Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Paradigmas para uma Economia de Francisco (1)

» Ontem, Equador. Hoje, Chile. Amanhã, Brasil?

» Fatos & Sindicatos

» As novas mentiras do ministro “lacrador”

» Chile: as ruas contra os tanques

» Aconteceu em Santiago

» Gilvan, trabalho e sono no capitalismo periférico

» Por um imposto global sobre as transnacionais

» As eleições 2020 na encruzilhada brasileira

» Cinema: Os últimos soldados da Guerra Fria

Rede Social


Edição francesa


» Des Américains en quête d'un nouveau contrat social

» Sur les chantiers de la démocratie locale

» New-Delhi refusera jusqu'au bout toute idée de droit à l'autodétermination de la vallée de Srinagar

» La presse et les paradoxes de la liberté

» Avec les peuples ou sans eux ?

» Un journalisme de racolage

» Une Europe des citoyens

» Ces dures grèves des ouvriers américains

» 17 octobre 1961 : rendez-vous avec la barbarie

» La gauche dans son ghetto, la droite à la radio


Edição em inglês


» The emerging US-China cold war

» Response to Pierre Bourdieu

» Analysing an appearance on the airwaves

» Iraq's demographic time bomb

» October: the longer view

» Socialism resurgent?

» Power to decide who's guilty

» East Germany's loyal returnees

» Ankara realpolitik

» South Africa's lands must be shared


Edição portuguesa


» A crise catalã nasceu em Madrid

» Quantas divisões há entre os curdos?

» Edição de Outubro de 2019

» Estabilidade para quem?

» Washington contra Pequim

» Edição de Setembro de 2019

» Portugal não pode parar?

» Quem elegeu Ursula von der Leyen?

» Edição de Agosto de 2019

» Plural e vinculado à esquerda


Greves

Santa María de Iquique

Em 21 de dezembro de 1907, no extremo norte do Chile, centenas de trabalhadores chilenos, peruanos e bolivianos foram massacrados pelo exército e a marinha. Foi assim que o governo oligárquico reprimiu violentamente um movimento social espontâneo

Sergio Grez Toso
12 de dezembro de 2007

Os grevistas, esses doentes mentais

Para os “analistas” da grande imprensa, os professores em greve contra as reformas neoliberais pretendidas pelo governo francês são “descerebrados” e seu movimento, uma atitude “revanchista e irracional” que defende propostas “irreais”

Serge Halimi
1º de setembro de 2003

O que mata a Universidade

Desde 1981, quando subitamente aumentou a carga horária de ensino em 50%, os professores universitários sofreram sem protestar a invasão das reformas, a multiplicação do número de alunos e a lenta degradação de sua condição de trabalho

Pierre Jourde
1º de setembro de 2003

Uma revolta em nome do ensino igualitário

Mesmo sem consenso pedagógico, o movimento dos professores reafirmou com vigor, na mobilização de 2003 contra a reforma descentralizadora de Raffarin, seu vínculo com o serviço público de educação nacional e sua vocação democrática

Jérôme Deauvieau, Jean-Pierre Terrail
1º de setembro de 2003

Os "operadores" vão à greve

Jovens trabalhadores de uma empresa ligada à Mercedes Benz mostram, numa região operária esgotada pelo desemprego, que, também nas "novas" fábricas, é possível enfrentar a exploração e vencê-la

Michel Pialoux, Stéphane Béaud
12 de fevereiro de 2000

Palavras-chave no mesmo grupo
[temas permanentes]

Outros grupos de palavras-chave

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel