Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Porto ameaça cartão-postal amazônico

» Banco Mundial, parceiro de maldades de Bolsonaro

» Por que os EUA traíram a guerrilha curda

» Franz Kafka: como sair do labirinto

» Por trás do iPhone, o Estado e os militares

» Equador: bastidores e sentidos da notável vitória

» No Equador, a insurreição tem rosto indígena

» A instigante experiência da “comuna” originária

» Alcântara, acordo indigno

» Marxismo cultural, hora de um resgate

Rede Social


Edição francesa


» Les médias américains délaissent le monde

» Fruits et légumes au goût amer

» La Bolivie dans l'étau du néolibéralisme

» La crise suscite de sérieux remous en Irak et relance la guerre froide en Proche-Orient

» Les rivalités entre Washington, Moscou et Pékin

» Gauche latino-américaine, version Uruguay

» Fascisme, islam et grossiers amalgames

» Intellectuels est-allemands sur la sellette

» Le malheur kurde

» La Turquie dans le grand jeu


Edição em inglês


» October: the longer view

» Socialism resurgent?

» Power to decide who's guilty

» East Germany's loyal returnees

» Ankara realpolitik

» South Africa's lands must be shared

» Turkey's rival Islamists

» Argentina's unlikely presidential duo

» Reversing the polarities

» Value chains: who takes the profits?


Edição portuguesa


» A crise catalã nasceu em Madrid

» Quantas divisões há entre os curdos?

» Edição de Outubro de 2019

» Estabilidade para quem?

» Washington contra Pequim

» Edição de Setembro de 2019

» Portugal não pode parar?

» Quem elegeu Ursula von der Leyen?

» Edição de Agosto de 2019

» Plural e vinculado à esquerda


fevereiro 2003


Antes da guerra

Não foi possível estabelecer qualquer tipo de vínculo entre Bagdá e as redes terroristas islâmicas. Conseqüentemente, a opinião pública mundial continua exigindo provas indiscutíveis que justifiquem a guerra contra o Iraque


Ignacio Ramonet

A chantagem nuclear

Ao substituir sua política de contenção pela de guerra preventiva e inventar o “eixo do mal”, Bush cometeu a imprudência de provocar a Coréia do Norte que, ameaçada por um “ataque preventivo”, tomou a iniciativa de colocar Washington na parede


Bruce Cumings

Onde estamos?

Em seus discursos, suas entrevistas coletivas e suas ameaças, os termos que os tiranos sempre repetem são: Democracia, Justiça, Direitos Humanos, Terrorismo. Atualmente, cada um desses termos significa o contrário do que queria dizer até recentemente


John Berger

Fim de reinado em Bagdá

Ao contrário das vezes anteriores, o povo iraquiano parece acreditar que, desta vez, as ameaças norte-americanas de invadir o Iraque são concretas. Mas não sabe o que fazer: se a repressão de Saddam Hussein é ruim, uma ocupação estrangeira é pior...


David Baran

As regras da desinformação

A manipulação da informação tem certas regras: a crise que antecede uma guerra é levada ao paroxismo, o Estado inimigo é transformado em demônio e seu chefe é apresentado como “aventureiro”, “psicopata”, “comunista” ou “nazista”


Eric Rouleau

Cumplicidades

Em 1983, os dirigentes norte-americanos sabiam, graças à missão de Donald Rumsfeld, que o exército iraquiano utilizava armas químicas. Sem levar isso em consideração, forneceram uma ajuda de vários tipos – inclusive militar


Eric Rouleau

O pragmatismo de Anthony Blair

Por que estaria o primeiro-ministro britânico se colocando numa posição em que é tão facilmente ridicularizado como a “mascote” (’poodle’) dos Estados Unidos? Por que se envolve numa guerra concebida segundo interesses estratégicos norte-americanos?


Tom Bentley

O mundo segundo Washington

Três características definem o novo paradigma da construção do Império que os Estados Unidos procuram nos impor: um unilateralismo crescente, uma subversão profunda das regras internacionais e uma militarização sistemática das divergências


Sami Naïr

Djibuti, uma base estratégica

Promovido ao status de grande base permanente norte-americana, dada a sua posição privilegiada, o pequeno estado do Djibuti passa agora a correr o risco de ser alvo de um atentado terrorista, mas ainda não recebeu nenhuma ajuda para a sua população


Philippe Leymarie

A base dos EUA na Ásia central

Para deslanchar a guerra contra o terrorismo internacional, os Estados Unidos estabeleceram bases militares, na Ásia central, no Uzbequistão, na Quirguízia e no Tadjiquistão. Mas, evidentemente, há o projeto do oleoduto Baku-Tbilisi-Ceyhan


Vicken Cheterian

A normalização do Iêmen

Após um período de abertura e já sem necessidade de aliados para combater os socialistas, o presidente Saleh retomou, em 1997, a tradição de partido único e apropriou-se da maioria absoluta das cadeiras, assim como da quase totalidade dos ministérios


François Burgat

Nascem as armas eletromagnéticas

Aparelhos de tamanhos variados, compostos de uma fonte de alimentação, de um gerador de impulso, de um tubo hiperfreqüência e de uma antena, produzem impulsos eletromagnéticos tornando vulneráveis todos os equipamentos elétricos e eletrônicos


Karyn Poupée

Impasse no Kosovo

Protetorado da ONU desde o final da guerra e liderado por políticos reconhecidamente medíocres, o Kosovo continua sem conseguir sair do impasse inicial: não quer ser tragado pela Sérvia, mas a comunidade internacional lhe nega a independência


Jean-Arnault Dérens

Os desafios do pós-neoliberalismo

Após 30 anos de hegemonia da direita, as vitórias de Lula, de Gutierrez, no Equador, a resistência de Chávez, na Venezuela, e as possíveis mudanças políticas na Argentina e no Uruguai anunciam a esperança de um novo período histórico: o pós-neoliberalismo


Emir Sader

As origens do “fenômeno Putin”

Presidente da Rússia há três anos, Vladimir Putin começou fazendo uma faxina: afastou as máfias corruptas e corruptoras da “era Yeltsin” e impôs a “ditadura da lei”. Depois, adotou os rigores de uma reforma neoliberal... e pôs no poder suas próprias máfias


Carine Clement

Rumo a soluções catastróficas?

Por não considerar que os atentados-suicidas são uma forma de luta dos palestinos contra a ocupação e as agressões de seu exército, a tese da “transferência”, ou melhor, expulsão maciça dos palestinos ganha adeptos em Israel


Amira Hass

Futebol e nacionalismo

Embriagada pela erupção patriótica provocada pela Copa do Mundo, a Coréia do Sul - que antes da crise de 1997 era a 13º colocada no comércio mundial - lança-se à aventura de ser a quarta maior potência econômica nos próximos dez anos


Tristan de Bourbon

Os cientistas partidários dos transgênicos

Em uma ação conjunta a Academia de Medicina e a Academia de Ciências (francesas) saíram de sua torre de marfim para divulgar, em dezembro de 2002, relatórios polêmicos em que afirmam que os transgênicos não representam problemas para a saúde


Bernard Cassen

Rumo à demolição social

Considerando as conquistas sociais um entrave à “libertação das forças vivas”, o governo francês, de direita, quer pôr fim à lei sobre a redução da jornada de trabalho, à lei da modernização social sobre patentes e à lei sobre o controle dos fundos públicos


Chistian de Brie

Uma visão policial da sociedade

“Especialistas” prevêem uma curva exponencial de delinqüência resultando num reino de marginais, cada vez mais jovens e mais violentos. Os partidos políticos juntam suas vozes, assim como os jornalistas, entoando o canto da “exigência de segurança”


Laurent Bonelli

Um conformismo conveniente

Nascida durante a Resistência e considerada uma referência por seus compromissos com a ética e a dignidade, a principal escola de comunicação da França – o Centro de Formação de Jornalistas – foi tomada pelo rei-dinheiro e pela lógica do mercado


François Ruffin

Meca, a mais longa viagem

Quinto e último “pilar” do islamismo – depois da profissão de fé, da oração, do jejum do Ramadã e do dízimo (’zakat’) – o ’hadj’ (a peregrinação a Meca, cidade de Maomé, da “Casa de Deus”) continua sendo o mais difícil de ser cumprido


Slimane Zeghidour

Ninguém se prostitui por prazer

Apesar da recente adoção de medidas repressivas na França, há um importante avanço na questão do preconceito em relação à prostituição, mas a razões econômicas e sociais que levam mulheres e homens a tomar este caminho continuam sendo menosprezadas


Lilian Mathieu

O novo cinema independente chinês

Uma nova geração de jovens diretores chineses ganha espaço no cinema chinês: ao invés dos temas épicos e nostálgicos de seus antecessores, da “quinta geração”, estes querem rodar filmes realistas e atuais, sobre uma sociedade em transformação


Berenice Reynaud

Os enigmas da loucura

Documentário retrata um grupo de teatro de São Paulo, constituído por psicóticos, que apresenta uma peça incomum e criativa que se propõe ser um espaço de liberdade entre a selva da cidade e as paisagens lunáticas do “interior das cabeças”


Jean-Claude Polack

Diante da barbárie: um sopro evangélico

O livro de um padre francês (Charles Antoine) recentemente falecido faz um impressionante levantamento do saldo da repressão na América Central durante as décadas de 60 à de 90: só na Guatemala, 200 mil mortos e um milhão de refugiados


Maurice Lemoine

Colonização cruel

A ’História das Índias’ é uma análise crítica, concreta, precisa e eloqüente de todas as justificativas para a colonização, as quais, como mostra frei Bartolomé de Las Casas (1484-1566), são as máscaras hipócritas da crueldade e da cobiça


Pierre Lepape

Um naufrágio esquecido

A principal preocupação do escritor Günter Grass é com a releitura acrítica do nacional-socialismo pelas jovens gerações que, após quatro décadas de República Democrática Alemã, não se deixaram influenciar pelo antifascismo comunista


Dominique Vidal

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos