Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Amazônia do Conhecimento ou da Ignorância?

» Protestos multiplicam-se: como participar

» Cinedebate: a crise ambiental brasileira em três filmes

» O cineasta em sua fauna

» A revolução do Emprego Garantido

» Segurança pública: hora de trazer a pauta para a esquerda

» Segurança pública: hora de trazer a pauta para a esquerda

» Para entender a crise de Itaipu

» “Não esqueçam Julian Assange”

» Índia ocupa a Caxemira muçulmana

Rede Social


Edição francesa


» Graves menaces sur la sécurité alimentaire mondiale

» Menaces sur l'Asie

» Le rap, complainte des maudits

» L'Afrique noire est-elle perdue ?

» Comment fut liquidée toute une génération d'opposants

» Eldridge Cleaver : le retour de l'enfant prodigue

» Population, subsistance et révolution

» Une nouvelle classe de petits potentats domine les villages

» Vers une « révolution agricole »

» En dehors de la « Petite Europe » d'autres débouchés s'offriront aux produits tropicaux


Edição em inglês


» On ‘la pensée unique'

» Manufacturing public debate

» August: the longer view

» Trump returns to the old isolationism

» Yellow vests don't do politics

» Kurdish territories in northern Syria

» The changing shape of the Balkans: 1991 / 2019

» Minorities in Kosovo

» Borders 1500-2008

» Man with a mission or deranged drifter


Edição portuguesa


» Edição de Agosto de 2019

» Plural e vinculado à esquerda

» Os talibãs de São Francisco

» Edição de Julho de 2019

» Inconsistências (ou o sono da razão?)

» Comércio livre ou ecologia!

» Edição de Junho de 2019

» As pertenças colectivas e as suas conquistas

» A arte da provocação

» 20 Anos | 20% desconto


maio 2001


A ferro e fogo

A opinião pública já não consegue digerir o exagero de publicidade que ocupa sua vida cotidiana. Diante da brutalidade das exigências do marketing, a função do publicitário é ser um agente da "humanização" da ideologia mercantil


Marie Bénilde

O marketing da libertação... do capital

Ligar a televisão no horário nobre significa ouvir a publicidade incitar à revolução, pregar a transgressão dos bons costumes, insistir em viver perigosamente até o fim. A crítica do capitalismo tornou-se, de forma estranha, o sangue salvador do capitalismo


Tom Frank

A organização da resistência

Todas as formas da luta são boas, desde que denunciem as finalidades do sistema liberal, as múltiplas conivências que tece com a mídia, o enclausuramento de nossas vidas, a uniformização cultural e econômica do planeta e as ações dos homens que não cessam de despolitizar os cidadãos, para melhor subjugá-los


François Brune

O polvo da publicidade

Tentacular, asfixiante e opressiva, ela sabe utilizar os melhores trunfos da sedução, e mobilizar todos os recursos do desejo. Mas sob ela, o luxo torna-se uma necessidade, e é preciso perpetuar uma existência devotada a desafios alienados e desumanizados


Ignacio Ramonet

O marketing da libertação... do capital

Ligar a televisão no horário nobre significa ouvir a publicidade incitar à revolução, pregar a transgressão dos bons costumes, insistir em viver perigosamente até o fim. A crítica do capitalismo tornou-se, de forma estranha, o sangue salvador do capitalismo


Tom Frank

A organização da resistência

Todas as formas da luta são boas, desde que denunciem as finalidades do sistema liberal, as múltiplas conivências que tece com a mídia, o enclausuramento de nossas vidas, a uniformização cultural e econômica do planeta e as ações dos homens que não cessam de despolitizar os cidadãos, para melhor subjugá-los


François Brune

A ocupação, passo a passo

Como a publicidade avançou, na França, sobre um espaço cada vez maior do clima que a sociedade dedica à TV


François Brune

A fábrica dos desejos

O século XX assistiu à explosão da publicidade e à sua sofisticação. A ambição de manipular as mentes, dentro dos próprios lares, alcançou quase níveis de uma ciência


Ignacio Ramonet

A Rússia em busca de parceiros

Os resultados obtidos durante a época de Boris Ieltsin, assim como o colapso econômico, social e mesmo moral que daí decorreram, dissiparam muitos sonhos e destruíram muitas esperanças e expectativas


Paul-Marie de La Gorce

Como chega a um crask

Já estamos longe do que os ideólogos da área financeira chamavam de "pouso suave". E já se ouvem os primeiros estalidos de uma grave crise econômica. Com conseqüências infinitamente mais sérias que as da crise tailandesa, de 1997, ou da Rússia, de 1998


Frederic Clairmont

Ameaça à distensão asiática

Acreditava-se que a questão coreana estava em vias de ser solucionada e que o realismo prevaleceria nas relações sino-americanas. Mas tudo isso mudou. Desde que George W. Bush tomou posse, as perspectivas de distensão tornaram-se distantes


Bruce Cumings

O cavalo de Tróia norte-americano

Insidiosamente, a questão das liberdades religiosas envenena as relações diplomáticas entre Washington e os principais países europeus. Em nome dos direitos humanos, os EUA querem a impunidade de grupos cujas atividades são condenadas pelos tribunais


Bruno Fouchereau

"Transparência Internacional" ou cortina de fumaça?

Duas estranhas características marcam a atividade desta ONG norte-americana, que se diz disposta a combater a corrupção. Ela protege os corruptores e cala diante dos "ajustes estruturais", que promovem transferência brutal de renda em favor das grandes empresas


Bernard Cassen

Um arsenal pouco utilizado
Bernard Cassen

O pesadelo da "operação Condor"

Em 1960, um general norte-americano convidou seus colegas latino-americanos para uma reunião onde se discutiriam problemas comuns. É a partir dessas reuniões, um pouco obsessivas, que se situa o coração do que se tornaria um dia a operação Condor


Pierre Abramovici

Caçadores de dotes mortais

O dote, que encontra seu fundamento na tradição hinduísta, originalmente visava a indenizar por meio de uma doação as moças que não herdassem um imóvel. Com o tempo, sofreu uma derivação que incentiva a chantagem e os crimes da pior espécie


Roland-Pierre Paringaux

Tochas ardentes

"São recebidas, aqui, mais de 1.800 mulheres queimadas por ano", declara o professor Gurumurthy, que atende na sala de operação. Muitas delas chegam em macas, em farrapos ou em carne viva. Contorcendo-se em dores silenciosas ou gritantes


Roland-Pierre Paringaux

Em nome da honra...

O Paquistão islâmico possui uma característica bem específica de violência criminosa praticada contra as mulheres: o "crime de honra". A expressão evoca outras sociedades que aceitam esse tipo de crime, como em casos de adultério ou de vingança


Roland-Pierre Paringaux

Processo arquivado

Após ter lavado sua honra com o sangue de sua filha, o pai de Samia Sarwar organizou uma campanha contra as advogadas que ousaram defendê-la. Fez questão de processá-las, acusando-as de verdadeiras responsáveis pela morte de sua filha...


Roland-Pierre Paringaux

Nem paz, nem segurança

Os israelenses já começam a desconfiar que o homem que elegeram primeiro-ministro é o "velho Ariel Sharon", e que ele pretende continuar fazendo o que fez ao longo de toda sua vida: batalhas e guerras, destruição e matança


Amnon Kapeliouk

Convulsões de um país fictício

Estado emblemático das relações "históricas" entre a África e a França, o Chade vive em crise há 40 anos. No próximo dia 20 de maio, o presidente Idriss Deby deverá ser reeleito, num escrutínio denunciado pela oposição como uma "palhaçada"


Pierre Conesa

Uma abertura democrática

Um plebiscito — que aprovou uma nova Constituição — foi acompanhado pela libertação de todos os presos políticos, pelo direito de retorno dos exilados, pela abolição das leis de exceção e por uma inacreditável ampliação da liberdade de expressão


David Hirst

Um modelo camponês e cidadão

Se existe um amplo consenso sobre os objetivos a atribuir a uma política agrícola renovada — melhor garantia de segurança sanitária nos alimentos, multi-funcionalidade, desenvolvimento durável —, as divergências são profundas sobre os modos de fazê-lo


Jacques Berthelot

A estratégia do avestruz

Ahmad Shah Massoud, principal dirigente da oposição afegã, fez uma viagem à Europa durante o mês de abril de 2001. No entanto, os votos que recebeu de apoio à sua causa escondem as incertezas que cercam a política ocidental com relação ao Afeganistão


Gilles Dorronsoro

Meningite: epidemias polêmicas

Para enfrentar a meningite, que mata 30 mil pessoas por ano na África, a Organização Mundial da Saúde mantém uma estratégia baseada na urgência, e não na prevenção


Jean-Philippe Chippaux

A febre do harmattan

A bactéria instala-se na faringe. Atravessa as mucosas, passa pelo sangue e atinge as meninges. Os primeiros sintomas são uma febre alta e violentas dores de cabeça, vômitos e rigidez na nuca. O coma e a morte podem seguir-se rapidamente


Jean-Philippe Chippaux

O Elogio do Amor, segundo Godard

O filme é uma cantata cujas personagens louvam a Resistência, a memória e o cinema. Uma nova oportunidade para se descobrir a originalidade e a pertinência desse realizador ímpar, para quem o cinema é, em primeiro lugar, pensamento


Philippe Lafosse

Camponeses do Brasil e o FMI

Chega-se a suspeitar que Maurice Lemoine inventa vocábulos para melhor descrever os camponeses pobres, as mulheres médiuns, os grandes proprietários de terra e seus capangas, os pistoleiros, que povoam o seu romance


Ramón Chao

Memórias da dor

A maioria dos fatos da guerra civil, ou de resistência, e as operações clandestinas, relatam episódios ouvidos da boca dos mais velhos, que souberam levantar o manto pudico do silêncio para se sacrificarem ao dever da memória


Gilbert Haffner

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos