Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Como derrotar a “direita Trump-Bolsonaro”

» As pedras da contracultura (ainda) rolam

» Corporações: já vivemos uma distopia…

» Olhai a nova geração de ativistas

» Rússia e China: fim do mundo unipolar?

» Está aberta a nova temporada de privatizações

» Direito à privacidade e o cinismo de Moro

» Boaventura: o avanço da direita e a causa oculta

» Fiori: Danação da História e disputa pelo futuro

» O sinistro lobby sionista

Rede Social


Edição francesa


» Les pompiers pyromanes de l'antisémitisme

» Menace iranienne, menace sur l'Iran

» Comme si l'école était une entreprise…

» Voyage au bout de la peur avec les clandestins du Sahel

» Chanter le devenir du monde

» A qui profite Paris ?

» Quand la ville se perd dans une métamorphose planétaire

» M. Jesse Jackson et l'ouverture du Parti démocrate

» Les aspirations des citoyens dans une structure étatique taillée sur mesure

» Comment la finance a tué Moulinex


Edição em inglês


» The Spaniards who liberated Paris

» Fighting for communication control

» June: the longer view

» Niger, a migration crossroads

» Niger, a migration crossroads

» Whatever happened to Bob Woodward?

» Europe in space

» The Corbyn controversy

» The invisible people

» Agadez, city of migrants


Edição portuguesa


» Edição de Junho de 2019

» As pertenças colectivas e as suas conquistas

» A arte da provocação

» 20 Anos | 20% desconto

» EUROPA: As CaUsas das Esquerdas

» Edição de Maio de 2019

» Os professores no muro europeu

» Chernobil mediático

» Edição de Abril de 2019

» A nossa informação, as vossas escolhas


março 2002


Cinqüenta anos de submissão

Ao contrário do que alegam os neoliberais, a causa das dificuldades japonesas não é o suposto “excesso de regulamentação”. O país está em crise porque continua submetido ao sistema político imposto pelos EUA no pós-guerra – e porque adotou, nos anos 80, as decisões políticas que interessavam... a Washington!


Chalmers Johnson

Os estragos do vício

O Irã é um dos países com mais viciados em heroína e ópio no mundo: oficialmente, são 1,2 milhão de toxicômanos e 800 mil consumidores ocasionais


Cédric Gouverneur

Dez anos de legalidade

Até o início da década de 80, existiam em El Salvador várias organizações guerrilheiras. A partir de 1981, unificaram-se na Frente Farabundo Martí de Libertação Nacional (FMLN), para saírem da clandestinidade em 1992


O verdadeiro eixo do mal

O eixo maléfico – o FMI, o Banco Mundial e a Organização Mundial do Comércio – continua a impor ao mundo a ditadura do mercado, a supremacia do setor privado, o culto ao lucro, provocando, no planeta inteiro, uma terrível devastação


Ignacio Ramonet

A justiça, a democracia e os sinos

“E contudo, por uma espécie de automatismo verbal e mental que não nos deixa ver a nudez crua dos factos, continuamos a falar de democracia como se se tratasse de algo vivo e actuante, quando dela pouco mais nos resta que um conjunto de formas ritualizadas, os inócuos passes e os gestos de uma espécie de missa laica”


José Saramago

Os verdadeiros marajás

Na França, assim como em quase todo o mundo, a mídia não se cansa de atacar os direitos dos funcionários públicos. Mas se cala diante das vantagens e mordomias fabulosas dos altos dirigentes das grandes empresas. Nesse mundo há quem acumule 59 empregos...


Pierre Bitoun

O futuro do tempo

O imediatismo e a urgência são a marca do nosso tempo. A instabilidade e a precariedade do trabalho encurtam o tempo presente. Essa situação impede qualquer projeto de longo prazo, fazendo prever grande incerteza sobre o futuro. É preciso estruturar uma ética do futuro, uma ética do tempo que reabilita o futuro, mas também o passado e o presente


Jérôme Deauvieau

A grande implosão do ano 2002

O 11 de setembro pôs fim à cegueira. A globalização selvagem oferece perspectivas inaceitáveis para a humanidade. Como evitar a “atração pelo abismo”? Se os homens podem ser bárbaros, são também capazes de solidariedade e fraternidade


Jacques Robin

Quando a ex-guerrilha governa a capital

Dez anos depois de deixar as armas, a FMLN transformou-se na maior força do Parlamento e é forte candidata à Presidência. Já governa San Salvador, onde enfrenta a pobreza, o boicote do governo federal e suas próprias contradições internas


Karim Bourtel

FMLN contra FMLN

Na Frente, as reações divergem, conforme as correntes – revolucionária socialista (CRS, também chamada “ortodoxa”), renovadora, unionista (ligada à unidade do movimento), cada uma delas com um nome identificando a sua ideologia


Bombas inteligentes e mortais

Em um ano intenso de trabalho sobre o urânio empobrecido e os efeitos de sua utilização sobre os seres humanos, pesquisador britânico estabelece relação com as armas usadas, com grande alarde, pelo Pentágono durante a guerra contra o Afeganistão


A nova doutrina militar americana

Em seu discurso em 31 de janeiro, o secretário norte-americano da Defesa, Donald Rumsfeld, traçou a essência da nova era da hegemonia militar dos Estados Unidos: colocou no mesmo campo inimigo organizações terroristas e países que supostamente as apóiam. E, justificou, assim, a explosão do orçamento militar


Paul-Marie de La Gorce

O napalm ainda mata

As operações de guerra química, com a utilização do napalm, começaram em 1961 com a aprovação do presidente John Kennedy, e foram progressivamente intensificadas até atingirem seu ponto culminante em 1965


Shofield Coryell

Quando os soldados recusam-se a matar

A recusa a combater os palestinos deixou de ser marginal. O fenômeno se ampliou e atingiu novas camadas sociais. Alcança, em especial, unidades do exército regular, particularmente as dos reservistas


Os novos internacionalistas

Desde o início da segunda Intifada, milhares de voluntários, de inúmeros países, participam de missões de solidariedade ao povo palestino. Todos eles têm por objetivo observar, testemunhar e contribuir para proteger a população


Israël Avran

Vento de revolta contra as elites políticas

Acossado pela crise, o país começa a mudar. O dinamismo e os valores que o sustentaram durante a guerra fria vêm sendo reexaminados. Resta saber se isso se traduzirá por uma verdadeira mudança política.


Anne Garrigue

A nova guerra do ópio

Situado na rota do ópio, entre os campos de papoula do Afeganistão e o mercado europeu da heroína, o Irã está numa verdadeira guerra contra o tráfico. Mas a repressão é quase inútil. Única solução: estimular lavouras alternativas nos campos afegãos


Cédric Gouverneur

Morte pela seringa na Europa

Diante do fato social do uso de drogas, a repressão tem seus limites. Os países com práticas mais liberais – como a Holanda – e os mais rigorosos – como a Suécia – apresentam taxas de incidência quase similares”


Cédric Gouverneur

Uma guerra que não acaba

A operação “antiterrorista”, lançada em 1999, deveria terminar, segundo o governo russo, em março do ano seguinte, mas continua: a guerra de desgaste causou a morte de dezenas de milhares de civis, uma enorme destruição e despovoou a Chechênia


Vicken Cheterian

Cronologia da guerra
Vicken Cheterian

O abandono da Universidade

A crise no ensino superior africano, majoritariamente público, tem origem nas reformas econômicas ditadas pelos organismos internacionais, que receitam redução dos salários, supressão das bolsas de estudo e demissões


Aghali Abdelkader

O desejo do maravilhoso

O público, indiscutivelmente, está incrivelmente ávido pelo maravilhoso, e não apenas no que se refere às imagens – ainda que, devido à magia de Hollywood e à lógica do lucro, seja em imagens, em última instância, que tudo se resume na nossa sociedade


A resistência do cinema de arte

Das 5.103 salas existentes na França, 1.200 são classificadas como “cinemas de arte”. Há vida, portanto, fora do grande circuito comercial. E se o cinema francês teve sucesso em 2001, o trabalho minucioso das salas independentes tem muito a ver com isso


Philippe Lafosse

As trabalhadoras ainda debutam na política

Terá a paridade entre os sexos nas assembléias o efeito de democratizar a política? A pesquisa feita junto a deputados franceses de ambos os sexos durante a legislatura de 1997 a 2002 – anterior à lei sobre a paridade – mostra o caminho a percorrer. As atuais deputadas ainda pertencem, em sua grande maioria, a uma pequena elite


Mariette Sineau

A liberdade, segundo Bush

Depois dos bombardeios norte-americanos e da entrada das tropas da Aliança do Norte em Cabul, os jornais do mundo inteiro publicaram fotos de sorrisos femininos que, supostamente, dariam ao conflito sua razão de ser


Christine Delphy

Quando a morte vem do céu

Do nascimento à utilização das bombas, ontem, como hoje... sempre contra os “selvagens”. Em Maintenant, tu es mort, um ensaio bastante original, o romancista sueco Sven Lindqvist reconstitui, na forma de artigos curtos, a história dos bombardeios, do qual publicamos alguns trechos


Sven Lindqvist

Israel, a utopia perdida

Abundante em lembranças e histórias que dão vida à sua memória crítica, obra oferece um raro momento de reflexão sobre os fundamentos da ideologia que envolve o Estado de Israel


Dominique Vidal

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos