Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Boaventura: para que o futuro seja de novo possível

» Seis elementos da conjuntura brasileira

» Trump quer a guerra – e conquista o establishment

» Sob Temer, a grilagem volta sem freios

» Tiradentes, herói sem nenhum caráter?

» Como pulsa hoje nosso desejo de rua?

» França: a esquerda vive, quando não se rende

» A indispensável Reforma Política

» Quilombolas: a longa batalha pelo território

» Bem-vindo à escola do século 19

Rede Social


Edição francesa


» Fêter une révolution sans donner des idées

» « Which Side Are You on ? »

» « La société n'existe pas »

» « L'esprit de Dunkerque », quand l'élite cède…

» Au Kenya, les habitants de la côte exclus du banquet démocratique

» Émiettement

» Royaume-Uni, de l'Empire au Brexit

» Une préoccupation récente

» Glossaire

» « Ce sont les entreprises qui créent l'emploi »


Edição em inglês


» Down the memory hole

» Little big man

» Boycott Trump

» Whistleblowers, moral injury, and endless war

» Forty-five blows against democracy

» Memory loss in the garden of violence

» Iran elections: presidential debates or reality TV show?

» The American way of war is a budget-breaker

» The hazards of military worship

» Mosul on my mind


Edição portuguesa


» Os genes do euro e as vacas que não voam

» Agitação anti-sistema na Europa e nos Estados Unidos

» Crise e estagnação no labirinto

» Edição de Maio de 2017

» O desígnio de Marcelo

» O Estado profundo

» Militarismo: uma paixão francesa

» Edição de Abril de 2017

» A liberdade e o medo

» Outra vez a armadilha do voto útil?


Turquia

Turquia: discreta esperança

Uma nova Constituição, em debate, poderia substituir o laicismo de fachada — escudo para os interesses das elites e a interferência do exército na política — por uma democracia menos restrita. Mas que forças sociais poderão lutar em favor da mudança?

Niels Kadritzke
15 de fevereiro de 2008

Turquia, eleição decisiva

Os islamitas tendem a obter novas vitórias, na renovação do Parlamento e na escolha do próximo presidente turco. Embora o risco de fundamentalismo seja real, a eleição pode significar uma virada, ao superar o controle do exército sobre a vida política

Ignacio Ramonet
19 de maio de 2007

A Turquia e a vocação européia

Sob o pano de fundo do “choque de civilizações”, a possibilidade de entrada do mais laico país muçulmano na União Européia acende debates e evidencia a atual angústia do mundo ocidental por uma identidade diante do Islã

Ignacio Ramonet
1º de novembro de 2004

“Ainda há uma União Européia?”

Diálogo não desmentido entre Bush e o ministro das Relações Exteriores da Turquia explicita modo como o presidente norte-americano e seus colaboradores estão compreendendo as relações internacionais

1º de abril de 2003

Entre ameaças e chantagens

Aproveitando-se da importância geográfica para um eventual ataque norte-americano ao Iraque, o governo de Abdullah Gül – que atravessa uma grave crise política interna – faz pressão sobre a União Européia, à qual pretende aderir

Niels Kadritzke
1º de março de 2003

Os democrata-cristãos islâmicos

A vitória eleitoral do partido islâmico AKP foi uma resposta à crise que abalou a classe média, atingida pelo desemprego, e também um protesto contra a corrupção e a falência do sistema turco. Mas ele poderá corresponder às expectativas?

Wendy Kristianasen
1º de março de 2003

Oitenta anos depois…
1º de outubro de 2002

Paisagens antes da guerra

Indesejáveis para o regime turco, os curdos são tolerados pelo governo de Teerã (existem 10 milhões no Irã, quase 15% da população do país). Seu sonho é um só: que Bush bombardeie logo o Iraque para poderem voltar para sua terra...

Michel Verrier
1º de outubro de 2002

Greve de fome contra a solidão

Em meio século, nada mudou na Turquia, onde os presos políticos continuam fazendo greve de fome, não pela liberdade, como Nazim Hikmet, mas para recuperar a dignidade. Para defender o direito de viverem juntos, uma “presença comum”

Nedim Gürsel
1º de fevereiro de 2002

O “comunista romântico”

Com Paul Robeson e Pablo Neruda, Nazim Hikmet dividiu, em 1950, o Prêmio Mundial da Paz. ’In absentia’, pois o poeta turco, enfraquecido por uma longa greve de fome e com problemas cardíacos, não pôde se deslocar até Varsóvia

Charlotte Kan
1º de fevereiro de 2002

Hikmet, a “árvore de olhos azuis”

Acho que foi em Londres, em 1954. Quatro anos depois de sua saída da prisão, nove antes de sua morte. Estava falando num comício, no Red Lion Square. Depois de dizer algumas palavras, pôs-se a ler poemas, alguns em inglês, outros em turco

John Berger
1º de fevereiro de 2002

Palavras-chave no mesmo grupo
[países]

Outros grupos de palavras-chave

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel