Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» A China tem uma alternativa ao neoliberalismo

» Marielle, Moa, Marley, Mineirinho

» As trapaças do gozo individual

» Vermelho Sol, fotossíntese da violência

» Assim arma-se a próxima crise financeira

» Quantos anos o automóvel rouba de sua vida?

» Guerra comercial: por que Trump vai perder

» Mulheres indígenas, raiz e tronco da luta pelo território

» Por que a educação voltou às ruas?

» O ditador, sua “obra” e o senhor Guedes

Rede Social


Edição francesa


» Les soucoupes volantes sont-elles un sous-produit de la guerre froide ?

» Ovnis et théorie du complot

» Boulevard de la xénophobie

» Une machine à fabriquer des histoires

» Un ethnologue sur les traces du mur de Berlin

» Le stade de l'écran

» Un ethnologue à Euro Disneyland

» Lénine a emprunté ses règles d'action à des écrivains radicaux du siècle dernier

» Le rêve brisé de Salvador Allende

» Un ethnologue à Center Parcs


Edição em inglês


» Manufacturing public debate

» August: the longer view

» Trump returns to the old isolationism

» Yellow vests don't do politics

» Kurdish territories in northern Syria

» The changing shape of the Balkans: 1991 / 2019

» Minorities in Kosovo

» Borders 1500-2008

» Man with a mission or deranged drifter

» The Louise revolution


Edição portuguesa


» Edição de Agosto de 2019

» Plural e vinculado à esquerda

» Os talibãs de São Francisco

» Edição de Julho de 2019

» Inconsistências (ou o sono da razão?)

» Comércio livre ou ecologia!

» Edição de Junho de 2019

» As pertenças colectivas e as suas conquistas

» A arte da provocação

» 20 Anos | 20% desconto


Ex-Iugoslávia

Kosovo

A exortação do presidente dos EUA à independência unilateral do Kosovo pode incendiar de novo os Bálcãs e faz lembrar a responsabilidade das potências ocidentais pelas guerras civis na região

Ignacio Ramonet
27 de julho de 2007

Kosovo: nova bomba-relógio nos Bálcãs

Novo capítulo na trágica história de intevenções internacionais na ex-Iugoslávia: a ONU está prestes a estimular a "independência" do Kosovo, sem ter promovido negociação real entre as partes e sem nenhuma perspectiva de apoio a uma região marcada pela pobreza

Jean-Arnault Dérens
21 de março de 2007

Da Federação aos protetorados europeus

Numa Europa de solidariedades, o ingresso das repúblicas balcânicas poderia curar feridas da guerra recente e ampliar direitos sociais. Mantidas as políticas européias atuais, o processo de adesão tende a ser traumático

Catherine Samary
1º de janeiro de 2006

Seqüelas de um péssimo acordo

Há dez anos, os europeus reduzem a Bósnia à condição de um protetorado político e econômico. Com quem poderão, agora, negociar a incorporação do país à UE?

Catherine Samary
1º de janeiro de 2006

Um mandato insustentável no Kosovo

Quatro anos após a guerra, a violência continua a imperar no Kosovo, onde 80 mil sérvios vivem em uma situação terrível e as forças de paz da ONU substituem as forças de segurança sérvias no impedimento às aspirações nacionais albanesas

Jean-Arnault Dérens
1º de dezembro de 2003

Os povos esquecidos

Pequenas comunidades, formadas de várias etnias, são as vítimas desconhecidas das guerras dos Bálcãs, que opunham “grandes nacionalismos” e hoje esmagam as minorias que não se “encaixam” no modelo de Estado-nação ocidental

Jean-Arnault Dérens
1º de julho de 2003

Impasse no Kosovo

Protetorado da ONU desde o final da guerra e liderado por políticos reconhecidamente medíocres, o Kosovo continua sem conseguir sair do impasse inicial: não quer ser tragado pela Sérvia, mas a comunidade internacional lhe nega a independência

Jean-Arnault Dérens
1º de fevereiro de 2003

Seriam as guerras uma fatalidade?

O “princípio das nacionalidades”, reivindicado desde o final da I Guerra Mundial, traz em si a noção de minoria, pois qualquer criação de um Estado com vocação nacional implica uma partilha que pressupõe, automaticamente, vencedores e perdedores

Jean-Arnault Dérens
1º de dezembro de 2002

A Otan e a questão dos Bálcãs

O ’espaço albanês’ é uma representação legítima da identidade lingüística e cultural dos albaneses da Albânia, do Kosovo, da Macedônia e de Montenegro. Compará-lo a um projeto nacionalista seria considerar os albaneses uma “nacionalidade inexistente”

Nils Andersson
1º de junho de 2002

Cronologia e alternâncias
1º de junho de 2002

A dura busca por reconhecimento

Pleiteando a integração à Europa, a Albânia vive uma crise de identidade, além de econômica: os albaneses não são germânicos, nem latinos, nem eslavos, nem gregos, nem turcos. Além disso, o país está na rota de todos os tráficos, de todas as máfias

Nils Andersson
1º de junho de 2002

O julgamento da História iugoslava

Ao atribuir a um único homem a responsabilidade pelos crimes cometidos por dirigentes de todas as etnias na ex-Iugoslávia, o tribunal montado em Haia pode ter dado um tiro no pé. Não é à toa que, até agora, a popularidade de Milosevic só aumentou

Catherine Samary
1º de abril de 2002

Fiasco em Haia

O Tribunal Penal Internacional sobre a Iugoslávia (TPII) caminha rapidamente para a desmoralização. Ele procurou ocultar que outros, além de Milosevic, cometeram crimes, quas sempre com a cumplicidade ocidental

Catherine Samary
1º de abril de 2002

Vinte e cinco anos de conflito

Da Federação Iugoslava à guerra, aos múltiplos genocídios e ao desmembramento que o Ocidente estimulou

Catherine Samary
1º de abril de 2002

Palavras-chave no mesmo grupo
[regiões do mundo]

Outros grupos de palavras-chave

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel