Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Mudar o mundo sem desprezar o poder

» Seria a Medicina moderna uma ilusão?

» Pós-capitalismo na era do algoritmo (1)

» Uma “potência acorrentada”

» Sobre jeans, trabalho insano e folia

» Sobre jeans, trabalho insano e folia

» A política como arte do impossível

» O enigma da sobrevivência neoliberal

» Violência policial: o problema não está nos soldados

» Eleições na Bolívia: o que está em jogo?

Rede Social


Edição francesa


» L'ordre mondial selon John Maynard Keynes

» L'offensive des intellectuels en Iran

» Les charniers de Franco

» Sabra et Chatila, retour sur un massacre

» La résistance de George Orwell

» Mémoires et malmémoires

» Keynes, ou l'esprit de responsabilité

» Un milliardaire à l'assaut de la Maison Blanche

» Comment les sociétés multinationales du textile renforcent leur emprise sur le marché mondial

» À la recherche des « disparus » d'Algérie


Edição em inglês


» July: the longer view

» An interview with Franco ‘Bifo' Berardi

» Learning the lessons of the Arab Spring

» May 2019 parliamentary election

» A religious map of India

» Universal access to care

» Benin's fight against tuberculosis

» Towards an equal and healthy Africa

» Ivorians mobilise against AIDS

» Health for all, a global challenge


Edição portuguesa


» Edição de Julho de 2019

» Inconsistências (ou o sono da razão?)

» Comércio livre ou ecologia!

» Edição de Junho de 2019

» As pertenças colectivas e as suas conquistas

» A arte da provocação

» 20 Anos | 20% desconto

» EUROPA: As CaUsas das Esquerdas

» Edição de Maio de 2019

» Os professores no muro europeu


agosto 2001


A vitória do “direito”

O novo diretor do Departamento da Democracia e Direitos Humanos do governo norte-americano tem um currículo exemplar: mentiu, perante o Congresso, em 1991, e sua especialidade é ocultar massacres perpetrados por mercenários de extrema-direita


Serge Halimi

Presidentes encurralados
Ignacio Ramonet

A ordem liberal e a baixaria

A manobra do governo italiano, permitindo que fossem devastados bairros inteiros de Gênova, visava a responsabilizar pela violência centenas de organizações não-violentas. A tentativa fracassou, mas o preço foi alto: um morto e 600 feridos...


Susan George

A criminalização dos protestos

O furor dos governos contra os opositores à globalização liberal explica-se pelo fato de que a opinião pública a rejeita de modo cada vez mais amplo. Disso decorre a tentativa de caracterizar os que protestam como “geneticamente” violentos


Ricardo Petrella

A hora do desencanto

A Internet abriu caminho para uma “nova economia”, a e-economia, graças à qual o enriquecimento seria permanente, instantâneo e exponencial. Era uma miragem. E, como miragem, acaba em decepção: dezenas de empresas quebradas, milhares de demitidos...


Derrick De Kerckhove

A serviço da humanidade

Quando a ciência cai nos braços do mercado, deixa de atender às necessidades básicas. É necessário, portanto, substituir o mercado por um parceiro capaz de dirigir a pesquisa na direção dos “bens públicos globais”


Philippe Rivière

A felicidade de consumir...

O Country Club Plaza foi uma das primeiras tentativas de separação da vida dura do perímetro urbano de Kansas City: finalmente, boas escolas, piscinas, uma polícia particular e uma população quase que exclusivamente branca


Tom Frank

O mercado da vídeo-vigilância

Por que não imaginar, com o desenvolvimento da tecnologia digital eletromagnética, uma liberdade de conexão entre todos os sistemas de vídeo-vigilância, em circuito-fechado, de uma cidade e o fim da privacidade?


Franck Mazoyer

Alô, alô, Echelon!

O uso de satélites para retransmitir comunicações permite aos serviços secretos das principais potências captarem, de quebra, conversas telefônicas, fax e correio eletrônico. A rede Echelon intercepta mais de dois milhões de conversas por minuto


Franck Mazoyer

Os mennonitas e o futuro

Em meio à tristeza desértica do Chaco, a cidadezinha de Filadélfia (7 mil habitantes), com suas ruas e avenidas geometricamente desenhadas, suas casas elegantes, seu ciber-café e seus restaurantes, parece saída do Meio-Oeste norte-americano


Bernard Cassen

Quatro séculos de perseguições

Os mennonitas são descendentes dos anabatistas, seita alemã originária da Saxônia que, além do batismo de adultos após a conversão, reivindicava a abrangência da Reforma no plano social, por meio da coletivização dos bens


Bernard Cassen

Rumo ao inferno verde

Arrumamos nossas cobertas e nossos travesseiros e louvamos a graça do Senhor. Quando, no dia seguinte, dobramos as cobertas e a lona, encontramos debaixo desta uma imensa cobra que viera se aquecer durante a noite


Bernard Cassen

Uma frágil primavera curda no Iraque

Após 30 anos de guerra, os curdos enfrentam um novo desafio: governar um país do tamanho da Suíça, onde 90% das 5 mil aldeias e 20 cidades foram arrasadas, a economia destruída, as terras agrícolas minadas e o campesinato disperso


Kendal Nezan

O enigma dos “matadores loucos”

Há cerca de vinte anos, um grupo de “assassinos loucos” semeou o pânico e a morte na Bélgica. Depois, evaporaram-se. Nada sobre sua identidade ou motivação. Gângsteres ou terroristas? Até hoje, ninguém sabe


Sergio Carrozzo

A guerra da sucessão no Vaticano

O Concílio extraordinário que se reuniu em maio na cidade do Vaticano marcou a abertura da discussão sobre a sucessão de João Paulo II. Na realidade, o encontro tinha por objetivo mais a apresentação de programas do que uma competição entre candidatos


Giancarlo Zizola

Berlim, uma fronteira indestrutível

Há 40 anos, a República Democrática da Alemanha levantou o Muro iria separar as zonas ocidental e oriental de Berlim. Visitando os vestígios do ex-Muro de Berlim, um etnólogo descobre cicatrizes que marcaram o imaginário europeu do século XX


Marc Auge

Pesquisando um novo cérebro

No Japão, os pesquisadores do Instituto Riken, o sol nascente da neurobiologia, estão totalmente mobilizados em torno de três objetivos centrais: compreender, proteger e fabricar o cérebro. Pretendem fazê-lo nos próximos vinte anos


Mariano Sigman

Liberdades e censuras...

A chacina-fantasma de Timisoara (1989) e a guerra do Golfo (1991), pelo menos permitiram questionar a atividade jornalística. Mas tudo recomeçou com as mentiras da guerra do Kosovo, o frenesi “Loft Story”, sem esquecer o peso da publicidade...


Serge Halimi

Um novo projeto universal

É universal o que é comum a todos os seres humanos. A globalização apresenta-se como um novo projeto de vocação universal com o objetivo de unificar o mundo. A idéia de viver num mundo sem terra incognita parece tanto mais repulsiva quanto mais atraente for


Denis Duclos

A humanidade ameaçada

Os novos questionamentos do humanismo não se manifestam, como no passado, por ditadores bárbaros ou déspotas esclarecidos; são articulados pela própria tecnociência, em suas novas condições, como se fossem o preço a pagar ou o risco a correr


Jean-Claude Guillebaud

O progresso da ciência-espetáculo

Insatisfeita com sua condição, a humanidade quer acreditar nas promessas da tecnologia. Mas quando esta se manifesta, a impostura do imediato e a ilusão de proximidade privam o homem de se conhecer a si próprio e aos outros


Paul Virilio

Um doutorado fraudulento

A atribuição a Elisabeth Teissier, astróloga profissional, orientanda de Maffesoli, do título de doutora por uma tese que faz apologia da astrologia, lançou luz sobre o anti-intelectualismo travestido de crítica ao poder que tem confundido tanto o meio acadêmico


Diana Johnstone, Jean Bricmont

Uma conversa com Borges

A Argentina é um país de eufemismos. É o caso do termo “desaparecido”. A realidade é bem mais terrível: as pessoas foram seqüestradas, torturadas e assassinadas. É um filme que termina muito mal. Os militares estavam loucos


Ramón Chao

Dados sobre o escritor

Um Foucault surpreendente

As aulas de Michel Foucault reunidas neste livro visam a reconstituir a história – remetendo-se à cultura antiga – da relação entre a verdade e o sujeito; movendo-se em torno da noção da “prática de si”


Robert Redeker

O desastroso Goncourt 2000

O livro Ingrid Caven, prêmio Goncourt 2000, é um poço de erros, desinformações e imprecisões. Ousaram propor ao leitor um texto que mais parece um rascunho, ou uma prova escolar não corrigida


Lothar Baier

Sofrimento de pensadores alemães

Dois livros – da mesma natureza, ou seja, “livros-depoimento” –lançados simultaneamente, ilustram a separação profundamente provocada pelas rupturas do século XX na escola filosófica alemã


Sylvie Braibant

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos