Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» A ditadura financeira e as metrópoles cercadas

» Notas sobre o fascismo

» Há mineração possível?

» Revolução tecnológica num mundo regredido?

» Superávit primário: história de uma fraude

» Populismo, conceito precário (2)

» Paulo Guedes e a receita para o atraso

» Desafio a cinco séculos de eurocentrismo

» Google, ou o consumismo no século XXI

» O ministro, os canibais e as línguas

Rede Social


Edição francesa


» En Iran, la force mobilisatrice d'une spiritualité

» L'offensive contre la révolution islamique en Iran

» Révolution islamique et confrontation des irrationnels

» M. Bani Sadr face aux « vrais défenseurs de l'islam »

» Juifs et Noirs aux États-Unis : la fin d'une alliance

» Le pouvoir islamique face aux aspirations autonomistes en Iran

» Nouvelle orientation économique au Vietnam

» Le désarroi de la communauté juive aux Etats-Unis

» L'enseignement professionnel ou la défaite d'un projet émancipateur

» Premières victoires pour la démocratie participative


Edição em inglês


» Doomsday redux

» Forty years on, is it make or break for the Islamic Republic?

» Laurent Bonelli on the yellow vests' challenge to the elite

» Russia boosts its presence in the Black Sea

» Netflix and the streaming wars

» Tanzania's port out of Africa

» How China joined Tanzania and Zambia

» Tanzania revives rail

» Russia extends Black Sea control

» ‘When I see them, I see us'


Edição portuguesa


» Edição de Fevereiro e 2019

» As propinas reproduzem as desigualdades

» Luta de classes em França

» Das propinas ao financiamento do Ensino Superior

» Na Venezuela, a lógica do pior

» Vale a pena (re)ler John Kenneth Galbraith?

» Edição de Janeiro de 2019

» Os irmãos escolhem-se

» Quando tudo vem ao de cima

» Para sair do impasse na Venezuela


Fóruns Sociais

Saudável heresia em São Paulo

No templo do capitalismo brasileiro, um movimento age para superar o desencanto com a política afirmando a autonomia da sociedade civil frente ao mercado e ao Estado. Seu primeiro desafio: questionar o automóvel, a mercadoria que melhor simboliza as relações sociais alienadas

Antonio Martins
18 de agosto de 2007

Caracas

Pela primeira vez, o Fórum Social Mundial encontrará a Revolução Bolivariana e o conjunto das reformas que conduz o presidente Hugo Chávez

Ignacio Ramonet
1º de janeiro de 2006

Altermundialistas por toda parte

Ninguém mais pode continuar acreditando na fábula da “impotência pública” diante da globalização neoliberal. O movimento está em busca da construção de uma alternativa, identificando os locais de poder e atuando em todos os níveis

Jacques Nikonoff
1º de maio de 2004

Globalização a passos contados

Depois de Porto Alegre em 2002 e 2003, o Fórum Social Mundial se reúne este ano em Mumbai (Bombaim), na Índia, país que se abriu gradualmente ao comércio internacional e, junto com a África do Sul, o Brasil e a China, contribui para formar um bloco "do Sul" no interior da OMC

Christophe Jaffrelot
1º de janeiro de 2004

Força e fragilidade da resistência

As grandes mobilizações contra o ultraliberalismo (Seattle, Gênova, Cancún) reúnem grupos bastante diversificados, não isentos de contradições. Entretanto, eles concentram sua luta contra um adversário comum e vão elaborando propostas alternativas

François Houtart
1º de novembro de 2003

Fórum Social Mundial: de Paris a Porto Alegre

Bernard Cassen retrata o nascimento dos fóruns sociais mundiais que vieram coroar um movimento nascido com o “grito de Chiapas” e que desembocou em Porto Alegre, desenhando uma nova cartografia internacional das lutas pela emancipação humana

Emir Sader
1º de novembro de 2003

Cultura e anti-globalização

Três livros recentemente publicados discutem as dimensões culturais e subjetivas provocadas pelo impacto da globalização. Abordam a necessidade de reencontrar a utopia, de motivar para a ação, de redesenhar uma ética

François Houtart
1º de outubro de 2003

Um clube de ricos altamente contestado

Criado para possibilitar a cooperação entre os países ricos – e em última instância para governar o planeta – o G8 está diante de uma nova situação, marcada pelas tensões da guerra do Golfo e pelo crescimento, a cada ano, de movimentos de contestação

Gustave Massiah
1º de maio de 2003

A Internacional dos movimentos sociais

Livro lançado no fim do ano passado na Espanha faz um apanhando das trilhas abertas pelo Fórum Social Mundial para construir a globalização alternativa, propondo um debate sobre os instrumentos para concretizá-la.

Rafael Diaz-Salazar
1º de março de 2003

O que querem os manifestantes?

Dois livros importantes avaliam o movimento contestador da “governança mundial” –apontando a necessidade de envolver as camadas menos favorecidas – e o papel da Organização Mundial do Comércio (OMC) nas políticas de desregulamentação

Franck Poupeau
1º de julho de 2002

Davos será em Nova York

Dias 1º e 2 de fevereiro será realizado o Fórum Internacional dos Parlamentares. Antes de sua abertura, de 28 a 30 de janeiro, será a vez do Fórum das Autoridades Locais pela Inclusão Social

Gilles Luneau
1º de janeiro de 2002

Os desafios do II FSM

Não foi por acaso que o FSM de Porto Alegre nasceu: foi precedido por um ano de manifestações “globais” que se seguiram à de Seattle. À mercantilização do mundo, os cidadãos responderam inventando uma manifestação mundial por procuração

Gilles Luneau
1º de janeiro de 2002

Palavras-chave no mesmo grupo
[temas permanentes]

Outros grupos de palavras-chave

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel