Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Boaventura: para que o futuro seja de novo possível

» Seis elementos da conjuntura brasileira

» Trump quer a guerra – e conquista o establishment

» Sob Temer, a grilagem volta sem freios

» Tiradentes, herói sem nenhum caráter?

» Como pulsa hoje nosso desejo de rua?

» França: a esquerda vive, quando não se rende

» A indispensável Reforma Política

» Quilombolas: a longa batalha pelo território

» Bem-vindo à escola do século 19

Rede Social


Edição francesa


» Au Kenya, les habitants de la côte exclus du banquet démocratique

» Émiettement

» Royaume-Uni, de l'Empire au Brexit

» Une préoccupation récente

» Glossaire

» « Ce sont les entreprises qui créent l'emploi »

» Deux jeunesses face à la « loi travail »

» Condamnés à s'entendre

» Les patrons ont-ils lu Marx ?

» Le PIB, une mesure qui ne dit pas tout


Edição em inglês


» Boycott Trump

» Whistleblowers, moral injury, and endless war

» Forty-five blows against democracy

» Memory loss in the garden of violence

» Iran elections: presidential debates or reality TV show?

» The American way of war is a budget-breaker

» The hazards of military worship

» Mosul on my mind

» Forbidden questions?

» The empire expands


Edição portuguesa


» Os genes do euro e as vacas que não voam

» Agitação anti-sistema na Europa e nos Estados Unidos

» Crise e estagnação no labirinto

» Edição de Maio de 2017

» O desígnio de Marcelo

» O Estado profundo

» Militarismo: uma paixão francesa

» Edição de Abril de 2017

» A liberdade e o medo

» Outra vez a armadilha do voto útil?


Genocídios e Massacres

Fogo sobre o Camboja

Novas informações revelam: bombardeios dos EUA sobre o país, entre 1965 e 73, foram cinco vezes mais intensos que se supunha, e possivelmente os mais pesados da História. Brutalidade entregou população ao extremismo genocida do Khmer Vermelho — presságio do que pode ocorrer no Iraque

Ben Kiernan , Taylor Owen
16 de janeiro de 2008

Santa María de Iquique

Em 21 de dezembro de 1907, no extremo norte do Chile, centenas de trabalhadores chilenos, peruanos e bolivianos foram massacrados pelo exército e a marinha. Foi assim que o governo oligárquico reprimiu violentamente um movimento social espontâneo

Sergio Grez Toso
12 de dezembro de 2007

Tão bárbaros como Bush

Imagens do pan-arabismo totalitário, uma tendência que nega o passado, a cultura e tolerância árabes – mas cresce em muitas partes do mundo, em outro sinal de que o fundamentalismo é uma das grandes ameaças à humanidade, no século 21

Roberto Cattani
4 de outubro de 2007

Vinte anos de guerra sem fim

Entre os ingredientes do conflito que aterroriza Uganda, uma milícia que recruta à força para impor a Bíblia e as velhas disputas tribais atiçadas pela colonização

André-Michel Essoungou
27 de julho de 2007

Uganda põe o TPI à prova

Num de seus primeiros inquéritos, o Tribunal Penal Internacional depara-se com um dilema. Deve levar até o fim o processo contra os praticantes de um massacre? Ou é possível esquecer seus crimes, se isso abrir caminho para a paz?

André-Michel Essoungou
27 de julho de 2007

Investigação sobre o massacre de Darfur

No mais recente genocídio africano, "conflito étnico" é, de novo, apenas um mito que mascara a realidade. Na raiz dos massacres estão uma disputa por petróleo, e a omissão calculada dos EUA, China e França

Gérard Prunier
20 de março de 2007

“Génocídio” ou “massacre” ?

Criado em 1944 pelo jurista polonês Raphael Lemkin, o termo « genocício » conheceu um sucesso internacional imediato, aplicando-se, porém, a situações muito heterogêneas. Descartando a banalização do termo, pesquisadores procuram traçar as características comuns desta particular forma de guerra contra os civis que se tornou massiva no século XX

Jacques Semelin
1º de maio de 2004

O genocídio programado e a cegueira internacional

Os indícios de que uma ?solução final? estava sendo planejada eram claros já em 1993. Mesmo assim, a comunidade internacional fechou os olhos, manteve o apoio ao regime responsável pelo genocídio e retirou a força de paz ONU durante os massacres

Colette Braeckman
1º de março de 2004

Os sentidos de uma comemoração

Antes de se tornar objeto de rememoração, o genocídio de um milhão de tútsis e hutus foi contestado em sua própria realidade. Dez anos depois, pelo menos esta parte da história foi restaurada

José Kagabo
1º de março de 2004

As eleições do medo

O primeiro turno das eleições presidenciais afastou o fantasma da eleição do general Efraín Rios Mont, acusado de ser responsável por 20 mil mortes nos dois anos que se seguiram ao golpe de Estado por meio do qual tomou o poder em 1982

Stéphanie Marseille
1º de novembro de 2003

Cronologia da chacina
Pierre Péan
1º de setembro de 2002

Uma investigação indispensável

Desde o mês de junho, um grupo de parlamentares europeus vem tentando conseguir que seja aberta uma investigação internacional para apurar o massacre de combatentes afegãos em Mazar-e-Sharif, com a possível cumplicidade de tropas norte-americanas

Laurence Jourdan
1º de setembro de 2002

Chacina no Afeganistão

Em Dasht-e Leili, no Afeganistão, 3 mil homens estão enterrados sob a areia do deserto. Uns foram mortos por asfixia, durante uma viagem infernal; outros, deitados entre os cadáveres de seus companheiros, imploraram a seus carrascos antes de serem executados

Jamie Doran
1º de setembro de 2002

Um livro devastador

O jornalista Alain Ménargues revela em seu livro que os massacres de Sabra e Chatila foram por etapas: na primeira delas, um comando especial israelense invadiu os campos com uma lista – e o endereço – de 120 militantes palestinos, todos executados

Pierre Péan
1º de setembro de 2002

A batalha de Bruxelas

Em junho de 2001, um grupo de cidadãos protocolou, na Justiça belga, denúncia de genocídio, crime contra a humanidade e crimes de guerra contra o então ministro da Defesa de Israel, Ariel Sharon. Ele é apontado como responsável por Sabra e Chatila

Pierre Péan
1º de setembro de 2002

História de um massacre anunciado

Há exatamente vinte anos, numa operação comandada pelo general Ariel Sharon, tropas israelenses e milícias libanesas de extrema-direita invadiram os campos de refugiados de Sabra e Chatila (Líbano), para promover um massacre que liquidou 1.490 pessoas

Pierre Péan
1º de setembro de 2002

O nascimento de um país

Reconstruído a partir de zero – a invasão por tropas indonésias em 1975, treinadas pelo exército norte-americano, deixou um saldo de 200 mil mortos (um terço da população) e o território arrasado – surge um novo país, com muitas esperanças

Any Bourrier
1º de junho de 2002

Uma história de cinco séculos
Any Bourrier
1º de junho de 2002

Vinte e cinco anos de conflito

Da Federação Iugoslava à guerra, aos múltiplos genocídios e ao desmembramento que o Ocidente estimulou

Catherine Samary
1º de abril de 2002

Um governo de morte

Ariel Sharon aprendeu as lições de Beirute, de 1982: nada de deixar a comunidade internacional tornar a salvar a pele do líder da OLP. E refletiu também sobre o fracasso de Netanyahu: não basta frear o chamado processo de paz; é preciso destruí-lo

Dominique Vidal
1º de janeiro de 2002

Palavras-chave no mesmo grupo
[temas permanentes]

Outros grupos de palavras-chave

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel