Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Mais humor, menos motor

» Em Milagro Sala, encarcera-se a Argentina indígena

» Pistas para um Brasil pós-golpe

» Para rever a dialética do escravo e do senhor

» Polícia para quem?

» O Blockchain contra a ditadura das finanças

» Uma palavra por Lula

» Facebook e seu novo algoritmo: a distopia total

» Facebook e seu novo algoritmo: a distopia total

» Facebook e seu novo algoritmo: a distopia total

Rede Social


Edição francesa


» La défaite programmée des syndicats allemands

» Sens et enjeux de la mobilisation étudiante contre la loi Devaquet

» Jeter les bases d'une information éthique

» L'humanisme, dernier rempart contre la barbarie

» Le meilleur des mondes selon Washington

» Pleure, ô Zimbabwe bien-aimé

» L'autre Amérique

» « Il ne peut y avoir de paix avant l'avènement du Messie »

» Bataille pour la terre au Zimbabwe

» L'exigence laïque du respect mutuel


Edição em inglês


» The world according to Trump

» Special Ops at war

» Mapping a world from hell

» Honeybees for hire

» Honeybees for hire

» The buzz fades

» Fabricating a war on Iran

» Food's Disneyland

» Food's Disneyland

» Germany alone within the EU


Edição portuguesa


» Edição de Janeiro de 2018

» Recuperar os CTT

» O alvo iraniano

» O eixo Washington-Riade-Telavive

» Edição de Dezembro de 2017

» O Orçamento, o presente e o futuro

» Guerras de religião

» Assinatura de 6 meses: só €18

» Edição de Novembro de 2017

» O Estado e as catástrofes normais


Teorias do Fim da História e da Impotência Social

Por que ainda somos diferentes

Apoiado no fim do "socialismo real" e em certo desencanto com o governo do PT, o pensamento conservador alardeia o fim das fronteiras entre esquerda e direita. E no entanto, elas ressurgem em toda parte: por exemplo, na resistência ao Bolsa Família, às cotas nas universidades e à ação do MST

Cláudio César Dutra de Souza, Sílvia Ferabolli
17 de novembro de 2007

O ano 1 da esquerda

Depois da derrota eleitoral na França, paremos tudo e repensemos. É preciso começar pelo retorno ao que seria a raiz do conflito entre a esquerda e a direita, que não se traduz por “valores”, mas pela questão fundamental do controle da economia
(Na internet, a partir de setembro)

Jean Bricmont
13 de agosto de 2007

Fukuyama, neoconservador arrependido?

Em seu mais recente livro, o formulador da hipótese de “fim da História” critica duramente o governo Bush, reconhece o papel dos Estados nacionais e admite que o poder dos EUA tem limites

Hubert Védrine
6 de setembro de 2006

Manifesto pela renovação da História

Os progressos nas ciências naturais, como o estudo do DNA, conferiram nova atualidade a uma história evolucionista da humanidade, sem que os historiadores tenham se dado conta disso.É hora, portanto, de se restabelecer a coalizão dos que querem ver na história uma pesquisa racional sobre o curso das transformações humanas, contra os que a deformam com fins políticos e os relativistas e pós-modernos que se recusam a admitir que ela oferece essa possibilidade

Eric Hobsbawm
1º de dezembro de 2004

E Deus criou a globalização

Recusar o mundo tal como ele é demanda, antes de mais nada, compreender até que ponto o conceito de globalização é ideológico, ver que esse processo nada tem de fatal, que é apenas fruto de opção e de interesses humanos

André Bellon
1º de dezembro de 2004

A arte de reduzir as mentes

A força da ideologia neoliberal decorre do fato de não começar visando ao homem. Ela cria um novo estatuto do objeto, definido como simples mercadoria, esperando que os homens se transformem ao se adaptarem à mercadoria, apregoada como a única coisa real

Dany-Robert Dufour
1º de outubro de 2003

Os cães de guarda da ordem social

Empoleirados na posição de árbitros das habilidades tecnológicas da mídia, os jornalistas parecem isentos de qualquer crítica. Seus mitos profissionais exaltam a autonomia, a liberdade, a busca individual, mas ignoram, quase em absoluto, a realidade social

Gilles Balbastre, Pierre Rimbert
1º de setembro de 2003

Um brinde ao desajuste !

O emprego da palavra “desajuste” sempre focaliza a atenção sobre o enfraquecimento de um elemento parcial do sistema global, uma exceção confirmando a regra – é uma figura de retórica que consiste em confessar algumas faltas ocasionais para fazer aceitar um mal maior

François Brune
1º de junho de 2003

A recolonização do mundo

O “Projeto Globalização” baseia-se em dois enunciados: o do “fim da História” (a “globalização feliz”) e o do “choque de civilizações” – este último explica que se a globalização não deu certo, isso se deve a “criminosos”, “inimigos da América”...

Jean De Maillard
1º de janeiro de 2003

Preocupar para controlar

A profusão de programas de TV sobre violência (filmes, noticiários etc.) desenvolve um sentimento de perigo e de vulnerabilidade que leva – especialmente, as categorias mais desfavorecidas – a aceitar a exploração e a repressão crescentes e até a desejá-las

Serge Tisseron
1º de janeiro de 2003

Simplicidade

Por trás da pretensa complexidade exaltada por alguns intelectuais, o mundo de hoje, na realidade, é bem mais simples: o mundo está, cada dia mais, sendo apropriado por poucos

Serge Halimi
1º de abril de 2002

O futuro do tempo

O imediatismo e a urgência são a marca do nosso tempo. A instabilidade e a precariedade do trabalho encurtam o tempo presente. Essa situação impede qualquer projeto de longo prazo, fazendo prever grande incerteza sobre o futuro. É preciso estruturar uma ética do futuro, uma ética do tempo que reabilita o futuro, mas também o passado e o presente

Jérôme Deauvieau
1º de março de 2002

O trabalho como “religião”

Na década de 90, ocorreu uma redefinição das relações entre empresas e empregados. O que antes era chamado de “exploração” foi rebatizado de “criação”. Sem que tivesse havido aumento de salários, foi dado aos funcionários o título de gerente

Ibrahim Warde
1º de janeiro de 2002

Uma nova busca do Graal

Que poção mágica estimula tanto a fascinação por Harry Potter? É bom saber que essas aventuras não são apenas um “melting pot” de bruxos, caldeirões e sortilégios, mas respondem a algumas das preocupações de seu público-alvo, a faixa de 11 a 14 anos

Serge Tisseron
1º de dezembro de 2001

Revolucionários esquecidos

Os “doze revolucionários sem revolução possível”, ressuscitados por Paco Ignacio Taïbo, levaram uma vida louca, e muitas vezes trágica, não recuando diante da violência em seu desejo místico de mudar o mundo

Ramón Chao
1º de dezembro de 2001

Islamofobia

Alguns intelectuais e especialistas tentam nos persuadir de que o Corão contém em si as fontes dos males dos países do islã: mergulhe nas suratas – dizem – reveladas a Maomé há cerca de 14 séculos, e você compreenderá, enfim, esse universo misterioso

Alain Gresh
1º de novembro de 2001

Palavras-chave no mesmo grupo
[temas atuais]

Outros grupos de palavras-chave

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel