Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Boaventura: para que o futuro seja de novo possível

» Seis elementos da conjuntura brasileira

» Trump quer a guerra – e conquista o establishment

» Sob Temer, a grilagem volta sem freios

» Tiradentes, herói sem nenhum caráter?

» Como pulsa hoje nosso desejo de rua?

» França: a esquerda vive, quando não se rende

» A indispensável Reforma Política

» Quilombolas: a longa batalha pelo território

» Bem-vindo à escola do século 19

Rede Social


Edição francesa


» La cause des femmes

» Des immigrés sans pays d'origine

» La Revue dessinée

» Le Courage

» La toute première fois

» Les oubliées de San Francisco

» « Agir en primitif, prévoir en stratège »

» L'assurance-maladie universelle en questions

» Bouillonnement antisystème en Europe et aux États-Unis

» La « grande accélération »


Edição em inglês


» Climate change as genocide

» How to lose the next war in the Middle East

» Trump, a symptom of what?

» Found in Cuba: the American dream (and nightmare)

» Through the bars

» Resurrecting the unholy trinity

» War in the Gulf (no, not that Gulf!)

» Demobilizing America

» The bloodstained rise of global populism

» Montreal global city


Edição portuguesa


» Militarismo: uma paixão francesa

» Edição de Abril de 2017

» A liberdade e o medo

» Outra vez a armadilha do voto útil?

» Canto Livre e Canção de Protesto

» União Europeia: para onde vai o pelotão da frente?

» A literatura, cimento que constrói mundos

» Tendências recentes do emprego dos jovens diplomados portugueses

» Edição de Março de 2017

» Offshores, defeitos e feitios


Impasses da Esquerda Institucional

Um novo marxismo para um novo mundo

A ordem social moderna comporta não uma, mas duas forças sociais dominantes: ao mundo dos “capitalistas” articula-se o dos gestores privados e públicos. É a essas duas forças que deve se opor o conjunto das “classes fundamentais populares”

Gérard Duménil, Jacqes Bidet
15 de outubro de 2007

Populismo à francesa

Para o conjunto da esquerda a derrota nas eleições presidenciais é decisiva. Marca o fim de uma era. E força a uma indispensável refundação

Ignacio Ramonet
21 de junho de 2007

Esquerda, versão Uruguai

Sensível aos temas sociais e duro com os militares que têm saudades da ditadura, o governo Tabaré Vasquez faz, porém, concessões às transnacionais. Parte de seus ministros flerta com os EUA e despreza o Mercosul

Edouard Bailby
29 de abril de 2007

Novo mosaico das resistências mexicanas

Num país governado pela direita autoritária, multiplicam-se iniciativas de contra-poder, algumas com forte caráter inovador. Mas serão capazes de se entender e fazer de sua grande diversidade um trunfo?

Jean-François Boyer
29 de abril de 2007

Um partido quer mudar o Quebec

Formado há um ano, e originário de uma articulação entre a esquerda radical e alguns movimentos sociais, o Quebec Solidário assume certas reivindicações do altermundialismo — e já não subordina a questão social à conquista da soberania em relação ao Canadá

Gilles Bourque
21 de março de 2007

Participação popular contra o "velho Estado"

Caracas: numa espécie de revolução dentro da revolução, setores populares criam conselhos comunais, e tentam transformar o Estado para tornar reais, enfim, as mudanças no país

Renaud Lambert
6 de setembro de 2006

Social-democracia alemã: mais uma vítima de seus abandonos

Até a pouco tempo, o maior partido de esquerda do Ocidente, o SPD deve a seus “capitalistas de esquerda”, desfilando em terno Brioni e charutos Cohiba na boca, o desmoronamento do apoio de seu eleitorado e o distanciamento de sua base social

Matthias Greffrath
1º de setembro de 2005

As renúncias da esquerda em nome da Europa

Não é de hoje que a utopia européia é pretexto para os socialistas franceses abrirem mão de sua plataforma política para atender aos interesses do capital

Serge Halimi
1º de junho de 2005

Governo Lula: uma “terceira via” cada vez mais contestada

Presença constante no Fórum Social Mundial, em Porto Alegre, Lula faz um governo mais próximo de Davos e vem se divorciando cada vez mais dos movimentos sociais, mesmo diante da primeira regressão eleitoral da história do PT

Emir Sader
1º de janeiro de 2005

Esquerda no poder e privatização fora da lei

Ao elegerem, no dia 31 de outubro de 2004, um presidente de esquerda – Tabaré Vásquez, da Frente Ampla (“Frente Amplio”) – os uruguaios não só puseram fim a 170 anos de partilha do poder entre o Partido Colorado e o Partido Nacional, como, por meio de um plebiscito, também decidiram, e com uma maioria de 64,5%, que seja incluído na Constituição que a água pertence ao domínio público e não pode ser privatizada

Jacques Secretan
1º de dezembro de 2004

A segunda morte de Amílcar Cabral

O partido que teve papel chave na independência de Cabo Verde e Guiné Bissau se domesticou. Os dirigentes de hoje governam o arquipélago como empresários; e dos ideais de Amílcar Cabral restou apenas lembrança

Tobias Engel
1º de novembro de 2004

À esquerda... mas com os patrões

Os governos “de esquerda”, na França, inauguraram uma nova etapa na história da corrupção e da promiscuidade entre o público e o privado, convocando executivos e bilionários para assessorar a República. Chamaram isso de “modernidade”

Olivier Toscer
1º de dezembro de 2003

A vacilante resistência aos transgênicos

O Brasil era o único dos três grandes produtores de soja a conter a disseminação de sementes transgênicas em seu território. Mas a paciente “estratégia de contaminação” da Monsanto associada ao poderoso ’lobby’ do agronegócio vem derrubando esta última fronteira

Jean-Jacques Sevilla
1º de dezembro de 2003

Os perigosos desafios da transição

Enquanto Brasília se afirma sobre a cena mundial e o governo Lula se sujeita aos ditames do FMI,os grupos oligárquicos, donos dos territórios e das riquezas e de um poder entranhado no aparelho judiciário e policial, entravam as reformas sociais esperadas pelos brasileiros

Gilles de Staal
1º de dezembro de 2003

Onde está o povo?

As noções de “povo”, “interesse geral” e “sociedade civil” se diluem, enquanto as eleições se aproximam de uma formalidade destinada a rubricar “democracia” em escolhas feitas a priori por uma elite. A democracia representativa aprofunda sua crise

Anne-Cécile Robert
1º de novembro de 2003

A sina da instabilidade

Com perspectivas promissoras logo após sua independência, país sofre com golpes e o abandono do projeto que buscava outra concepção de desenvolvimento, baseada nos interesses de sua população

Tobias Engel
1º de novembro de 2003

Os limites da reforma agrária de mercado

Uma das mais pesadas heranças do apartheid, quando o CNA assumiu o poder, 84% das terras agricultáveis estavam nas mãos dos fazendeiros brancos. Ao optar por uma solução de mercado, em oito anos, somente 1, 2% das terras agricultáveis foram transferidas para os agricultores negros

Colette Braeckman
1º de setembro de 2003

O futuro incerto do comunismo

Em sucessivas eleições, o Partido Comunista Francês teve um desempenho abaixo de seus patamares históricos. Essa decadência aparentemente inexorável de seu potencial militante e de seu apelo político é questionada por três livros lançados recentemente

Jack Dion
1º de junho de 2003

Os desafios do pós-neoliberalismo

Após 30 anos de hegemonia da direita, as vitórias de Lula, de Gutierrez, no Equador, a resistência de Chávez, na Venezuela, e as possíveis mudanças políticas na Argentina e no Uruguai anunciam a esperança de um novo período histórico: o pós-neoliberalismo

Emir Sader
1º de fevereiro de 2003

Um homem contra

’O Contexto’ suscitou uma polêmica implacável quando foi publicado, pois Sciascia critica, em última instância, o realismo frio dos dirigentes do Partido Comunista Italiano, prontos para um “compromisso histórico” que exala o cheiro fétido do conchavo

Sergio Carrozzo
1º de novembro de 2002

Por uma democracia absoluta!

No lastro do fracasso da esquerda social-democrata e do avanço da direita, a nova esquerda italiana busca seus caminhos

Antonio Negri
1º de agosto de 2002

Uma Constituição da vontade

Foi graças aos princípios avançadas da Carta sul-africana que a sociedade venceu a primeira batalha em torno da AIDS, travada contra os laboratórios farmacêuticos. O governo do Congresso Nacional Africano vacilou...

Philippe Rivière
1º de agosto de 2002

Um problema de “isolamento”...

Tempos atrás, o atual primeiro-ministro francês, Jean-Pierre Raffarin, deu uma lição de “socialismo” no social-democrata Lionel Jospin, que ocupava então o cargo: sua política social elitista estaria isolando seu governo das camadas populares...

Serge Halimi
1º de julho de 2002

A esquerda “não socialista”...

Mesmo entre os amigos de Lionel Jospin, raros pensam que ele agiu certo ao fazer uma campanha eleitoral que anunciava “A França está melhor” e propunha – para que esse “melhor” se prolongasse – um programa “que é não socialista”

Serge Halimi
1º de julho de 2002

FMLN contra FMLN

Na Frente, as reações divergem, conforme as correntes – revolucionária socialista (CRS, também chamada “ortodoxa”), renovadora, unionista (ligada à unidade do movimento), cada uma delas com um nome identificando a sua ideologia

1º de março de 2002

Quando a ex-guerrilha governa a capital

Dez anos depois de deixar as armas, a FMLN transformou-se na maior força do Parlamento e é forte candidata à Presidência. Já governa San Salvador, onde enfrenta a pobreza, o boicote do governo federal e suas próprias contradições internas

Karim Bourtel
1º de março de 2002

Palavras-chave no mesmo grupo
[temas atuais]

Outros grupos de palavras-chave

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel