Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Boaventura: para que o futuro seja de novo possível

» Seis elementos da conjuntura brasileira

» Trump quer a guerra – e conquista o establishment

» Sob Temer, a grilagem volta sem freios

» Tiradentes, herói sem nenhum caráter?

» Como pulsa hoje nosso desejo de rua?

» França: a esquerda vive, quando não se rende

» A indispensável Reforma Política

» Quilombolas: a longa batalha pelo território

» Bem-vindo à escola do século 19

Rede Social


Edição francesa


» Le talon d'Achille du nucléaire français

» Multiplication des opérations militaires autour du Sahel

» Dégringolade

» Revenu garanti, l'invité-surprise

» L'Allemagne et les réfugiés, deux ans après

» Portes ouvertes au secteur privé

» Le Maghreb entre autoritarisme et espérance démocratique

» Avec la guérilla des FARC, en attendant la paix

» Norilsk, ville polaire, cité du nickel

» Trente-six compagnies pour une ligne de chemin de fer


Edição em inglês


» America at war since 9/11

» Qatar crisis: Saudi Arabia as anti-hero?

» A wide world of winless war

» Kissing the specious present goodbye

» Destabilizing the Middle East (yet more)

» Chinese songs of dignity

» A psychedelic spin on “national security”

» The age of grief

» France and Iran, two years after the nuclear deal

» Little big man


Edição portuguesa


» Edição de Junho de 2017

» Segurança na reforma começa no emprego

» Os anos loucos

» Colonialismo português: excepção ou barbárie?

» Os genes do euro e as vacas que não voam

» Agitação anti-sistema na Europa e nos Estados Unidos

» Crise e estagnação no labirinto

» Edição de Maio de 2017

» O desígnio de Marcelo

» O Estado profundo


Poder Imperial dos EUA

Em direção à luz?

Um coletivo britânico atuante na galáxia do altermundialismo examina uma questão intrigante: quais são as vitórias, nas lutas por outro mundo possível? Balanço, que inclui mudança climática, G8, América do Sul e periferias, sugere: as respostas costumam estar onde é menos fácil encontrá-las...

Coletivo Turbulence
16 de julho de 2008

Washington brinca com o fogo na Somália

Temendo um novo Afeganistão, os Estados Unidos empreenderam em 2007 uma guerra por procuração, recrutando a Etiópia para desalojar do poder a União dos Tribunais Islâmicos. Mas a ação reacende velhos conflitos regionais e ameaça desestabilizar ainda mais o mundo muçulmano

Philippe Leymarie
15 de fevereiro de 2008

Fogo sobre o Camboja

Novas informações revelam: bombardeios dos EUA sobre o país, entre 1965 e 73, foram cinco vezes mais intensos que se supunha, e possivelmente os mais pesados da História. Brutalidade entregou população ao extremismo genocida do Khmer Vermelho — presságio do que pode ocorrer no Iraque

Ben Kiernan , Taylor Owen
16 de janeiro de 2008

Por que o Congresso não acaba com a guerra do Iraque?

No período recente, quase toda vez que um presidente norte-americano enviou tropas ao exterior, o Congresso abdicou de suas prerrogativas constitucionais em matéria bélica. Daí os obstáculos que enfrentam agora os democratas realmente desejosos de pôr fim aos combates no Oriente Médio

Ryan Hendrickson
14 de janeiro de 2008

Os "poliglotas descalços"

Henry Kissinger será lembrado tanto pela diplomacia pouco convencional e extremamente ágil que praticou quanto pelo lado sangrento de suas decisões e iniciativas. Ainda muito influente, ele jamais escondeu a importância que têm, para os EUA, políticos latino-americanos como Carlos Menem e FHC

José Luís Fiori
24 de dezembro de 2007

A estratégia cinematográfica que sustenta Bush

Partindo do pressuposto de que um império cria sua própria realidade e valendo-se da habilidade de tarimbados diretores de Holywood, o ex-assessor Karl Rove transformou cada ato presidencial em um gesto simbólico, capaz de hipnotizar a opinião pública

Christian Salmon
12 de dezembro de 2007

Nicholas Spykman e a América Latina

O grande teórico da "escola norte-americana de geopolítica" nasceu na Holanda e viveu apenas 49 anos — mas seu pensamento alimenta até hoje a estratégia de poder global dos EUA. Ele dedicou especial atenção à "luta pela América do Sul"

José Luís Fiori
24 de novembro de 2007

A desastrosa “pax americana”

Rotulando todo e qualquer conflito na região como um confronto global entre o Bem e o Mal, a política neoconservadora dos Estados Unidos estabeleceu vínculos antes inexistentes entre crises locais, municiou o fanatismo islâmico e criou o maior foco de instabilidade do planeta

Alain Gresh
12 de novembro de 2007

O novo mosaico global,
visto por Fiori

Num depoimento especial, um dos mais importantes cientistas sociais brasileiros antecipa o sentido de seu novo livro, que descreve um início de século já marcado por duas grandes reviravoltas, e lança nova contribuição ao debate sobre a “hegemonia norte-americana”

José Luís Fiori
19 de outubro de 2007

Pequenos editores, grandes ambições

Editoras e mídias alternativas surgem como contraponto aos grandes conglomerados da imprensa. Uma maneira de inverter a postura panfletária, acrítica e maniqueísta da mídia oficial, propondo uma visão pluralista e independente

André Schiffrin
16 de outubro de 2007

Macau supera Las Vegas

Assim como Mônaco, na Europa, o antigo enclave português se expande construindo sobre o mar. Porém, a cidade, que passou ao controle de Pequim em 1999, enfrenta agora outra batalha: o impacto dos cassinos norte-americanos e seus projetos cada vez mais gigantescos

Any Bourrier
6 de setembro de 2007

Mossadegh, o homem a ser abatido

A história da vida política de Mohammed Mossadegh, personalidade favorita dos iranianos. Durante seu governo, o mais democrático que o Irã conheceu, travaram-se inúmeras lutas em favor da liberdade e da independência

Ahmad Salamatian
6 de setembro de 2007

O golpe montado pela CIA

Não se pode compreender o Irã atual sem recuar até o golpe de Estado de 1953. Fomentado pelas multinacionais do petróleo, ele abortou as reformas em curso, fortaleceu a ditadura do xá e abriu caminho para a revolução islâmica de 1978-1979

Mark Gasiorowski
6 de setembro de 2007

Contra o “tudo em inglês”

Na França, a falta de domínio dessa língua tornou-se um critério para demissões que obedecem às conveniências da Bolsa. Enquanto isso, quatro pacientes de câncer morreram por excesso de radiação, devido à má compreensão do programa de computador ... em inglês!
(Na internet, a partir de setembro)

Bernard Cassen
14 de agosto de 2007

Livros de Noam Chomsky publicados no Brasil
13 de agosto de 2007

A grande disputa pela Ásia Central

Sem alarde, Estados Unidos, Rússia, União Européia e China travam uma intrincada batalha pela região em torno do Mar Cáspio. Rica em petróleo e gás, marcada por regimes instáveis e disputas religiosas, ela pode ser o centro de grandes conflitos no século 21

Régis Genté
27 de julho de 2007

Estados Unidos, território sagrado?

Decidida a construir um “escudo anti-mísseis” que poderia tornar o país potência nuclear única, a Casa Branca volta a agitar o cenário internacional. Mas a proposta é antiga, de eficácia duvidosa, e pode estar baseada numa visão messiânica sobre o papel dos EUA no mundo

Olivier Zajec
27 de julho de 2007

A mão (quase) invisível de Washington

Criada no início do período neoliberal, a Fundação Nacional para a Democracia atuou para derrubar o regime sandinista e desestabilizar o Leste Europeu. E continua cada vez mais atuante, após o fim da Guerra Fria

Hernando Calvo Ospina
27 de julho de 2007

Kosovo

A exortação do presidente dos EUA à independência unilateral do Kosovo pode incendiar de novo os Bálcãs e faz lembrar a responsabilidade das potências ocidentais pelas guerras civis na região

Ignacio Ramonet
27 de julho de 2007

Gana, retrato da África recolonizada

Primeiro país africano independente, Gana vive sem festas os cinqüenta anos da libertação. Adotadas a partir da década de 1980, políticas neoliberais devastaram a indústria nascente, arruinaram os camponeses e tornaram as cidades caóticas e violentas

Yao Graham
21 de junho de 2007

Sob a tutela da Casa Branca

Além de seguidora emblemática do "Consenso de Washington", Gana transformou-se, no governo de Kufuor, num aliado militar estratégico dos EUA e da Inglaterra

Yao Graham
21 de junho de 2007

Ora, a democracia

Publicado em dezembro, o Manual de Contra-insurgência dos EUA para o Iraque flerta com a tentação de “liquidar” a guerra por meio de uma nova onda de violência

Helena Cobban
29 de abril de 2007

Somália

Na virada do ano, o governo Bush abriu, no "Chifre da África", uma nova frente de sua "guerra contra o terrorismo". Mas assim como se deu em Cabul (2002) e Bagdá (2003), a tomada de Mogadíscio não resolve um problema — apenas o inicia...

Ignacio Ramonet
12 de fevereiro de 2007

As vozes de Washington

Por que a Arábia Saudita promove, há décadas, jornais que influem em todo o mundo árabe, mas procuram mantê-lo fragmentado e dividido. História de uma operação ideológica montada para fortalecer o poder dos EUA no Oriente Médio

Mohammed El Oifi
21 de dezembro de 2006

O Iêmen dividido pela "guerra ao terror"

O governo procura conciliar aliança com os EUA e compromiossos com a forte oposição islâmica. Mas Washington pressiona, e as novas restrições à liberdade podem desencadear revolta popular

Laurent Bonnefoy
19 de outubro de 2006

As Coréias sob pressão

O teste de arma atômica anunciado em 9 de outrubro por Pyongyang é condenável, por ampliar as tensões numa região já conturbada. Mas não se deve esquecer que as Coréias viviam uma década de reaproximação e paz — até que os EUA decidiram intervir...

Ignacio Ramonet
6 de outubro de 2006

Um novo estado do mundo

Fracassos da máquina militar dos EUA, reviravoltas no Oriente Médio, avanço da Ásia, migrações intensas e risco de catástrofe climática. Cinco anos após os atentados de 11 de setembro, multiplicam-se os sinais de que a globalização pode estar sofrendo uma mudança de rumos

Ignacio Ramonet
6 de setembro de 2006

Ofensiva de primavera do Talibã

Na seqüência de um conjunto de iniciativas diplomáticas e militares, os liderados do mulá Omar desencadeiam atentados suicidas e atos de guerrilha que assombram o governo pró-EUA. As milícias crêem que retomarão controle sobre parte do país em alguns meses

Syed Saleem Shahzad
6 de setembro de 2006

Carta branca aos incendiários

Com a cumplicidade dos EUA e Europa, e o aplauso dos neoconservadores, Israel aprofunda a guerra contra os árabes. Os poderosos do Ocidente querem a “guerra de civilizações”?

Alain Gresh
1º de agosto de 2006

A demonização a Síria

Por que a Casa Branca está decidida a desestabilizar o regime de Damasco, com quem aliou-se durante toda a década de 90

Eric Rouleau
1º de maio de 2006

Nem todo terror será castigado

O incrível julgamento político de cinco cubanos, condenados nos EUA a até duas prisões perpétuas, por procurar evitar atentados terroristas. Enquanto isso, Washington protege agente que explodiu avião com 73 pessoas a bordo

Leonard Weinglass
1º de fevereiro de 2006

Retrato do novo Gulag

Relatórios de organizações de direitos humanos traçam um perfil do campo de concentração mantido pelo Pentágono em Guantanamo - e revelam a resistência dos prisioneiros

Marie-Agnès Combesque
1º de fevereiro de 2006

Quem faz as guerras químicas

No momento em que os EUA usam fósforo branco e urânio empobrecido contra o Iraque, vale observar as seqüelas do agente laranja provoca no Vietnã, vinte anos após pulverizado

Francis Gendreau
1º de janeiro de 2006

Fósforo branco sobre Falluja

A revista do exército dos EUA descreve o produto químico como "arma psicológica" para desalojar insurgentes dos seus esconderijos, uma tática chamada "shake’n bake" ("agitar e assar")

Maria Wimmer
1º de janeiro de 2006

Torturas

Os EUA alteraram a definição jurídica de tortura, treinaram batalhões para maltratar prisioneiros e estariam criando, em outros países o “gulag de nossa época”. Além de atingir a imagem de Washington no mundo, esta tendência representa um grave ataque à democracia

Ignacio Ramonet
1º de dezembro de 2005

Controlar a Internet

É hora de exigir que o ICANN, administrador da rede, deixe de depender de Washington - e se transforme num organismo independente ligado às Nações Unidas

Ignacio Ramonet
1º de novembro de 2005

O direito à tecnologia

As deformações dos EUA sobre os “planos nucleares” de Teerã fazem lembrar o caso das “armas de destruição de massa” do Iraque. Suspeita: Washington estaria interessada em criar um oligopólio ocidental de produção de energia?

Cyrus Safdari
1º de novembro de 2005

Quem tem medo da diversidade cultural

Uma nova convenção da Unesco pode estabelecer o direito das sociedades a defender suas culturas – inclusive contra as ameaças da homogenização e do mercado. Como seria de se esperar, os EUA são contra...

Armand Mattelart
1º de outubro de 2005

Insubmissão

A peristência dos nacionalismos e a crescente impopularidade dos Estados Unidos estimulam a crescente rejeição às pretensões econômicas e políticas da potência militar que capitaneia a avalanche impetuosa da globalização liberal

Alain Gresh
1º de setembro de 2005

Para nos salvar do inferno

Ao completar 60 anos, a ONU tem pela frente um desafio: como recuperar, em meio à hegemonia norte-americana, os princípios da Carta de 1945, que proclamava a primazia do direito e a soberania dos povos?

Samantha Power
1º de setembro de 2005

Segurança coletiva, o sonho desfeito

A volta à cena, de forma espetacular, da guerra unilateral mostra que a ONU fracassou na busca do equilíbrio internacional

Olivier Corten
1º de setembro de 2005

O que estamos fazendo no Iraque?

Após 27 meses de ocupação americana e da escalada de violência e mortes que acarreta por todos os lados, a guerra inventada por Bush segue vitimando também os norte-americanos, sua juventude, suas liberdades e seu modo de viver

Howard Zinn
1º de agosto de 2005

Londres, Bagdá

As conseqüências trágicas para os britânicos do alinhamento de Blair com o belicismo de Washington, apesar da grande oposição popular à guerra

Ignacio Ramonet
1º de agosto de 2005

Alertas na Coréia

Economia em crise, tensões sociais agravadas pelos efeitos da globalização e ameaça nuclear provocada pelo endurecimento dos Estados Unidos em relação ao regime norte-coreano jogam os sul-coreanos em um contexto perigoso

Ignacio Ramonet
1º de julho de 2005

A grande virada de Washington e o fim liberalismo

A globalização, considerada como a unificação da economia mundial sobre um paradigma neoliberal, parece chegar ao fim. Os sintomas de sua desintegração são múltiplos, mas seu principal agente são os Estados Unidos de Bush

Philip S.Golub
1º de julho de 2005

A política de "instabilidade construtiva” de Bush

Apostando no comunitarismo para enfraquecer os países e as forças opostas à sua hegemonia, impondo-se como instigador e árbitro de verdadeiras guerras civis de baixa intensidade, os Estados Unidos estimulam uma desestabilização que dificilmente poderão controlar

Walid Charara
1º de julho de 2005

Uma primavera árabe?

O mundo árabe passa por uma crise social, econômica e política. Se regimes autoritários monopolizam o poder, a população aspira a democracia que, no entanto, fica cada vez distante quando a receita norte-americana da intervenção militar é adotada

Gilbert Achcar
1º de julho de 2005

Defesa com aval americano

No Tratado Constitucional, a defesa dos países da UE estão submetidos aos compromissos da Otan – e, por conseqüência, às ordens de Washington

Bernard Cassen
1º de maio de 2005

A lei, ora, a lei...

Os Estados Unidos apóiam seqüestros em território venezuelano e homenageiam paramilitares na fronteira da Colômbia

Hernando Calvo Ospina
1º de fevereiro de 2005

O Irã na linha de mira

Por trás da aparente calma nas ruas do Irã, transparece a preocupação com a ameaça americana de fazer do país o próximo alvo da “guerra contra o terrorismo”

Ignacio Ramonet
1º de fevereiro de 2005

Nas fronteiras do Plano Colômbia

Do Panamá à Venezuela, o Plano Colômbia consolida a política de ingerência americana na região e viola a soberania dos países, provocando crises diplomáticas que chegam à beira de conflitos militares

Hernando Calvo Ospina
1º de fevereiro de 2005

A direita americana ataca a ONU

Um conveniente escândalo foi armado para desacreditar as Nações Unidas e seu trabalho de minimizar as conseqüências trágicas do embargo imposto ao Iraque durante doze anos

Joy Gordon
1º de fevereiro de 2005

Contra a ditadura do inglês

Para as elites planetárias, o inglês seria a língua da “comunicação internacional”. Contra essa miragem ideológica, é preciso construir um mundo poliglota

Bernard Cassen
1º de fevereiro de 2005

Dos confins ao centro da galáxia

O sistema de funcionamento linguístico galáctico não caiu do céu: é o resultado histórico do curso do poder, de guerras, invasões, migrações, colonizações

Bernard Cassen
1º de fevereiro de 2005

Na sombra das “revoluções espontâneas”

O que fazer diante de multidões tão bem organizadas e mesmo inovadoras? Nada. Mas o estilo das revoluções pacíficas ocorridas em Belgrado, Geórgia e Ucrânia tem por trás ONGs e dólares norte-americanos, reeditando o antagonismo da guerra fria

Laurent Rouy, Régis Genté
1º de janeiro de 2005

Quando os Estados Unidos provocam um confronto

Barrar as ambições nucleares de Teerã aparece como o objetivo imediato de Washington, mas a principal intenção da estratégia regional dos Estados Unidos permanece, a longo prazo, o mesmo de1979: derrubar a República Islâmica do Irã

Walid Charara
1º de janeiro de 2005

Memórias de fogo

Os Estados Unidos, que acusam a Coréia de estar produzindo armas de destruição em massa, não hesitaram, desde os anos 40, em usá-las. É esta a história desconhecida da guerra do Coréia, que aniquilou cidades e matou milhões de pessoas com bombardeios de napalm

Bruce Cumings
1º de dezembro de 2004

Privatização assassina do conflito colombiano

O plano Colômbia legalizou as atividades realizadas há anos por empresas militares privadas na guerra contra as guerrilhas, diminuindo a necessidade de presença ostensiva de militares norte-americanos que, no entanto, mantêm o controle dessas operações

Hermano Ospina
1º de novembro de 2004

O grande negócio da guerra

A terceirização avançada do sistema de defesa americano traz conseqüências para o pós-guerra no Iraque, que recebe empresas de segurança privada que fazem, às vezes, de força de ocupação, disseminando caos e violência

Sami Makki
1º de novembro de 2004

Nosso amigo Saddam

Como as empresas e os governos ocidentais, em especial o dos Estados Unidos, apoiaram a ascensão de Saddam, a ditadura de Saddam, as guerras de Saddam e os crimes de Saddam

Barry Lando, Michel Despratx
1º de novembro de 2004

Na origem de um conceito

A idéia de choque de civilizações, freqüentemente retomada para explicar os conflitos entre ocidente e oriente, vê os mulçumanos como uma cultura petrificada

Alain Gresh
1º de setembro de 2004

A guerra de mil anos

Com a “guerra contra o terrorismo” e o “choque entre civilizações”, as divisões deixam de ser entre fortes e fracos, entre os opulentos e os deserdados e passem a ser entre “eles” e “nós”. Ou seja, a “luta de classes” dá lugar à bandeira da “luta contra o Outro”, um conflito eterno e sem solução

Alain Gresh
1º de setembro de 2004

O terrorismo anarquista e a Jihad

Como o trabalhador do século XIX, o muçulmano é, atualmente, considerado muitas vezes com uma mistura de medo e desprezo. E os EUA representam para o terrorista da Jihad o que o Estado burguês era para seu predecessor anarquista: o símbolo da arrogância e do poder

Rik Coolsaet
1º de setembro de 2004

Aristide: a queda na própria armadilha

Líder popular, Aristide é seduzido pelo estabilishment norte-americano com quem colabora por ocasião da privatização das estatais. Inebriado pelo poder e pelo dinheiro, é destituído por um bando de mercenários. França e EUA, dão o golpe de misericórdia ao impor um primeiro-ministro e manter o país ocupado por tropas estrangeiras, retomando à violência dos tempos duvalieristas
Cronologia

Maurice Lemoine
1º de setembro de 2004

A santa aliança

Como os neotrabalhistas de Blair se aproximaram dos democratas de Clinton e sedimentaram uma aliança entre os governos britânico e americano

Keith Dixon
1º de setembro de 2004

Oito etapas de instabilidade
1º de setembro de 2004

O cerco à Síria

O regime sírio está sob pressão desde o fim da guerra no Iraque, apesar de ter tomado medidas que agradavam Washington, onde as intenções de desestabilizar o governo de Bachar Al-Assad foram desviadas momentaneamente pela resistência iraquiana

Paul-Marie de La Gorce
1º de julho de 2004

O caso malinês

O Mali, acostumado com os franceses, descobriu os americanos logo depois da guerra do Golfo, em 1992. Desta primeira incursão americana, surgiram programas e investimentos que fizeram do Mali um grande aliado

Pierre Abramovici
1º de julho de 2004

Sob nova ocupação

Os Estados Unidos aumentam significativamente sua presença militar na África, com o mesmo pretexto de sempre – a guerra contra o terrorismo. Os reais interesses, evidentemente estão no petróleo e na localização estratégica de alguns países

Pierre Abramovici
1º de julho de 2004

Imagens e carrascos

Uma guerra colonial caracteriza-se pela arrogância dos invasores, por sua convicção de terem origem numa categoria superior, pelo desprezo pelo colonizado

Ignacio Ramonet
1º de junho de 2004

Entre ameaças externas e bloqueios internos

Seria possível condenar a política de agressão permanente do governo norte-americano em relação a Cuba e, ao mesmo tempo, lembrar as violações das liberdades políticas na ilha sem ser objeto de um fogo cruzado de críticas?

Janette Habel
1º de junho de 2004

A via estreita do Paquistão

O presidente paquistanês, general Moucharraf, procura manter um equilíbrio frágil entre as exigências americanas e sua intenção de manter os islamitas sob controle. Mas o futuro do jogo político depende, fundamentalmente, do diálogo com a Índia – que entra em nova fase com a vitória do partido de Sonia Gandhi

Jean-Luc Racine
1º de junho de 2004

O sonho americano da “nova Europa”

Com a entrada de dez novos países do Leste europeu na União Européia, os Estados Unidos comemoram o crescimento de sua influência na região. Mas a complicada situação no Iraque, as mudanças políticas na Espanha e a crise da Polônia podem arrefecer suas esperanças

Thomas Schreiber
1º de maio de 2004

O cinismo global de Bush

A “guerra preventiva” no Iraque provocou a disseminação do terrorismo pelo mundo, mas um país que dá abrigo a uma lista de notórios terroristas nunca será alvo desta política: os Estados Unidos

Noam Chomsky
1º de maio de 2004

Negócio de sangue e lucros

Nem a insurreição, a retirada das tropas espanholas ou o renascimento do nacionalismo iraquiano impedem o grande negócio americano. Com contratos fabulosos e acima de qualquer lei, grandes empresas americanas ligadas ao governo faturam alto na reconstrução do país

Ibrahim Warde
1º de maio de 2004

A nova máscara da política norte-americana

Com a desmoralização do discurso americano no Iraque e a crescente revolta à ocupação do país, Washington lança sua nova cartada para a região: um plano que inclui ’democracia’ acompanhada de privatização e controle sobre a exploração dos mercados

Gilbert Achcar
1º de abril de 2004

Os crimes norte-americanos no Afeganistão

A organização Human Rights Watch denuncia, de forma vigorosa, as violações do direito internacional pelas tropas norte-americanas no Afeganistão em um relatório divulgado no dia 9 de março. São descritas violações das convenções de guerra, saques, mortes suspeitas de civis e tortura. O relatório, que passou despercebido para a grande imprensa tem seus principais trechos reproduzidos pelo Diplô

1º de abril de 2004

O conceito do 11 de setembro

De outubro a dezembro de 2001, Giovanna Borradori fez uma série de entrevistas com Jürgen Habermas e Jacques Derrida em Nova York. Desse trabalho resultou um livro, ’Le concept du 11 septembre’, publicado este mês, em Paris, pela Editora Galilée

1º de fevereiro de 2004

O capitalismo deve ser domado

O terrorismo global, que culminou no atentado de 11 de setembro, traz as marcas anarquistas de uma revolta impotente no sentido de que é dirigido contra um inimigo que não pode, absolutamente, ser derrotado

Giovanna Borradori
1º de fevereiro de 2004

O terrorismo desterritorializado

Uma ação terrorista já não precisa de aviões, bombas ou camicazes: basta introduzir-se num sistema informático de valor estratégico, para paralisar os recursos econômicos, militares e políticos de um país ou de um continente, a um custo insignificante

Giovanna Borradori
1º de fevereiro de 2004

Vitória certa, paz impossível

A superioridade tecnológica militar dos EUA é indiscutível e absoluta, desde que haja um campo de batalha, mas não quando o conflito de se torna uma guerrilha urbana, como no Iraque, e os atentados terroristas de multiplicam

Pierre Conesa
1º de janeiro de 2004

Guantánamo, a ilegalidade total

Depois de dois anos de detenção, violando as leis internacionais, membros do judiciário, das organizações humanitárias e dos meios de comunicação denunciam a recusa do governo Bush em permitir um processo judicial legal para os 660 presos de Guantánamo

Augusta Conchiglia
1º de janeiro de 2004

EUA reforçam arsenal nuclear

O governo Bush resolveu pôr em prática o ’Nuclear Posture Review’, política anunciada pelo secretário da Defesa no ano passado, que consiste em ampliar a disposição de armas nucleares (os ’tac nukes’), principalmente para conflitos de baixa intensidade

Pascal Boniface
1º de outubro de 2003

Euro versus dólar?

A fragilidade do dólar parece empurrar o euro para assumir o papel de moeda de reserva, essencial para as finanças e o comércio mundiais. Mas, para isso, há muitos obstáculos a serem vencidos

Howard M. Wachtel
1º de outubro de 2003

O humanismo ou a barbárie

Enquanto todo o império diz ser diferente daquele que o precedeu, argumentando que sua missão é civilizar, garantir a ordem e a democracia, usando a força como último recurso, a vontade de compreender o outro exclui, a priori, a ambição de dominação

Edward W. Said
1º de setembro de 2003

O império da cultura do ódio e dos delírios paranóicos

Potência invasora no Iraque, os EUA se comportam como colonizadores, instaurando sua dominação sobre a humilhação dos autóctones, cuja origem está na cultura norte-americana voltada historicamente para a agressão e não para a conciliação social

Denis Duclos
1º de agosto de 2003

O melhor dos mundos, segundo Washington

A “onda mundial de ódio” contra os Estados Unidos, provocada por sua nova doutrina de segurança nacional e pela guerra no Iraque, não representa qualquer tipo de problema para seus atuais dirigentes. Acima de tudo, trata-se de ser temido, não de ser amado

Noam Chomsky
1º de agosto de 2003

República Islâmica sob pressão

Diante do desenvolvimento espetacular das organizações xiitas no Iraque, o regime iraniano vê aumentar as ameaças norte-americanas e a exasperação de grande parte da população com o poder dos mulás e com a impotência dos grupos reformistas

Paul-Marie de La Gorce
1º de julho de 2003

Os xiitas cortejados pelos EUA

O CSRII é um partido xiita pragmático, disposto a dialogar com os EUA, com quem tem uma relação turbulenta. Como parceiros de conveniência, cada um já traiu o outro sem remorsos. Seu líder, aiatolá Al-Hakim, poderia ser um novo Kohmeini

Juan Cole
1º de julho de 2003

Para onde vai o império?

Os objetivos reais da política imperial norte-americana continuam difíceis de serem compreendidos. Baseada na afirmação de sua força militar e tecnológica em escala global, ela gera impopularidade e instabilidade em todo o mundo.

Eric Hobsbawm
1º de junho de 2003

A síndrome de ilha sitiada

Em abril de 2003, enquanto o mundo conhecia as inaceitáveis penas pronunciadas em Havana contra opositores não-violentos, nos EUA, diante da indiferença da mídia internacional, eram confirmadas as duras condenações infligidas aos cinco agentes antiterroristas cubanos

Gianni Miná
1º de junho de 2003

Neo-imperialismo

Ao nomear um general reformado para administrar um país vencido, os Estados Unidos mais uma vez ignoram o direito internacional, relembrando de forma deplorável as velhas práticas do tempo dos impérios coloniais e dos mandatos

Ignacio Ramonet
1º de maio de 2003

A ordem mundial segundo Keynes

A resistência do então assessor da Coroa britânica à dominação econômica norte-americana, então emergente e hoje ameaçada, e suas receitas para países como o Brasil, poderiam ser uma fonte de inspiração para os dias de hoje

James Kenneth Galbraith
1º de maio de 2003

Crimes e mentiras de uma "guerra de libertação"

Depois de uma agressão criminosa, os iraquianos dizem sim à liberdade e ao Islã, e não à América e a Saddam. Mas os EUA têm planos de uma administração direta do Iraque e impõem uma hegemonia humilhante que deverá incentivar o terrorismo

Alain Gresh
1º de maio de 2003

Agressão ilegal

Ao iniciar sua “guerra preventiva” contra o Iraque, os Estados Unidos abalaram a ordem mundial. Embora sem grandes ilusões, esperava-se que o país mais poderoso da Terra não virasse ostensivamente as costas aos grandes princípios da moral política.

Ignacio Ramonet
1º de abril de 2003

O passo a passo da crise mundial

A necessidades de tempo para reunir tropas na região do Iraque e a decisão de Bush de se submeter às Nações Unidas favoreceram a oposição mundial à guerra e o crescimento da crítica à hegemonia norte-americana

Paul-Marie de La Gorce
1º de abril de 2003

Os paramilitares e o terrorismo de Estado colombiano

Enquanto as negociações com as guerrilhas - Farc e o ELN - continuam em ponto morto, o governo Uribe, com apoio de Washington, recebe de braços abertos os paramilitares ligados a assassinatos de civis e a violação dos direitos humanos

Hernando Calvo Ospina
1º de abril de 2003

Ordem americana custe o que custar

Depois de demitir assessor que declarou que o custo do conflito poderia chegar a 200 bilhões de dólares, governo Bush mantém a crença de que o esforço de guerra e diminuição de impostos são os melhores remédios para a economia norte-americana

Ibrahim Warde
1º de abril de 2003

A Liga das Nações está morta, viva a ONU...

A Liga das Nações nasceu em 1919 com os EUA desejando administrar o mundo – como nesse início de terceiro milênio. Esvaziada no fim da Segunda Guerra, é sucedida pela ONU, que logo manifestaria a mesma impotência em relação a questões de desarmamento

Marc Ferro
1º de abril de 2003

Curdos: eternamente traídos

Desde o final da I Guerra Mundial, inúmeras potências utilizaram-se dos curdos para abandoná-los na última hora. Nos anos 70, com ajuda norte-americana, israelense e iraniana, eles foram usados para enfraquecer o regime ba’athista

1º de abril de 2003

“Ainda há uma União Européia?”

Diálogo não desmentido entre Bush e o ministro das Relações Exteriores da Turquia explicita modo como o presidente norte-americano e seus colaboradores estão compreendendo as relações internacionais

1º de abril de 2003

A era da guerra perpétua

A prepotência norte-americana e a falta de argumentos que justifiquem esta “guerra preventiva” vem sendo questionadas pela opinião pública mundial, que teme as mudanças que o conflito no Iraque prenuncia para o equilíbrio mundial.

Ignacio Ramonet
1º de março de 2003

Um golpe a mais no mundo árabe

Depois de quatro séculos de dominação turca, o mundo árabe (“Do Golfo ao Atlântico”) passou à dominação anglo-francesa que o retalhou em Estados-nação. Hoje, a onipotência embriagada de Bush ameaça acabar com ele de uma vez por todas

Selim Nassib
1º de março de 2003

Enfrentar o Império

Os países do Hemisfério Norte zelam pela globalização do capital, dos bens, das patentes e dos serviços. Mas não pela globalização dos direitos humanos, ou pelo fim da discriminação racial, ou das armas químicas e atômicas, ou da justiça

Arundhati Roy
1º de março de 2003

O outro lado dos Estados Unidos

Num mundo dominado pelo tacão implacável de uma potência com poderes ilimitados, é urgente que se conheça sua dinâmica interna, para identificar suas profundas contradições e os que estão fora de seu coro patriótico embrutecedor

Edward W. Said
1º de março de 2003

Fim de reinado em Bagdá

Ao contrário das vezes anteriores, o povo iraquiano parece acreditar que, desta vez, as ameaças norte-americanas de invadir o Iraque são concretas. Mas não sabe o que fazer: se a repressão de Saddam Hussein é ruim, uma ocupação estrangeira é pior...

David Baran
1º de fevereiro de 2003

Onde estamos?

Em seus discursos, suas entrevistas coletivas e suas ameaças, os termos que os tiranos sempre repetem são: Democracia, Justiça, Direitos Humanos, Terrorismo. Atualmente, cada um desses termos significa o contrário do que queria dizer até recentemente

John Berger
1º de fevereiro de 2003

A base dos EUA na Ásia central

Para deslanchar a guerra contra o terrorismo internacional, os Estados Unidos estabeleceram bases militares, na Ásia central, no Uzbequistão, na Quirguízia e no Tadjiquistão. Mas, evidentemente, há o projeto do oleoduto Baku-Tbilisi-Ceyhan

Vicken Cheterian
1º de fevereiro de 2003

Antes da guerra

Não foi possível estabelecer qualquer tipo de vínculo entre Bagdá e as redes terroristas islâmicas. Conseqüentemente, a opinião pública mundial continua exigindo provas indiscutíveis que justifiquem a guerra contra o Iraque

Ignacio Ramonet
1º de fevereiro de 2003

Cumplicidades

Em 1983, os dirigentes norte-americanos sabiam, graças à missão de Donald Rumsfeld, que o exército iraquiano utilizava armas químicas. Sem levar isso em consideração, forneceram uma ajuda de vários tipos – inclusive militar

Eric Rouleau
1º de fevereiro de 2003

Djibuti, uma base estratégica

Promovido ao status de grande base permanente norte-americana, dada a sua posição privilegiada, o pequeno estado do Djibuti passa agora a correr o risco de ser alvo de um atentado terrorista, mas ainda não recebeu nenhuma ajuda para a sua população

Philippe Leymarie
1º de fevereiro de 2003

As regras da desinformação

A manipulação da informação tem certas regras: a crise que antecede uma guerra é levada ao paroxismo, o Estado inimigo é transformado em demônio e seu chefe é apresentado como “aventureiro”, “psicopata”, “comunista” ou “nazista”

Eric Rouleau
1º de fevereiro de 2003

O mundo segundo Washington

Três características definem o novo paradigma da construção do Império que os Estados Unidos procuram nos impor: um unilateralismo crescente, uma subversão profunda das regras internacionais e uma militarização sistemática das divergências

Sami Naïr
1º de fevereiro de 2003

A recolonização do mundo

O “Projeto Globalização” baseia-se em dois enunciados: o do “fim da História” (a “globalização feliz”) e o do “choque de civilizações” – este último explica que se a globalização não deu certo, isso se deve a “criminosos”, “inimigos da América”...

Jean De Maillard
1º de janeiro de 2003

A razão do mais forte

Com o fim da guerra fria, os Estados Unidos adotaram o conceito de ’rogue States’ (Estados delinqüentes) para designar países que desafiam a sua hegemonia. Ao fazê-lo, no entanto, extrapolam do abuso do poder e tornam-se, eles próprios, um ’rogue State’

Jacques Derrida
1º de janeiro de 2003

A ofensiva sobre o petróleo africano

Com 8% das reservas mundiais de petróleo bruto, o continente africano tornou-se objetivo de uma ofensiva estratégica norte-americana: os Estados Unidos poderiam importar 25% de seu petróleo da África subsaariana até 2015, ao invés dos atuais 16%

Jean-Christophe Servant
1º de janeiro de 2003

A luta pelo pós-Saddam Hussein

Duas correntes discutem o futuro político do Iraque após a queda de Saddam Hussein: uma delas, a dos “pombos”, é a do Departamento de Estado e da CIA; a outra, dos “falcões”, é a do vice-presidente norte-americano e dos militares

Isam Al-Khafaji
1º de janeiro de 2003

Sudoeste Asiático na mira dos EUA

O esforço para impedir o surgimento de um rival, a luta contra o terrorismo e a guerra (não terminada) do Afeganistão – objetivos estratégicos dos EUA – inserem-se num espaço geográfico que envolve a Rússia, a China e a Índia

Paul-Marie de La Gorce
1º de dezembro de 2002

Uma ONU refém de Washington

O argumento de legítima defesa contra o Iraque é injustificável. Não existe ameaça alguma plausível dirigida contra os Estados Unidos e nenhuma prova da ligação do regime iraquiano com a ameaça representada pela Al-Qaida

Richard Falk
1º de dezembro de 2002

Dois pesos e duas medidas

Os Estados Unidos impuseram, no mês passado, a destruição dos programas de armamento do Iraque sob a alegação de que aquele país violara uma resolução da ONU. Antes desse episódio, resoluções da ONU haviam sido violadas 91 vezes...

Serge Halimi
1º de dezembro de 2002

Plano Puebla-Panamá: a nova colonização

A exemplo dos “Tigres asiáticos”, alguns governos sonham em ser futuras “Panteras centro-americanas”. Para tanto, tentam concretizar um projeto megalômano ligando o Sul do México ao Panamá. Mas os EUA estão mesmo interessados é no petróleo...

Braulio Moro
1º de dezembro de 2002

Esqueletos no armário da UE

Os dispositivos de políticas comuns criados, em 1992, pelo Tratado de Maastricht, também chamados de “obra-prima de ambigüidade diplomática”, não passam de meros compromissos que não resolvem as questões e os impasses fundamentais

Anne-Cécile Robert
1º de dezembro de 2002

A estranha política externa da Europa

Diante do discurso arrogante do unilateralismo norte-americano, a União Européia hesita, dividida: da posição de “fiel escudeiro” da Grã-Bretanha de Anthony Blair à reticência de alemães e franceses, passando pela “neutralidade” da Áustria, Finlândia e Irlanda

Anne-Cécile Robert
1º de dezembro de 2002

As prioridades estratégicas dos EUA

A estratégia norte-americana apóia-se em três pontos – fortalecimento da capacidade militar, busca de novas fontes de petróleo e guerra contra o terrorismo – que se fundem num único objetivo: a supremacia e o domínio do mundo inteiro

Michael T. Klare
1º de novembro de 2002

Em nome dos direitos humanos...

Enquanto prossegue o debate sobre o uso, ou não, da força contra o Iraque, não são levadas em conta, infelizmente, as conseqüências diretas de qualquer ação militar potencial sobre os direitos humanos do povo iraquiano

1º de outubro de 2002

Vassalagem

No atual clima de intimidação de pré-guerra com o Iraque, vários dirigentes europeus adotam, em relação ao império norte-americano, a atitude de submissão servil que cabe aos vassalos fiéis. Ao final, como prêmio, quem sabe, uma gotinha do petróleo iraquiano...

Ignacio Ramonet
1º de outubro de 2002

O que nós não sabemos...

O secretário da Defesa norte-americano disse, a respeito das armas iraquianas, o seguinte: “Existem coisas que nós sabemos que sabemos. Existem coisas que nós sabemos que não sabemos. E existe aquilo que nós não sabemos que não sabemos”

1º de outubro de 2002

Contestação e diversidade

Os melhores antídotos contra o antiamericanismo são justamente os textos de inúmeros escritores norte-americanos, que defendem uma certa idéia dos Estados Unidos e de seus valores contra aqueles que representam e ilustram seus governantes

Gilbert Achcar
1º de setembro de 2002

Uma política imoral e ineficaz

O autor coloca a política do governo Bush como o ’continuum’ do modo de agir dos Estados Unidos durante o século passado e lamenta amargamente que Washington não saiba tirar qualquer lição da história, persistindo por uma via desastrosa

Gilbert Achcar
1º de setembro de 2002

O evangelho do neocolonialismo

Em livro lançado este ano, conselheiro pessoal de Anthony Blair recomenda usar “dois pesos e duas medidas” nas relações internacionais. Referindo-se aos países do Sul, propõe: “Respeitamos a lei, mas quando agimos na selva, devemos usar a lei da selva”

Philip S.Golub
1º de setembro de 2002

Sombria tentação imperial

Logo, como todos os impérios anteriores, Washington, verdadeiro Extremo Ocidente, só poderá se ocupar, na expressão do escritor sul-africano John Michael Coezee, “de um único pensamento: como não acabar, como não morrer, como prolongar sua era”

Philip S.Golub
1º de setembro de 2002

Objetivo: Bagdá

Hoje como ontem, a Casa Branca não tem interesse na volta dos inspetores, mas num pretexto para uma aventura militar que pode acentuar ainda mais o fosse que separa o mundo muçulmano do Ocidente

Alain Gresh
1º de setembro de 2002

Guerra preventiva, estratégia perigosa

Anunciada por Bush, e expressa claramente em documentos da Casa Branca, a nova doutrina militar dos EUA impõe por meios bélicos a ordem mundial defendida por Washington, e reacende o risco de um conflito nuclear

Paul-Marie de La Gorce
1º de setembro de 2002

The West Wing, um bom seriado

Com um elenco e um roteiro excelentes, ’The West Wing’ é um seriado que destoa da mediocridade da TV apresentando, de forma pedagógica e inteligente, o dia-a-dia do gabinete presidencial do homem mais poderoso do mundo

Martin Winckler
1º de setembro de 2002

Golpe químico made in USA

A independência e a obstinação em cumprir com suas obrigações de inspecionar usinas químicas, principalmente norte-americanas, do diplomata brasileiro José Maurício Bustani, que dirigia a Opaq, foram longe demais para G. W. Bush

Any Bourrier
1º de julho de 2002

A Índia à procura de poder

Em meio a uma reaproximação rápida e espetacular com os Estados Unidos – após 45 anos de um divórcio durante o qual cortejou interesses russos – a Índia joga duro na questão da Caxemira com o objetivo de manter sua supremacia estratégica na região

Kurt Jacobsen, Sayeed Hasan Khan
1º de julho de 2002

As raízes da violência

A nova onda de assassinatos não reflete uma suposta tendência cultural à violência, mas um passado feito de dominações coloniais, que fizeram a sociedade divorciar-se de si mesma

Mohammed Harbi
1º de julho de 2002

O flerte contrariado com os EUA

Apesar da anunciada “parceria estratégica”, a história das relações entre a Argélia e os Estados Unidos consiste de intercâmbios contínuos, mas difíceis, entrecortados por crises

William B. Quandt
1º de julho de 2002

Os contornos do Império americano

Três obras importantes, ricas e atuais, debatem a estratégia norte-americana pós-11 de setembro e o caos, ódio, fanatismo e barbárie das guerras contemporâneas

Paul-Marie de La Gorce
1º de junho de 2002

Petróleo, um barril de pólvora

A exacerbação do conflito na Palestina e o risco de uma ação militar norte-americana no Iraque reúnem os ingredientes para uma possível guerra que envolveria vários países árabes. Uma mistura de barris de petróleo e de pólvora que pode ser explosiva

Nicolas Sarkis
1º de junho de 2002

Todos cidadãos transatlânticos?

Numa ficção científica instigante, Régis Debray imagina a criação dos Estados Unidos Ocidentais, resultado da incorporação da Europa aos EUA

Bernard Cassen
1º de junho de 2002

A doutrina militar das redes

Militares norte-americanos avaliam que o resultado das guerras modernas depende cada vez mais da informação e da comunicação, o que facilita a flexibilidade e tende a incentivar organizações em rede, no lugar das hierarquias dos exércitos tradicionais

Francis Pisani
1º de junho de 2002

Os preconceitos da Casa Branca

Quando 75 mil homens eram enviados para território palestino e quando as maiores cidades da Cisjordânia se haviam transformado em ruínas, George W. Bush pronunciou a seguinte declaração: “Creio firmemente que Ariel Sharon é um homem de paz”.

Geoffrey Aronson
1º de maio de 2002

A ofensiva de Washington em favor dos transgênicos

Embalada pela guerra planetária que desencadeou após 11 de setembro, a Casa Branca “exige” da Europa a liberação total dos produtos modificados geneticamente. Surpresa: a agressão tem o apoio da União Européia

Susan George
1º de maio de 2002

A queda-de-braços do alumínio

A disputa mostrou que, se houver conflito entre princípios e interesses privados, os EUA cederão aos segundos

Joseph E. Stiglitz
1º de abril de 2002

A nova doutrina militar americana

Em seu discurso em 31 de janeiro, o secretário norte-americano da Defesa, Donald Rumsfeld, traçou a essência da nova era da hegemonia militar dos Estados Unidos: colocou no mesmo campo inimigo organizações terroristas e países que supostamente as apóiam. E, justificou, assim, a explosão do orçamento militar

Paul-Marie de La Gorce
1º de março de 2002

Cinqüenta anos de submissão

Ao contrário do que alegam os neoliberais, a causa das dificuldades japonesas não é o suposto “excesso de regulamentação”. O país está em crise porque continua submetido ao sistema político imposto pelos EUA no pós-guerra – e porque adotou, nos anos 80, as decisões políticas que interessavam... a Washington!

Chalmers Johnson
1º de março de 2002

A liberdade, segundo Bush

Depois dos bombardeios norte-americanos e da entrada das tropas da Aliança do Norte em Cabul, os jornais do mundo inteiro publicaram fotos de sorrisos femininos que, supostamente, dariam ao conflito sua razão de ser

Christine Delphy
1º de março de 2002

Pressões internacionais

A organização Non-Proliferation Trust (NPT) foi fundada por especialistas norte-americanos para defender e gerenciar o projeto de um depósito nuclear mundial na Rússia, que prevê a importação de 10 mil toneladas de resíduos

Nathalie Melis
1º de fevereiro de 2002

Petróleo, política e terrorismo

Há quem pense que a negociação entre as várias facções afegãs em Bonn, no dia 5 de dezembro – que resultou num acordo consensual – foi um “milagre”. Na realidade, as negociações e os projetos vêm sendo discutidos há mais de três anos...

Pierre Abramovici
1º de janeiro de 2002

Adeus às liberdades

Em nome da “guerra justa” contra o terrorismo, toda transgressão é permitida. Washington não hesitou em estabelecer alianças com dirigentes pouco recomendáveis: o general golpista Musharraf, do Paquistão, e o ditador Karimov, do Uzbequistão

Ignacio Ramonet
1º de janeiro de 2002

Rumo à remilitarização?

Apesar de se falar em terrorismo, tráfico de drogas etc., na verdade é a instabilidade política e econômica – que sempre serviu de pretexto para legitimar a intervenção norte-americana – que “reaparece como uma ameaça potencial à segurança da região”

Janette Habel
1º de janeiro de 2002

Pensando o impensável

A ideologia neoliberal e imperial norte-americana parece triunfar por toda parte: dominação militar, diluição da Europa numa zona de livre-comércio... E o movimento anti-globalização parece estar na defensiva. Como os neoliberais, há 30 anos...

Serge Halimi
1º de janeiro de 2002

O poder imperial de Bush

Unilateralismo externo e autoritarismo interno: este é o balanço da guerra contra o terrorismo comandada por George W. Bush. Contrariamente às expectativas européias, o governo norte-americano continua refratário a qualquer cooperação multilateral

Philip S.Golub
1º de janeiro de 2002

Histórico e razões de uma derrota

A coalizão que apoiava Daniel Ortega incluía um grupo de ex-contra e até Steadman Fagoth, sinistro personagem que liderou os índios Miskitos numa guerra contra a Frente Sandinista. Chegaram a ser feitos contatos com membros da família Somoza!

François Houtart
1º de dezembro de 2001

O jogo triangular das potências

Dez anos depois do governo George Bush pai, o atual presidente norte-americano, longe de reatar com o “multilateralismo” adotado por ocasião da guerra do Golfo, reforça, agora, uma posição de “unilateralismo” sob a aparência de uma “coalizão”

Gilbert Achcar
1º de dezembro de 2001

Limpeza étnica no atol dos Chagos

Parte do arquipélago dos Chagos, a ilha de Diego Garcia, onde fica uma base naval norte-americana, tem uma população nativa de cerca de 2 mil pessoas. Mas os EUA não querem “habitantes passíveis de serem influenciados pela propaganda comunista”

Hakim Malaisé
1º de dezembro de 2001

A nova cara do mundo

Acabaram-se as dúvidas: o mundo inteiro admitiu explicitamente a supremacia norte-americana. Inúmeros dirigentes precipitaram-se para Washington, oficialmente para expressar o seu pesar mas, na realidade, para demonstrar uma fidelidade incondicional...

Ignacio Ramonet
1º de dezembro de 2001

Os paradoxos dos países do Golfo

Os países do Golfo pérsico são aliados incondicionais de George Bush. No entanto, um abismo separa os povos árabe-muçulmanos dos Estados Unidos, ou, mais precisamente, da política externa e da estratégia planetária da hiper-potência norte-americana

Eric Rouleau
1º de dezembro de 2001

Tensão no nordeste da África

Depois do Afeganistão, o Sudão – e principalmente a Somália – correm o risco de ser objeto da atenção dos EUA, mobilizados em sua “represália” planetária. A “guerra mundial contra o terrorismo” poderá também afetar a missão da Força de Paz da ONU

Jean-Louis Peninou
1º de dezembro de 2001

Taliban, uma criação do Paquistão

No final da década de 70, em colaboração com os serviços secretos paquistaneses, a CIA e os países do Golfo levantaram bilhões de dólares e recrutaram milhares de voluntários que se juntaram aos mujahidin no Afeganistão

Vicken Cheterian
1º de novembro de 2001

O novo “grande jogo”

A atual guerra alterou a lógica da competição estratégica na Ásia central. O comércio do petróleo e os projetos de oleodutos perderam parte da sua importância, enquanto as bases aéreas, os serviços de informações e o poder militar viram a sua aumentar

Vicken Cheterian
1º de novembro de 2001

A aposta política de Vladimir Putin

Em 22 de setembro, Vladimir Putin declarou que “a Rússia não tem escolha senão participar da coalizão contra o terrorismo”, porém não era o caso de comprometer tropas russas na operação comandada pelos Estados Unidos

Nina Bachkatov
1º de novembro de 2001

A capitulação da ONU

Ao considerar os ataques de 11 de setembro “uma ameaça à paz e à segurança internacionais”, o Conselho de Segurança assume a confusão introduzida por George W. Bush e assina sua capitulação diante dos Estados Unidos

Monique Chemillier-Gendreau
1º de novembro de 2001

A ameaça da guerra bacteriológica

Embora apoiando a Convenção sobre Armas Biológicas, o presidente Clinton sucumbiu às pressões das indústrias biotecnológicas e farmacêuticas. Em resumo, somente uma fração das instalações de defesa biológica norte-americanas podia ser inspecionada

Susan Wright
1º de novembro de 2001

Os alvos da guerra

À primeira vista a desproporção entre as forças dos dois adversários lembra a de um abismo. Trata-se, inclusive, de uma situação militar inédita, pois esta é a primeira vez que um império não declara guerra a um país, mas a um homem...

Ignacio Ramonet
1º de novembro de 2001

As controvérsias de Washington

Em oposição à política de Bush, há uma corrente que tem por alvo o Iraque e outros países árabes, origem dos homens de Bin Laden e de outros grupos terroristas. É, portanto, no Oriente Médio que os Estados Unidos devem travar e ganhar essa guerra

Paul-Marie de La Gorce
1º de novembro de 2001

O mito enganoso do pós-nacional

O Estado-Nação não está morto — e a maior prova são os EUA, que continuam moldando a globalização segundo seus interesses. Para enfrentar a hegemonia norte-americana, a saída é propor, como alternativa ao livre comércio, a ampliação dos direitos sociais

Noëlle Burgi, Philip S. Golub
12 de abril de 2000

As "nossas" atrocidades

Quando praticadas pelos sérvios, elas são corretamente qualificadas como crimes. Se a OTAN as comete, passam a ser simples "erros"

Dominique Vidal, Serge Halimi
12 de março de 2000

O Panamá recupera seu canal

Faltam poucos dias para que os EUA restituam o canal aberto entre 1903 e 1914 e deixem uma zona de 1474 quilômetros quadrados onde exerciam total soberania. Mas a presença estrangeira (agora também chinesa…) no Panamá continua enorme, e Washington mantém amplas prerrogativas militares sobre o país que criou artificialmente, no início do século.

Maurice Lemoine
1º de dezembro de 1999

Palavras-chave no mesmo grupo
[temas atuais]

Outros grupos de palavras-chave

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel