Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» 14 de julho de 2020

» Um Neoliberalismo antiglobalista e iliberal

» Privatização da água: o mau exemplo de São Paulo

» O tripé nefasto que sustenta um governo capenga

» Como EUA fabricaram o “marxismo cultural”

» No futebol, uma síntese do racismo brasileiro

» 13 de julho de 2020

» 99 Teses para uma economia pós-capitalista

» As crianças que nos governam e como vencê-las

» Maquiavel explica o novo ministro da educação

Rede Social


Edição francesa


» Envahissants experts de la tolérance zéro

» Un capitalisme financier habillé à la française

» Aux bons soins d'une société sécuritaire

» La police, la gauche et le changement

» Primes pour stimuler la production et sanctions contre les pratiques illégales

» Les difficultés de l'économie soviétique ravivent le débat entre traditionalistes et partisans de la réforme

» Comment le Sahel est devenu une poudrière

» Tout commence, tout finit à Gaza

» Cette « double autorité » qui écartèle les Palestiniens

» Aux origines de la secte Boko Haram


Edição em inglês


» Meanwhile in Minneapolis

» Cities: the power of the urban

» July: the longer view

» Fossil fuel disarmament

» Oil production and consumption around the world

» OPEC's share of production in a changing oil market

» Passport power

» Prato's migrant workforce

» No going back to business as usual

» Trade war in strategic minerals


Edição portuguesa


» Edição de Julho de 2020

» Metáforas bélicas

» Alguém disse «sistémico»?

» Dois ou três lugares a preencher – a propósito de José Saramago

» A Jangada de Saramago

» Um homem chamado Saramago

» «O desastre actual é a total ausência de espírito crítico»

» Edição de Junho de 2020

» A fractura social

» Vender carros Audi na Birmânia


Guerras Colonialistas

Israel: por trás da radicalização, um país militarizado

Visto por seus apoiadores como “uma das únicas democracias no Oriente Médio”, o Estado israelense é cada vez mais pressionado pelo poder político e econômico de seus generais. Na Biblioteca Diplô, textos para entender esta interferência crescente.

17 de março de 2010

Provavelmente, Deus não é africano

A economia do continente já cresce 5,5% ao ano, duas vezes mais que em 1990. Mas há algo grave por trás dos números: a África caminha para ser, pela terceira vez, o espaço privilegiado de uma grande competição imperialista, o palco em que as potências disputarão riquezas e posições militares

José Luís Fiori
24 de abril de 2008

Museus, pilhagem colonial e reparações

Prevista pela ONU e cada vez mais reivindicada pelos países do Sul, a restituição do patrimônico histórico roubado pelos colonizadores é um direito. Que fazer para levá-lo à prática?

Bernard Muller
28 de julho de 2007

Vinte anos de guerra sem fim

Entre os ingredientes do conflito que aterroriza Uganda, uma milícia que recruta à força para impor a Bíblia e as velhas disputas tribais atiçadas pela colonização

André-Michel Essoungou
27 de julho de 2007

A construção do império nipônico

Breve cronologia das sete décadas de expansionismo japonês na Ásia

Tetsuya Takahashi
20 de março de 2007

Japão: o espelho do Ocidente

Apesar de notáveis exceções, a historiografia japonesa ainda hesita em reconhecer o passado colonial e os crimes de guerra cometidos pelo país na Ásia. Seria algo muito diferente da atitude ocidental?

Emilie Guyonnet
20 de março de 2007

O fantasma do militarismo atiça o Japão

Enquanto a sociedade debate as homenagens prestadas a criminosos de guerra, políticos nipônicos brincam com fogo. Eles querem reabilitar o passado imperial do país e liquidar os artigos da Constituição que proíbem a guerra

Tetsuya Takahashi
19 de março de 2007

O saque do Palácio de Verão

Em sua Carta ao Capitão Butler, Victor Hugo condena uma das maiores pilhagens promovidas pelo Ocidente: o saque ao Palácio de Verão chinês, em 1860, quando as forças anglo-francesas ocuparam Pequim

Victor Hugo
1º de outubro de 2004

Guerras do ópio e a impotência do Império

Interessada em abrir o mercado chinês para seus produtos e reverter a balança comercial a favor do Ocidente, a Inglaterra apelou para o uso do ópio, que, proibido na China, havia sido introduzido fraudulentamente no país, expondo a vulnerabilidade do Império do Meio

Alain Roux
1º de outubro de 2004

Palavras-chave no mesmo grupo
[temas permanentes]

Outros grupos de palavras-chave

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel