Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Chile: as ruas contra os tanques

» Aconteceu em Santiago

» Gilvan, trabalho e sono no capitalismo periférico

» Por um imposto global sobre as transnacionais

» As eleições 2020 na encruzilhada brasileira

» Cinema: Os últimos soldados da Guerra Fria

» A eleição mais árdua de Evo Morales

» Reviravolta no Oriente Médio: os curdos podem resistir

» Atualismo: assim percebemos o tempo no século XXI

» Porto ameaça cartão-postal amazônico

Rede Social


Edição francesa


» La presse et les paradoxes de la liberté

» Avec les peuples ou sans eux ?

» Un journalisme de racolage

» Une Europe des citoyens

» Ces dures grèves des ouvriers américains

» 17 octobre 1961 : rendez-vous avec la barbarie

» La gauche dans son ghetto, la droite à la radio

» Les médias américains délaissent le monde

» Fruits et légumes au goût amer

» La Bolivie dans l'étau du néolibéralisme


Edição em inglês


» The emerging US-China cold war

» Response to Pierre Bourdieu

» Analysing an appearance on the airwaves

» Iraq's demographic time bomb

» October: the longer view

» Socialism resurgent?

» Power to decide who's guilty

» East Germany's loyal returnees

» Ankara realpolitik

» South Africa's lands must be shared


Edição portuguesa


» A crise catalã nasceu em Madrid

» Quantas divisões há entre os curdos?

» Edição de Outubro de 2019

» Estabilidade para quem?

» Washington contra Pequim

» Edição de Setembro de 2019

» Portugal não pode parar?

» Quem elegeu Ursula von der Leyen?

» Edição de Agosto de 2019

» Plural e vinculado à esquerda


novembro 2001


Os alvos da guerra

À primeira vista a desproporção entre as forças dos dois adversários lembra a de um abismo. Trata-se, inclusive, de uma situação militar inédita, pois esta é a primeira vez que um império não declara guerra a um país, mas a um homem...


Ignacio Ramonet

Islamofobia

Alguns intelectuais e especialistas tentam nos persuadir de que o Corão contém em si as fontes dos males dos países do islã: mergulhe nas suratas – dizem – reveladas a Maomé há cerca de 14 séculos, e você compreenderá, enfim, esse universo misterioso


Alain Gresh

A ameaça da guerra bacteriológica

Embora apoiando a Convenção sobre Armas Biológicas, o presidente Clinton sucumbiu às pressões das indústrias biotecnológicas e farmacêuticas. Em resumo, somente uma fração das instalações de defesa biológica norte-americanas podia ser inspecionada


Susan Wright

O novo “grande jogo”

A atual guerra alterou a lógica da competição estratégica na Ásia central. O comércio do petróleo e os projetos de oleodutos perderam parte da sua importância, enquanto as bases aéreas, os serviços de informações e o poder militar viram a sua aumentar


Vicken Cheterian

Taliban, uma criação do Paquistão

No final da década de 70, em colaboração com os serviços secretos paquistaneses, a CIA e os países do Golfo levantaram bilhões de dólares e recrutaram milhares de voluntários que se juntaram aos mujahidin no Afeganistão


Vicken Cheterian

Uzbequistão, um país-chave

Com 24 milhões de habitantes e uma posição geograficamente privilegiada, o Uzbequistão é um território crucial no contexto político-militar da atual guerra. Mas é governado por um dos regimes mais repressivos da Ásia central


Vicken Cheterian

Do Golfo à China: conflitos de alto risco

Uma guerra de religiões?

A utilização desordenada, como se fossem sinônimos, dos termos islã, fanatismo, terrorismo, fundamentalismo, integrismo e islamismo, suscita, no mínimo, a confusão; ou, na pior das hipóteses, um racismo antimuçulmano


Eric Rouleau

As controvérsias de Washington

Em oposição à política de Bush, há uma corrente que tem por alvo o Iraque e outros países árabes, origem dos homens de Bin Laden e de outros grupos terroristas. É, portanto, no Oriente Médio que os Estados Unidos devem travar e ganhar essa guerra


Paul-Marie de La Gorce

A aposta política de Vladimir Putin

Em 22 de setembro, Vladimir Putin declarou que “a Rússia não tem escolha senão participar da coalizão contra o terrorismo”, porém não era o caso de comprometer tropas russas na operação comandada pelos Estados Unidos


Nina Bachkatov

Uma onda macartista nos EUA

O governo Bush elaborou um plano tripartite para erradicar o terrorismo: além da criação do Departamento de Defesa do Território e dos milhares de interrogatórios e detenções em curso, o Congresso acaba de aprovar dispositivos liberticidas


Michael Ratner

Os danos da guerra financeira

Os títulos mais suscetíveis de serem afetados pela tragédia de 11 de setembro – companhias aéreas, empresas de seguros e de resseguros, bancos de financiamento – sofreram uma forte especulação para baixo nos dias que antecederam os atentados


Ibrahim Warde

Um freio à especulação

Seis dias após os atentados de 11 de setembro – e num cenário que se apresentava o pior possível para o mundo dos negócios – a Bolsa de Valores de Nova York reabriu com um certo otimismo: o índice Dow Jones só caiu 7,13%


Ibrahim Warde

A vida pregressa de Ariel Sharon

Sharon simplesmente decidiu aproveitar uma oportunidade “de ouro”, quando os olhos do mundo inteiro estavam fixos em Nova York e em Washington, para fazer “reinar a ordem” em Jenine: 13 mortos e cerca de 200 feridos, alguns em estado grave


Amnon Kapeliouk

A capitulação da ONU

Ao considerar os ataques de 11 de setembro “uma ameaça à paz e à segurança internacionais”, o Conselho de Segurança assume a confusão introduzida por George W. Bush e assina sua capitulação diante dos Estados Unidos


Monique Chemillier-Gendreau

A cultura como fator da realpolitik

A globalização insere-se no contexto contraditório de Estados-nação e processos político-econômicos supra-nacionais. Homogeneização e diferenciação caminham juntas. Mas que forma assumem a convergência da tradição cultural e as novas tecnologias?


Constantin Von Barloewen

Os esforços justificam os meios

Apesar das resoluções da cúpula da FAO, de 1996, o problema da fome persiste e até se agrava em certas regiões, demonstrando que houve pouco empenho dos governos em atingir o objetivo de reduzir pela metade o número de subnutridos até o ano 2015.


Jacques Diouf

A esquizofrenia das Nações Unidas

Todo verão, a ONU reúne o Conselho Econômico e Social, do qual fazem parte o FMI e o Banco Mundial, que, através de suas políticas de ajuste estrutural, reduzem a zero, constantemente, os frágeis avanços em matéria de desenvolvimento humano obtidos


Jean Ziegler

A história secreta da NSA

O autor de Body of Secrets consegue persuadir o leitor de que a agência nunca teve por vocação principal proteger os Estados Unidos de ameaças, mas promover a guerra enquanto instrumento político, minando os “direitos fundamentais” dos outros países


Nicky Hager

A rede da Europa Oriental

No continente europeu, o espaço do tráfico de mulheres abrange países “fornecedores” (Rússia, Ucrânia e Romênia), países de trânsito (essencialmente os países da ex-Iugoslávia e a Albânia) e os países destinatários (Itália, Alemanha, França...)


François Loncle

Regulamentaristas e abolicionistas

Na verdade, a exigência que reivindicam sobre “o direito fundamental de dispor de seu corpo” atende objetivamente aos interesses dos proxenetas, principalmente por não permitir às próprias prostitutas que se emancipem do mundo do crime


François Loncle

Os números da indústria do sexo

No total, a prostituição mundial representa um faturamento anual de 5 a 7 bilhões de dólares (entre 13,7 e 19,2 bilhões de reais). Segundo a Interpol, uma prostituta renderia em média cerca de 250 mil reais por ano ao seu proxeneta


François Loncle

Rumo ao “capitalismo total”?

Um novo tipo de ensino, desprovido de senso crítico, forma indivíduos inconstantes e indecisos, receptivos a quaisquer pressões de consumo. Os professores dessa escola deverão ser reeducados sob o comando de especialistas em pedagogia


Dany-Robert Dufour

Uma memória de luto

O sentido conferido à morte no campo de honra, procurando torná-la tolerável e convertendo-a em um símbolo, obscureceu-se à medida que aumentou a distância em relação ao evento. Essa morte, atualmente, é vista cada vez mais como uma perda irreparável


Carine Trevisan

Um panfleto contra a guerra

Autor de um texto proibido em 1917, o escritor Lucien Descaves, da Academia Goncourt, só publicou seu panfleto antibelicista, Ronge-Maille vainqueur, em 1920. Como La Fontaine, Descaves utiliza-se de ratos para instruir os homens. Abaixo, alguns aforismos


Lucien Descaves

Horrores da barbárie

Lições e desvios da moral

A dívida em relação ao passado se impõe. Somos solicitados a honrar uma certa memória para que sejamos responsáveis por ela, porém o convite tende a metamorfosear-se em imperativo e a responsabilização em culpa


Samuel Tomei

A ira de Georges Clemenceau

Discurso pronunciado pelo deputado Georges Clemenceau (esquerda radical) na Câmara dos Deputados, a 31 de julho de 1885, em resposta ao então ministro das Relações Exteriores, Jules Ferry (republicano, positivista), que em seguida renunciaria


Um olhar sobre o Afeganistão

Moshen Makhmalbaf, cineasta iraniano, introduziu-se clandestinamente no Afeganistão. Kandahar é fruto do que viu e aprendeu. Usando a câmera como um gravador, ele nos conduz, entre ruínas e poeira, ao coração da miséria e do medo


Philippe Lafosse

Van der Keuken, cineasta solidário

Cineasta, fotógrafo, crítico e escritor holandês, nascido em 1938, Johan van der Keuken dirigiu cerca de 50 filmes em quarenta anos. Filmes de fusão – fusão de mundos, fusão de corpos – que nos lembram que “fazemos parte do mesmo tecido”


Philippe Lafosse

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos