Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» EUA voltam ao Iraque: “terrorismo” ou petróleo?

» Três caminhos diante de Marina Silva

» A fogueira dos fundamentalismos

» UPPs: uma estranha forma de mediar conflitos

» Quem lê, ouve e vê tanta notícia?

» O mais novo fantasma da Monsanto

» O mais novo fantasma da Monsanto

» À Guisa do Prefácio

» Mário lê Memórias sentimentais, de Oswald

» Os Condenados: novo capítulo da trilogia de Oswald

Rede Social


Edição francesa


» Le dessous des cartes

» Dans Kirkouk, la Jérusalem kurde

» A Beyrouth, un parc d'attractions à la gloire du travail

» Loués soient nos mécènes

» Quel cap pour la Tunisie ?

» La Bosnie enfin unie... contre les privatisations

» Informer, disaient-ils

» Pourquoi les négociations au Proche-Orient échouent toujours

» Octobre 2014 en perspective

» Pirates rock'n'roll


Edição em inglês


» The importance of being exceptional

» Fighting the last war

» Edward Snowden and the golden age of spying

» What could possibly go wrong?

» Investing in junk armies

» A trip to Kuwait (on the prairie)

» Obama's new oil wars

» ISIS in Washington

» A change in the climate

» Social models do not fit


Edição portuguesa


» De que jornalismo precisamos?

» Edição de Outubro de 2014

» Avariar o Estado

» A nossa aposta: a emancipação

» "Alentejo, Alentejo", de Sérgio Tréfaut

» Edição de Setembro de 2014

» O tabu na nacionalização

» A nova guerra fria

» “Descobrir Perth”, filme fotográfico

» Era necessário matar Kadhafi?


Extrema Direita

A “América profunda” está de volta

Nos artigos do Le Monde Diplomatique, retratos do ultraconservadorismo que alimenta a ascensão de Sarah Palin e do Tea Party

8 de fevereiro de 2010

A tragédia mora ao lado

Num país governado pela extrema-direita, os paramilitares continuam agindo impunemente. Em conluio com o exército e inúmeros políticos, eles já desalojaram mais de 3 milhões de pessoas e seguem assassinando as lideranças dos movimentos sociais

Paola Ramírez Orozco-Souel
11 de fevereiro de 2009

Surpresa em Miami

Rica e poderosa, a comunidade de exilados cubanos brancos e de extrema-direita já não é majoritária, nem tão influente na maior cidade da Flórida. Sinal da mudança: três candidatos desafiam, nas eleições para a Câmara, em novembro, os eternos anti-castristas que "representam" a cidade

Maurice Lemoine
21 de abril de 2008

O bobo da corte

Trânsfuga da esquerda, Bernard-Henry Lévy tornou-se o agressivo ideólogo de um novo centro, que se aproxima cada vez mais da direita. Ao contrário dos antigos truões, que usavam seu talento para criticar o status quo, BHL só faz atacar as idéias progressistas e adular os poderosos

Serge Halimi
12 de novembro de 2007

Jimmy Carter e o apartheid israelense

Por ter denunciado as condições desumanas impostas à população palestina e a desapropriação de suas terras por colonos judeus, o ex-presidente norte-americano foi acusado de anti-semitismo e tornou-se alvo de uma cruzada da extrema-direita

Mariano Aguirre
6 de setembro de 2007

O ano 1 da esquerda

Depois da derrota eleitoral na França, paremos tudo e repensemos. É preciso começar pelo retorno ao que seria a raiz do conflito entre a esquerda e a direita, que não se traduz por “valores”, mas pela questão fundamental do controle da economia
(Na internet, a partir de setembro)

Jean Bricmont
13 de agosto de 2007

Uma nova primavera espanhola?

A Espanha prepara-se para eleições municipais em maio. Acossado por uma direita ainda presa ao franquismo e pelo terror do ETA, o premiê Zapatero parece esperar um aval para as políticas de abertura moral, reconhecimento das autonomias regionais e pacificação

José Manuel Fajardo
20 de março de 2007

Como Telavive flerta com o racismo

Defensor de idéias como a “transferência” dos árabes israelenses para a Cisjordânia, o vice-premiê Lieberman representa um setor da elite que desconhece a democracia. Após o fracasso do ataque ao Líbano, esta fração apela para militarização ainda mais profunda do país

Akiva Eldar
21 de dezembro de 2006

Labirinto em Israel

A entrada de um extremista no governo de Telavive atiça, no Oriente Médio, as forças mais capazes de desencadear, a partir da região, um conflito de dimensões mundiais

Ignacio Ramonet
21 de dezembro de 2006

Escalada ultranacionalista

Cortejadas pelos ocidentais durante os anos 90, as oposições democráticas balcânicas pretendiam romper com o nacionalismo, ?normalizar? seus respectivos países e direcioná-los para a via da reaproximação com a União Européia. Hoje a extrema direita toma seu lugar.

Jean-Arnault Dérens
1º de março de 2004

A direita radical às portas do governo suíço

Depois de uma crise econômica e moral sem precedentes, nos anos 90, a Suíça viu a UDC transformar-se na primeira força política da nação. Aproveitando-se de um imobilismo político, o partido xenófobo de extrema direita ganhou espaço e estabilidade

Joelle Isler
1º de dezembro de 2003

O avanço da extrema-direita em Flandres

Na eleições legislativas de 18 de maio, Flandres espera um avanço sombrio: o ’Vlaams Blok’ deverá realizar ali um rápido progresso. Dirigentes políticos e intelectuais começam a esboçar o balanço crítico da “batalha antifascista” que inclui a imprensa

Rink Van den Brink
1º de maio de 2003

Macartismo, versão Bush

Bombardeado por um noticiário tendencioso, omisso e nitidamente reacionário – basta ver qualquer jornal, impresso ou de TV, sobre o ataque ao Iraque –, o leitor norte-americano ainda tem que ouvir a extrema-direita dizer que a imprensa é comunista

Eric Alterman
1º de março de 2003

Da guerra fria à guerra preventiva

Após alguns “acidentes de percurso” – tais como o fim da guerra fria, com o colapso da União Soviética e a conseqüente inexistência de um “inimigo” – a ultra-direita norte-americana retomou, no atual governo Bush, um projeto iniciado em 1976

Philip S.Golub
1º de março de 2003

Arqueologia de uma guerra civil

Em plena guerra civil espanhola, um miliciano republicano salva a vida de Rafael Sánchez Mazas, um dos fundadores do franquismo fascista. Quarenta anos depois, um escritor entrevista uma pessoa que lhe conta essa história: é o filho de Sánchez Mazas

Albert Bensoussan
1º de janeiro de 2003

Uma guerra de extermínio

A guerra civil espanhola foi um aperitivo do que iria ser a II Guerra Mundial: republicanos e franquistas sabiam que travavam uma guerra de vida ou de morte, da qual não sairiam sem a vitória total, sem esperança de negociação ou de paz

Santos Juliá
1º de janeiro de 2003

As valas comuns de Franco

Depois de 66 anos de silêncio, espanhóis procuram os restos de cerca de 30 mil republicanos “desaparecidos” durante a guerra civil (1936-1939). Parentes das vítimas do franquismo querem exumar as ossadas para enterrar de forma digna seus mortos

José Maldavsky
1º de janeiro de 2003

A celebração da blasfêmia

Baseando-se em uma farsa anticlerical do século XVI, Goytisolo transporta para o século XX um frade devasso que narra suas façanhas (sobretudo homossexuais) e detalha suas luxúrias, pervertendo o breviário da Opus Dei, Caminho – escrito por Escrivá de Balaguer

Guy Scarpetta
1º de novembro de 2002

Uma reabilitação indecente

Em agosto, o mundo inteiro viu, leu e ouviu a glorificação dos 100 anos de Leni Riefenstahl. Nas entrelinhas da celebração unânime da cineasta do nazismo, percebia-se: “Esqueça a política. Valorize a estética.” Só que, enquanto artista, Riefenstahl é muito pobre

Lionel Richard
1º de outubro de 2002

Um santo fascista e depravado

Uma leitura da obra de José Maria Escrivã de Balaguer, fundador do Opus Dei, recentemente canonizado pelo papa João Paulo II, mostra as fantasias sexuais do homem que teve ligações estreitas com o general Franco, ditador fascista da Espanha

Juan Goytisolo
1º de outubro de 2002

A sagrada aliança da ultra-direita

O surgimento de uma ’intelligentsia’ judaica neo-conservadora na década de 1970, nos Estados Unidos, propiciou uma aliança com a direita fundamentalista norte-americana. Esta união seria sacramentada e incentivada nas décadas seguintes

Ibrahim Warde
1º de setembro de 2002

“Você tem certeza que é francês?”

A verdadeira corrida de obstáculos a que são submetidos, na França, os cidadãos interessados em renovar sua carteira de identidade é um alerta: algumas das idéias de Le Pen podem já estar em vigor

Maurice T. Maschino
1º de junho de 2002

Crônica do coro da imprensa

Articulado e regido pelos meios de comunicação, um coro unívoco e uniforme exigiu, no período de 22 de abril a 4 de maio, que a França votasse em Chirac. Uma exigência melodramática, intimidadora e dissimuladora. Com que objetivos?

Edgar Roskis
1º de junho de 2002

A peste

O que desabou no dia 21 de abril foi a certeza de que, quando tudo mudava no mundo, nada iria modificar as forças políticas francesas.

Ignacio Ramonet
1º de maio de 2002

Metamorfoses políticas na Europa

Assiste-se à ascensão de uma extrema-direita atípica, que substituiu o culto do Estado pelo ultraliberalismo, o corporativismo pelo mercado e até, às vezes, o âmbito do Estado-nação por particularismos regionais ou simplesmente locais

Jean-Yves Camus
1º de maio de 2002

Contrastes do destino belga

Na Bélgica, a extrema-direita tem tradição. Mas sua implantação e êxito eleitoral variam de uma região para outra. Por que os eleitores de La Louvière expulsaram, no ano 2000, os seis neofascistas que, seis anos antes, haviam sido eleitos vereadores?

Sergio Carrozzo
1º de maio de 2002

Avanço neofascista em Flandres

Nas eleições legislativas de junho de 1999, quando obteve 19,4% dos votos, o partido neofascista Vlaams Blok tornou-se a segunda mais importante formação política do norte da Bélgica, a exemplo do que já ocorrera em Antuérpia

Magali Uytterhaeghe
1º de maio de 2002

Por que a direita vence na Espanha

O Partido Popular, de direita, obteve maioria absoluta nas eleições de 12 de março, na Espanha. Como poderia um partido historicamente ligado à ditadura e seu herdeiro direto ter uma vitória tão estrondosa? A análise dos filmes de Pedro Almodóvar ajuda a responder a estas perguntas

José Vidal Beneyto
12 de abril de 2000

A resistível ascensão de Haider

A ascensão da extrema direita européia não deveria surpreender. Ela foi embalada pelas políticas de ajuste neoliberais, aplicadas inclusive por social-democratas. O espaço aberto foi tão grande que Haider pôde posar de defensor dos direitos sociais

Paul Pasteur
12 de março de 2000

Palavras-chave no mesmo grupo
[temas permanentes]

Outros grupos de palavras-chave

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel