Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» O cinema no olho do furacão

» Duas táticas da oligarquia financeira no Brasil

» O poço fundo das eleições 2018

» Hegemonismo, doença senil da esquerda

» A indispensável Maria Conceição Tavares

» Quem pode nos livrar de Bolsonaro

» Superexplorados, vigiados e… com direito a Yoga

» Superexplorados, vigiados e… com direito a Yoga

» Geopolítica: a Eurásia renasce — e quer ser alternativa

» Como se prepara o novo terremoto financeiro

Rede Social


Edição francesa


» Quand la finance prend le monde en otage

» Ces puissantes officines qui notent les Etats

» La machine sacrée

» Le pouvoir mis à nu par ses crises

» Les ingrédients du choc

» Fatal aveuglement de la famille Al-Assad en Syrie

» De la nation citoyenne à la nation culturelle

» Junte birmane cherche habits civils

» Païenne Pologne

» Il y a cent ans, un « Dreyfus ouvrier »


Edição em inglês


» Christophe Jaffrelot on Imran Khan

» Yemen's descent into hell

» The strange, long afterlife of an inhumane colonial law

» After Trump

» September: the longer view

» What will Donald Trump be remembered for?

» A climate tipping point in the Amazon

» Electric vehicles and the raw materials required

» LMD's New York debates

» The undefeatable sponge


Edição portuguesa


» Edição de Setembro de 2018

» Trabalho e civilização

» Liberais contra populistas, uma clivagem enganadora

» Por quem o sininho dobra no Eurogrupo?

» Uma aliança das civilizações

» Dirigir a ONU, um trabalho estranho

» Liquidação florestal em França

» Que alterglobalismo?

» Atolamento saudita no Iémen

» Escalada


Prêmio Nobel

A impostura do Nobel de economia

O prêmio instituído pelo Banco da Suécia nada tem a ver com o Nobel e servem para endeusar economistas americanos da Escola de Chicago

Hazel Henderson
1º de fevereiro de 2005

A palavra disfarçada em carne

Eu não faço jorrar sangue, apenas palavras. Mas quem tem necessidade delas, por mais que se esforcem para ser contemporâneos, quem tem necessidade delas?

Elfriede Jelinek
1º de dezembro de 2004

A escandalosa de Viena recompensada

A escritora desprezada pela mídia e pela direita liberal-conservadora austríaca recebe o Nobel de literatura, com uma obra que põe o dedo nas feridas de seu país

Brigitte Pätzold
1º de dezembro de 2004

Sobre a dificuldade de comunicar

Ao receber o Prêmio Nobel da Literatura, o escritor sul-africano John Cotzee contou uma enigmática história que, na verdade, é uma metáfora que evoca o mistério da inspiração e da relação entre o escritor (ou o escriba?) com o narrador da escrita

Laure-Elisabeth Lorent
1º de julho de 2004

Ele e seu homem

“Mas, para retornar a meu novo companheiro. Eu estava extremamente deleitado com ele, e transformei em meu negócio a tarefa de ensinar-lhe tudo que era apropriado, acessível, e útil; mas especialmente, fazê-lo falar e compreender o que eu falo; e ele era o mais apto aluno, como jamais houve”.
- Daniel Defoe, Robinson Crusoe

J.M. Coetzee
1º de julho de 2004

Um Nobel para um renegado

Naipaul identifica-se completamente com os valores britânicos, como se renegasse seu percurso e tivesse rompido todas as ligações com seu passado – nasceu em Trinidad, em 1932, numa família indiana imigrante, de alta casta, mas pobre

Pascale Casanova
1º de dezembro de 2001

Palavras-chave no mesmo grupo
[temas permanentes]

Outros grupos de palavras-chave

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel