo — corrupção, número recorde de prisões e execuções, crescimento das desigualdades — parece estar proibido. Imutável e sacralizada, a Constituição contribui para esta apatia.

Daniel Lazare
12 de fevereiro de 2000

Palavras-chave no mesmo grupo
[temas permanentes]

Outros grupos de palavras-chave

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel