Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Boaventura: para que o futuro seja de novo possível

» Seis elementos da conjuntura brasileira

» Trump quer a guerra – e conquista o establishment

» Sob Temer, a grilagem volta sem freios

» Tiradentes, herói sem nenhum caráter?

» Como pulsa hoje nosso desejo de rua?

» França: a esquerda vive, quando não se rende

» A indispensável Reforma Política

» Quilombolas: a longa batalha pelo território

» Bem-vindo à escola do século 19

Rede Social


Edição francesa


» La cause des femmes

» Des immigrés sans pays d'origine

» La Revue dessinée

» Le Courage

» La toute première fois

» Les oubliées de San Francisco

» « Agir en primitif, prévoir en stratège »

» L'assurance-maladie universelle en questions

» Bouillonnement antisystème en Europe et aux États-Unis

» La « grande accélération »


Edição em inglês


» Climate change as genocide

» How to lose the next war in the Middle East

» Trump, a symptom of what?

» Found in Cuba: the American dream (and nightmare)

» Through the bars

» Resurrecting the unholy trinity

» War in the Gulf (no, not that Gulf!)

» Demobilizing America

» The bloodstained rise of global populism

» Montreal global city


Edição portuguesa


» Militarismo: uma paixão francesa

» Edição de Abril de 2017

» A liberdade e o medo

» Outra vez a armadilha do voto útil?

» Canto Livre e Canção de Protesto

» União Europeia: para onde vai o pelotão da frente?

» A literatura, cimento que constrói mundos

» Tendências recentes do emprego dos jovens diplomados portugueses

» Edição de Março de 2017

» Offshores, defeitos e feitios


Papel das corporações transnacionais

Macau supera Las Vegas

Assim como Mônaco, na Europa, o antigo enclave português se expande construindo sobre o mar. Porém, a cidade, que passou ao controle de Pequim em 1999, enfrenta agora outra batalha: o impacto dos cassinos norte-americanos e seus projetos cada vez mais gigantescos

Any Bourrier
6 de setembro de 2007

A cara do "novo" capitalismo

Como a General Electric, símbolo de poder industrial e inovação no século 20, demitiu, deslocalizou a produção e financeirizou-se... mas não conseguiu superar suas graves debilidades. Um caso emblemático da regressão neoliberal

Olivier Vilain
10 de novembro de 2006

Da torradeira à fibra ótica

Nos tempos dourados, a GE ajudou a mudar a vida quotidiana de bilhões de pessoas

10 de novembro de 2006

Um publicitário chamado Ronald Reagan

Nos anos 1950, um ator de Hollywood e futuro presidente dos EUA cruzou várias vezes o país para construir uma imagem positiva da GE entre as famílias norte-americanas e os próprios funcionários da empresa

Serge Halimi
10 de novembro de 2006

Números e braços da GE

Um faturamento maior que o PIB da Argentina; uma participação dos ramos financeiros que já rivaliza com a dos industriais

10 de novembro de 2006

Onde as máfias, as transnacionais e os governos se encontram

A lavagem de dinheiro não é resultado das maldades de um ou outro governo corrupto. Tornou-se uma atividade essencial ao funcionamento do capitalismo moderno. Por isso, unem-se em torno dela, além dos mafiosos de carteirinha, transnacionais e políticos "respeitáveis"

Chistian de Brie
12 de abril de 2000

Inventar um protecionismo altruísta

A introdução de cláusulas sociais e ambientais no comércio internacional pode ser uma alternativa para evitar que os países do Sul continuem submetidos às transnacionais

Bernard Cassen
12 de fevereiro de 2000

Palavras-chave no mesmo grupo
[temas atuais]

Outros grupos de palavras-chave

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel