Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Boaventura: para que o futuro seja de novo possível

» Seis elementos da conjuntura brasileira

» Trump quer a guerra – e conquista o establishment

» Sob Temer, a grilagem volta sem freios

» Tiradentes, herói sem nenhum caráter?

» Como pulsa hoje nosso desejo de rua?

» França: a esquerda vive, quando não se rende

» A indispensável Reforma Política

» Quilombolas: a longa batalha pelo território

» Bem-vindo à escola do século 19

Rede Social


Edição francesa


» La cause des femmes

» Des immigrés sans pays d'origine

» La Revue dessinée

» Le Courage

» La toute première fois

» Les oubliées de San Francisco

» « Agir en primitif, prévoir en stratège »

» L'assurance-maladie universelle en questions

» Bouillonnement antisystème en Europe et aux États-Unis

» La « grande accélération »


Edição em inglês


» Climate change as genocide

» How to lose the next war in the Middle East

» Trump, a symptom of what?

» Found in Cuba: the American dream (and nightmare)

» Through the bars

» Resurrecting the unholy trinity

» War in the Gulf (no, not that Gulf!)

» Demobilizing America

» The bloodstained rise of global populism

» Montreal global city


Edição portuguesa


» Militarismo: uma paixão francesa

» Edição de Abril de 2017

» A liberdade e o medo

» Outra vez a armadilha do voto útil?

» Canto Livre e Canção de Protesto

» União Europeia: para onde vai o pelotão da frente?

» A literatura, cimento que constrói mundos

» Tendências recentes do emprego dos jovens diplomados portugueses

» Edição de Março de 2017

» Offshores, defeitos e feitios


Ocupação do Afeganistão

Paquistão: o novo elo fraco da geopolítica norte-americana

Num contexto geopolítico instável, marcado pelos atropelos da “guerra contra o terror”, um dos mais sólidos pontos de apoio do presidente Bush acaba de ceder. A proclamação do estado de sítio pelo general Pervez Musharraf é uma grave confissão de fraqueza da parte do ditador paquistanês

Ignacio Ramonet
12 de dezembro de 2007

Como Washington atiça o Irã

Um analista destacado da política norte-americana em relação à Ásia descreve a série de iniciativas em curso contra Teerã – de apoio a grupos terroristas a boicote econômico. Conclusão: a ação dos EUA ajuda a sustentar a linha-dura iraniana, ao permitir que atribua seus próprios erros ao "inimigo externo"

Selig S. Harrison
15 de outubro de 2007

Muçulmanos contra a Al-Qaeda

Tanto no Iraque quanto no Afeganistão, a rede terrorista de Bin Laden enfrenta oposição crescente de outros grupos armados árabes. Suspeita-se, ao priorizar o combate entre facções muçulmanas, ela esteja fazendo o jogo da Casa Branca

Syed Saleem Shahzad
8 de agosto de 2007

O Paquistão entre o Império e os talibãs

Um ano eleitoral complexo expõe as ambigüidades de um dos países mais populosos do mundo. Aliado estratégico dos EUA desde o 11/9, o presidente Musharraf busca um difícil equilíbrio, que inclui laços com o islamismo extremista e relação especial com os generais

Jean-Luc Racine
20 de março de 2007

Ofensiva de primavera do Talibã

Na seqüência de um conjunto de iniciativas diplomáticas e militares, os liderados do mulá Omar desencadeiam atentados suicidas e atos de guerrilha que assombram o governo pró-EUA. As milícias crêem que retomarão controle sobre parte do país em alguns meses

Syed Saleem Shahzad
6 de setembro de 2006

Os crimes norte-americanos no Afeganistão

A organização Human Rights Watch denuncia, de forma vigorosa, as violações do direito internacional pelas tropas norte-americanas no Afeganistão em um relatório divulgado no dia 9 de março. São descritas violações das convenções de guerra, saques, mortes suspeitas de civis e tortura. O relatório, que passou despercebido para a grande imprensa tem seus principais trechos reproduzidos pelo Diplô

1º de abril de 2004

Os impasses do Afeganistão

O caso de Hérat, terceira cidade do país e capital de uma província com dois milhões de habitantes, é emblemático: governada pelo “emir do Afeganistão do Sudoeste”, não está subordinada ao governo central e tem até um exército próprio...

Julien Bousac
1º de dezembro de 2003

A onda do caos

Dois anos após o 11 de setembro, o que chama a atenção de qualquer observador atento aos fatos é que as espetaculares vitórias norte-americanas se afundam politicamente num atoleiro, tanto no Afeganistão quanto no Iraque

Alain Gresh
1º de setembro de 2003

Uma investigação indispensável

Desde o mês de junho, um grupo de parlamentares europeus vem tentando conseguir que seja aberta uma investigação internacional para apurar o massacre de combatentes afegãos em Mazar-e-Sharif, com a possível cumplicidade de tropas norte-americanas

Laurence Jourdan
1º de setembro de 2002

Chacina no Afeganistão

Em Dasht-e Leili, no Afeganistão, 3 mil homens estão enterrados sob a areia do deserto. Uns foram mortos por asfixia, durante uma viagem infernal; outros, deitados entre os cadáveres de seus companheiros, imploraram a seus carrascos antes de serem executados

Jamie Doran
1º de setembro de 2002

Cresce a raiva contra os EUA

Longe de estar pacificado, o país está entregue a lutas entre clãs rivais. Os atentados são diários e as forças norte-americanas continuam os bombardeios em busca de supostos membros do Taliban e da Al-Qaida

Selig S. Harrison
1º de maio de 2002

Bombas inteligentes e mortais

Em um ano intenso de trabalho sobre o urânio empobrecido e os efeitos de sua utilização sobre os seres humanos, pesquisador britânico estabelece relação com as armas usadas, com grande alarde, pelo Pentágono durante a guerra contra o Afeganistão

1º de março de 2002

A liberdade, segundo Bush

Depois dos bombardeios norte-americanos e da entrada das tropas da Aliança do Norte em Cabul, os jornais do mundo inteiro publicaram fotos de sorrisos femininos que, supostamente, dariam ao conflito sua razão de ser

Christine Delphy
1º de março de 2002

Petróleo, política e terrorismo

Há quem pense que a negociação entre as várias facções afegãs em Bonn, no dia 5 de dezembro – que resultou num acordo consensual – foi um “milagre”. Na realidade, as negociações e os projetos vêm sendo discutidos há mais de três anos...

Pierre Abramovici
1º de janeiro de 2002

Dados e cronologia
1º de janeiro de 2002

Aldeões sem história

Há muitos anos que os defensores dos direitos humanos não param de denunciar as violações de direitos e a impunidade que as acoberta. Recentemente, três dramas, reveladores desse estado de coisas, mobilizaram a opinião pública

Roland-Pierre Paringaux
1º de janeiro de 2002

Um território “contestado”

A Índia e o Paquistão reivindicam a soberania sobre a totalidade do território da Caxemira. O Paquistão declara que a maioria muçulmana lhe é favorável e pede a aplicação das resoluções da ONU, em particular aquela referente a um plebiscito

Roland-Pierre Paringaux
1º de janeiro de 2002

A fase afegã da guerra esquecida

A crise afegã chamou a atenção para um outro conflito, o da Caxemira, que opõe a Índia e o Paquistão por intermédio de combatentes muçulmanos. Se para Nova Déli são “terroristas”, para Islamabad, são “combatentes da liberdade”

Roland-Pierre Paringaux
1º de janeiro de 2002

Qual Islã, para qual nação?

Após proteger, durante longo tempo, os taliban, o general Pervez Musharraf, presidente do Paquistão, invoca agora a salvação e a unidade nacional para justificar seu apoio incondicional à intervenção militar norte-americana no Afeganistão

Jean-Luc Racine
1º de dezembro de 2001

Um aliado estratégico duvidoso

Nove dias após os atentados de 11 de setembro, o general Pervez Musharraf, presidente do Paquistão, fez um discurso invocando a salvação e a unidade nacional para justificar seu apoio, condicional, à intervenção dos Estados Unidos no Afeganistão

Kurt Jacobsen, Sayeed Hasan Khan
1º de dezembro de 2001

Uzbequistão, um país-chave

Com 24 milhões de habitantes e uma posição geograficamente privilegiada, o Uzbequistão é um território crucial no contexto político-militar da atual guerra. Mas é governado por um dos regimes mais repressivos da Ásia central

Vicken Cheterian
1º de novembro de 2001

Os alvos da guerra

À primeira vista a desproporção entre as forças dos dois adversários lembra a de um abismo. Trata-se, inclusive, de uma situação militar inédita, pois esta é a primeira vez que um império não declara guerra a um país, mas a um homem...

Ignacio Ramonet
1º de novembro de 2001

As controvérsias de Washington

Em oposição à política de Bush, há uma corrente que tem por alvo o Iraque e outros países árabes, origem dos homens de Bin Laden e de outros grupos terroristas. É, portanto, no Oriente Médio que os Estados Unidos devem travar e ganhar essa guerra

Paul-Marie de La Gorce
1º de novembro de 2001

Palavras-chave no mesmo grupo
[temas atuais]

Outros grupos de palavras-chave

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel