Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Na Venezuela, a oposição adota o terror

» Rumo à agricultura do medo?

» Boaventura debate Revolução, Democracia e o Brasil

» Meio cheio ou meio vazio?

» Que importa que o crítico resmungue?

» Hora de enfrentar Facebook e Google?

» Contra a crise, o possível pós-capitalismo local

» Como Foucault e Agamben explicam Bolsonaro

» “Liberais” — até a página dois…

» Homem em chamas na Venezuela

Rede Social


Edição francesa


» Bernard-Henri Lévy enragé contre « Le Monde diplomatique »

» Le talon d'Achille du nucléaire français

» Multiplication des opérations militaires autour du Sahel

» Dégringolade

» Revenu garanti, l'invité-surprise

» L'Allemagne et les réfugiés, deux ans après

» Portes ouvertes au secteur privé

» Le Maghreb entre autoritarisme et espérance démocratique

» Avec la guérilla des FARC, en attendant la paix

» Norilsk, ville polaire, cité du nickel


Edição em inglês


» A Fairy tale from 2050

» The demolition of U.S. global power

» Preparing for doomsday

» Growing my way out of dystopia

» The insult wars in Washington

» The enemy of my enemy Is my...?

» The politics of no politics

» Picking a quarrel with Qatar

» Being Arab in Latin America

» London, whose city?


Edição portuguesa


» Míopes ou maldosos?

» Edição de Julho de 2017

» O síndrome da nêspera

» Embustes democráticos

» Edição de Junho de 2017

» Segurança na reforma começa no emprego

» Os anos loucos

» Colonialismo português: excepção ou barbárie?

» Os genes do euro e as vacas que não voam

» Agitação anti-sistema na Europa e nos Estados Unidos


Irã

Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa

Enquanto alguns dos países mais armados do planeta apontam o dedo para o Irã, campanha da sociedade civil sugere abolir de fato os artefatos atômicos — e deixar de dividir o mundo entre as nações que têm as bombas e as outras. Discurso de Lula apoia proposta

5 de abril de 2010

Paquistão: o novo elo fraco da geopolítica norte-americana

Num contexto geopolítico instável, marcado pelos atropelos da “guerra contra o terror”, um dos mais sólidos pontos de apoio do presidente Bush acaba de ceder. A proclamação do estado de sítio pelo general Pervez Musharraf é uma grave confissão de fraqueza da parte do ditador paquistanês

Ignacio Ramonet
12 de dezembro de 2007

Como Washington atiça o Irã

Um analista destacado da política norte-americana em relação à Ásia descreve a série de iniciativas em curso contra Teerã – de apoio a grupos terroristas a boicote econômico. Conclusão: a ação dos EUA ajuda a sustentar a linha-dura iraniana, ao permitir que atribua seus próprios erros ao "inimigo externo"

Selig S. Harrison
15 de outubro de 2007

As mulheres do Irã dão notícias

Comme tous les après-midi [Como a cada tarde] e On s’y fera [A gente se acostuma], adentram num mundo que parece tão oculto: o iraniano. Nesses livros, a autora Zoyâ Pirzâd - talvez uma espécie de Clarice Lispector iraniana - perscruta o universo feminino de maneira despojada

Violaine Ripoll
6 de setembro de 2007

Mossadegh, o homem a ser abatido

A história da vida política de Mohammed Mossadegh, personalidade favorita dos iranianos. Durante seu governo, o mais democrático que o Irã conheceu, travaram-se inúmeras lutas em favor da liberdade e da independência

Ahmad Salamatian
6 de setembro de 2007

O golpe montado pela CIA

Não se pode compreender o Irã atual sem recuar até o golpe de Estado de 1953. Fomentado pelas multinacionais do petróleo, ele abortou as reformas em curso, fortaleceu a ditadura do xá e abriu caminho para a revolução islâmica de 1978-1979

Mark Gasiorowski
6 de setembro de 2007

Estranha suspeita em Buenos Aires

Com base em "provas" obscuras, relacionadas a um atentado jamais esclarecido, a justiça argentina está pedindo a extradição de um ex-presidente e diversas autoridades do Irã. O episódio evoca um favor prestado aos EUA, também contra Teerã, nos anos 50

Ignacio Klich
21 de março de 2007

Poderes militares de Teerã

Além das forças armadas regulares, o Irã conta com dois corpos de milícias paramilitares e com centros de formação de combatentes estrangeiros. No comando desta máquina não está o presidente, mas o Guia da Revolução

Jehan Lazrak
21 de dezembro de 2006

As engrenagens do Irã teocrático

A aliança entre o presidente Ahmedinejad e o clero ultra-conservador é menos sólida que se pensa – e há um setor social crescente em favor de modernização. Mas as pressões e ameaças dos EUA geram um clima de unidade nacional que alimenta continuamente a ortodoxia

Alexandre Leroi-Ponant
21 de dezembro de 2006

A demonização forçada dos xiitas

Na onda do ataque ao islamismo, afirma-se que os xiitas iraquianos agem a serviço do Irã e ameçam governos do Oriente Médio. Uma análise menos superficial revela que não formam um bloco único e só acentuaram sua identidade religiosa com a destruição de seu país

Hamid Yasin, Peter Harling
6 de setembro de 2006

O direito à tecnologia

As deformações dos EUA sobre os “planos nucleares” de Teerã fazem lembrar o caso das “armas de destruição de massa” do Iraque. Suspeita: Washington estaria interessada em criar um oligopólio ocidental de produção de energia?

Cyrus Safdari
1º de novembro de 2005

Quando a Europa diz amém

Embora mais pacientes que os EUA, França, Alemanha e Reino Unido seguem a mesma lógica, ao pressionarem o Irã: considerá-lo “Estado hostil” e impedir que desenvolva qualquer capacidade nuclear — mesmo se civil e autorizada pelo TNP

Caroline Pailhe
1º de novembro de 2005

Os xiitas divididos entre Bagdá e Teerã

A vitória do aiatolá Sistani nas eleições iraquianas faz surgir a crença de uma “ameaça xiita” – que não leva em conta a diversidade e as divisões políticas e religiosas no seio das comunidades

Ahmad Salamatian
1º de julho de 2005

O Irã na linha de mira

Por trás da aparente calma nas ruas do Irã, transparece a preocupação com a ameaça americana de fazer do país o próximo alvo da “guerra contra o terrorismo”

Ignacio Ramonet
1º de fevereiro de 2005

Quando os Estados Unidos provocam um confronto

Barrar as ambições nucleares de Teerã aparece como o objetivo imediato de Washington, mas a principal intenção da estratégia regional dos Estados Unidos permanece, a longo prazo, o mesmo de1979: derrubar a República Islâmica do Irã

Walid Charara
1º de janeiro de 2005

Os movimentos das mulheres do Islã

Tanto no Irã, como no Marrocos as mulheres desempenharam um papel ativo. Se definem como militantes dos direitos femininos e, principalmente no Marrocos, rejeitam o termo "feminista", que julgam restrito, referindo-se a uma época e um espaço que não são delas

Wendy Kristianasen
1º de abril de 2004

Vista a partir do Irã

Vistos pelos EUA como inimigos, apesar de terem cedido às suas pressões, dirigentes iranianos dão uma guinada em sua política externa levando em conta a importância assumida pela resistência iraquiana no cenário regional

Paul-Marie de La Gorce
1º de março de 2004

O despertar da esperança

As negociações de Teerã para voltar à comunidade internacional não se devem somente a fatores externos, como a presença de tropas norte-americanas em sua vizinhança, mas também às condições internas criadas nos 25 anos de revolução

Bernard Hourcade
1º de fevereiro de 2004

O desencanto da juventude

Qual o número de jovens que participará das eleições legislativas? Em Teerã, o clima que predomina entre a juventude é o de desilusão com o sistema político e de rebeldia com algumas restrições sociais, mas não em relação à religião

Wendy Kristianasen
1º de fevereiro de 2004

Paradoxos do cinema iraniano

Nas últimas duas décadas, o cinema iraniano virou importante produto de exportação. A revolução islâmica mudou sua face, mas não prejudicou sua ascenção no exterior. Até onde esse sucesso estaria ligado às próprias dificuldades do país?

Javier Martin, Nader Takmil Homayon
1º de setembro de 2003

República Islâmica sob pressão

Diante do desenvolvimento espetacular das organizações xiitas no Iraque, o regime iraniano vê aumentar as ameaças norte-americanas e a exasperação de grande parte da população com o poder dos mulás e com a impotência dos grupos reformistas

Paul-Marie de La Gorce
1º de julho de 2003

Os xiitas cortejados pelos EUA

O CSRII é um partido xiita pragmático, disposto a dialogar com os EUA, com quem tem uma relação turbulenta. Como parceiros de conveniência, cada um já traiu o outro sem remorsos. Seu líder, aiatolá Al-Hakim, poderia ser um novo Kohmeini

Juan Cole
1º de julho de 2003

Os estragos do vício

O Irã é um dos países com mais viciados em heroína e ópio no mundo: oficialmente, são 1,2 milhão de toxicômanos e 800 mil consumidores ocasionais

Cédric Gouverneur
1º de março de 2002

A nova guerra do ópio

Situado na rota do ópio, entre os campos de papoula do Afeganistão e o mercado europeu da heroína, o Irã está numa verdadeira guerra contra o tráfico. Mas a repressão é quase inútil. Única solução: estimular lavouras alternativas nos campos afegãos

Cédric Gouverneur
1º de março de 2002

Reformas no Irã

As vitórias da Revolução Islâmica são inegáveis, mas elas próprias comprometeram o regime dos aiatolás. O país está em ebulição intelectual, e o que acontecer ali terá repercussões em todo o mundo árabe

Ignacio Ramonet
12 de março de 2000

No Irã, Islã contra Islã

Dois anos após a eleição do presidente Mohamed Khatami, o Irã continua dividido. A essência da disputa entre reformadores e conservadores é o cenário interno, o lugar do islã e das suas relações com a política. O desfecho dessa luta determinará o futuro do país, e terá profundas repercussões em todo o mundo muçulmano.

Eric Rouleau
12 de dezembro de 1999

Palavras-chave no mesmo grupo
[países]

Outros grupos de palavras-chave

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel