Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Quando cientistas sociais assistem a Game of Thrones

» EUA x China: o que pode tirar o sono de Trump

» Como construir uma internet sem violência?

» A independência radical de Luiz Rosemberg Filho

» Uber: assim começam as greves do futuro

» O conto de fadas de Paulo Guedes

» Direita europeia: tudo, menos antissistema

» Como a “mão invisível” — e Paulo Guedes — nos afundam

» Julian Assange desaparecerá para sempre?

» “Austeridade”, Paulo Guedes e o verdadeiro fundo do poço

Rede Social


Edição francesa


» Enjeux et acteurs de la sécurité en Afrique

» Interventions militaires françaises en Afrique

» Fonds européen de développement

» Image de la France en Afrique

» Ressortissants français en Afrique

» Commerce françafricain

» Ainsi Hitler acheta les Allemands

» Armées oubliées de l'Asie britannique

» Leçons d'histoire

» Contre l'ordre impérial, un ordre public démocratique et universel


Edição em inglês


» Election-meddling follies, 1945-2019

» Volt, the party that undermines EU democracy

» Iran and the US, a tale of two presidents

» Terry Gou, Taiwan's billionaire and political wildcard

» Ecuador's crackdown on abortion is putting women in jail

» Traditions of the future

» Boondoggle, Inc.

» Sisi amends Egypt's constitution to prolong his presidency

» May: the longer view

» The languages of Ukraine


Edição portuguesa


» 20 Anos | 20% desconto

» EUROPA: As CaUsas das Esquerdas

» Edição de Maio de 2019

» Os professores no muro europeu

» Chernobil mediático

» Edição de Abril de 2019

» A nossa informação, as vossas escolhas

» O cordão sanitário

» O caso do Novo Banco: nacionalizar ou internacionalizar?

» Edição de Março de 2019


fevereiro 2000


Crime, pornografia e desprezo pelo público

Uma parcela dos diretores franceses contemporâneos parece mergulhar num naturalismo sórdido. Seus filmes revelam o fascínio pela decadência, o desespero e a morte


Carlos Pardo

Tchetchnia

Por que a comunidade internacional, pronta a se mobilizar no ano pasado a favor de Kosovo, em nome do direito de ingerência, assiste impassível a uma nova tragédia?


Ignacio Ramonet

Aurora

Seattle representa uma virada. Reacendendo a chama da contestação, os manifestantes que evitaram a "Rodada do Milênio" também começaram a construir um contra-poder mundial


Ignacio Ramonet

Inventar um protecionismo altruísta

A introdução de cláusulas sociais e ambientais no comércio internacional pode ser uma alternativa para evitar que os países do Sul continuem submetidos às transnacionais


Bernard Cassen

Como a OMC foi posta em xeque

Graças às ONGs e aos movimentos sociais, o neoliberalismo sofreu em Seattle sua primeira grande derrota. É hora de avançar, propondo uma ordem internacional baseada não nos mercados, mas na democracia e na solidariedade.


Susan George

O dia em que o Sul se rebelou

Além da pressão dos manifestantes, e das divergências entre os ricos, destacou-se em Seattle a posição corajosa de países como Gana, Guiana e Madagascar, que denunciaram o caráter excludente e antidemocrático do teatro encenado pela OMC


Agnès Sinai

A destruição deliberada da solidariedade militante

Como as indústrias "modernas" desqualificam os operários, bloqueiam a transmissão de saber e memória entre eles, sabotam os sindicatos e tentam esvaziar o sonho de transformação do mundo


Michel Pialoux, Stéphane Béaud

Os "operadores" vão à greve

Jovens trabalhadores de uma empresa ligada à Mercedes Benz mostram, numa região operária esgotada pelo desemprego, que, também nas "novas" fábricas, é possível enfrentar a exploração e vencê-la


Michel Pialoux, Stéphane Béaud

A Constituição que pesa sobre a política americana

Nas eleições americanas, o dinheiro e a notoriedade dos candidatos valerão mais que suas posições políticas. O debate dos problemas de fundo — corrupção, número recorde de prisões e execuções, crescimento das desigualdades — parece estar proibido. Imutável e sacralizada, a Constituição contribui para esta apatia.


Daniel Lazare

No Vietnã, o partido contra o Estado

As crescentes dificuldades econômicas e a ineficácia do aparelho de Estado animam o Partido Comunista Vietnamita a retomar o comando dos negócios


Philippe Papin

A vanguarda da classe trabalhadora

No Vietnã, como na China, liberalização econômica e autoritarismo político caminham juntos


Michel Herland

Existe "socialismo de mercado"?

O "Doi-moi", ou "renovação econômica", permitiu o aumento da produção — mas trambém trouxe desigualdade, corrupção e outras pragas sociais


Michel Herland

Decadência dramática dos Estados africanos

Quatro golpes de Estado, em apenas um ano, voltam a expor os limites de uma "democratização" que gerou pluripartidarismo e alguma liberdade de imprensa, mas não admite alternância no poder


Jean-Pierre Olivier de Sardan

Pesca milagrosa

Neoliberalismo fantástico: para facilitar as privatizações, o governo Gaviria estimulou uma indústria de indenizações trabalhistas fraudulentas. Como prêmio, foi conduzido à secretaria-geral da OEA, com apoio decidido dos EUA


Maurice Lemoine

O Atlas 2000 dos conflitos

Ao contrario do que se pensa, eles estão todos bem próximos do mesmo ponto: a fome está presente em todo lugar, num mundo onde a produção agrícola é cada vez mais densa por hectare


Jean-Christophe Servant

Os especuladores cobiçam a Rede

O objetivo do acordo entre a AOL e a Time Warner é transformar a rede mundial de computadores num imenso supermercado virtual. Essa fusão ameaça abocanhar a Internet e pode limitar, ainda mais, o pluralismo da informação


Dan Schiller

E o caçador virou caça...

Em matéria de faturamento, de lucros e de número de empregados, a Time Warner é respectivamente cinco, duas e meia e seis vezes mais importante que a AOL. Como um gigante deixou-se engolir por um anão?


Ibrahim Warde

Os cibercondenados

A vida é dura para os funcionários da Amazon. Telefone fixo no crânio, olhos grudados na tela e rua, para quem não responder doze mensagens por hora


Serge Halimi

É hora de um novo humanismo

Alguns pensadores neoliberais destacados já falam numa "pós-humanidade", que levaria ao limite a desigualdade e a alienação. Para responder a eles, é preciso propor um novo humanismo, que leve em conta inclusive as revoluções da informática e da biotecnologia


Patrick Viveret

Oceanos sem lei

Sob inspiração neoliberal, foram abolidas, nos últimos anos, as normas que regulavam o transporte marítimo. Esta é a causa de tragédias recentes, como o naufrágio do petroleiro Érika


Laurent Carroue

O sacrifício da Natureza

Desaparelhados e seduzidos pela idéia de exportar a qualquer preço, para completar o "ajuste estrutural" os Estados latino-americanos abrem seus países à voracidade predadora das transnacionais


Jaime Massardo

Quando os patrões colaboravam
Gilles Perrault

Os filhos de Zapata
Ramón Chao

Como a França aprovou o PACS
Sylvie Braibant

Primeiras lições do Kosovo
Xavier Bougarel

Que futuro nos espera?
Jacques Robin

Béria pai visto por Béria filho
Jean-Jacques Marie

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos