Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Como derrotar a “direita Trump-Bolsonaro”

» As pedras da contracultura (ainda) rolam

» Corporações: já vivemos uma distopia…

» Olhai a nova geração de ativistas

» Rússia e China: fim do mundo unipolar?

» Está aberta a nova temporada de privatizações

» Direito à privacidade e o cinismo de Moro

» Boaventura: o avanço da direita e a causa oculta

» Fiori: Danação da História e disputa pelo futuro

» O sinistro lobby sionista

Rede Social


Edição francesa


» Les pompiers pyromanes de l'antisémitisme

» Menace iranienne, menace sur l'Iran

» Comme si l'école était une entreprise…

» Voyage au bout de la peur avec les clandestins du Sahel

» Chanter le devenir du monde

» A qui profite Paris ?

» Quand la ville se perd dans une métamorphose planétaire

» M. Jesse Jackson et l'ouverture du Parti démocrate

» Les aspirations des citoyens dans une structure étatique taillée sur mesure

» Comment la finance a tué Moulinex


Edição em inglês


» Confessions of a map-maker

» The Spaniards who liberated Paris

» Fighting for communication control

» June: the longer view

» Niger, a migration crossroads

» Niger, a migration crossroads

» Whatever happened to Bob Woodward?

» Europe in space

» The Corbyn controversy

» The invisible people


Edição portuguesa


» Edição de Junho de 2019

» As pertenças colectivas e as suas conquistas

» A arte da provocação

» 20 Anos | 20% desconto

» EUROPA: As CaUsas das Esquerdas

» Edição de Maio de 2019

» Os professores no muro europeu

» Chernobil mediático

» Edição de Abril de 2019

» A nossa informação, as vossas escolhas


fevereiro 2004


Agenda 2010

Entre as medidas adotadas pelo Parlamento em 2003 para a Agenda 2010, depois das concessões feitas à oposição no dia 19 de dezembro


O escândalo da Parmalat

Falência fraudulenta da multinacional italiana, com grande operação no Brasil revela mais uma vez a facilidade com que empresas do capitalismo globalizado se apóiam em fraudes deliberadas para manter um crescimento artificial


Ignacio Ramonet

O conceito do 11 de setembro

De outubro a dezembro de 2001, Giovanna Borradori fez uma série de entrevistas com Jürgen Habermas e Jacques Derrida em Nova York. Desse trabalho resultou um livro, ’Le concept du 11 septembre’, publicado este mês, em Paris, pela Editora Galilée


O terrorismo desterritorializado

Uma ação terrorista já não precisa de aviões, bombas ou camicazes: basta introduzir-se num sistema informático de valor estratégico, para paralisar os recursos econômicos, militares e políticos de um país ou de um continente, a um custo insignificante


Giovanna Borradori

O capitalismo deve ser domado

O terrorismo global, que culminou no atentado de 11 de setembro, traz as marcas anarquistas de uma revolta impotente no sentido de que é dirigido contra um inimigo que não pode, absolutamente, ser derrotado


Giovanna Borradori

A mídia, os intelectuais e Pierre Bourdieu

Em um tempo em que crítica à mídia tornou-se um produto apreciado até por ela própria, a obra de Bourdieu, que fornece instrumentos para compreender como se dá a dominação cultural e simbólica, suscita contra ela uma unanimidade reveladora


Jacques Bouveresse

Na origem do racismo

A desconfiança dos franceses com árabes e berberes muçulmanos vem de longe, mais precisamente do ambiente da época das Cruzadas, quando se tornou evidente para os reis e papas do Ocidente cristão que os muçulmanos eram inassimiláveis


Alain Ruscio

Exceção francesa

Em meio a intenso debate nacional, acompanhado com atenção por outros países europeus que aparentemente são mais tolerantes sobre o assunto, governo francês aprova lei proibindo o uso de signos religiosos “ostensivos”, como o véu, nas escolas públicas


Dominique Vidal

O despertar da esperança

As negociações de Teerã para voltar à comunidade internacional não se devem somente a fatores externos, como a presença de tropas norte-americanas em sua vizinhança, mas também às condições internas criadas nos 25 anos de revolução


Bernard Hourcade

O desencanto da juventude

Qual o número de jovens que participará das eleições legislativas? Em Teerã, o clima que predomina entre a juventude é o de desilusão com o sistema político e de rebeldia com algumas restrições sociais, mas não em relação à religião


Wendy Kristianasen

A América que vota em Bush

O desafio da esquerda norte-americana é que os republicanos foram bem sucedidos em identificar como elite os esnobes intelectuais “progressistas” que comem sushi e têm carro importado, a léguas de distância do povo simples do Meio-Oeste


Tom Frank

O embargo injustificável

A União Européia não hesita em aplicar sanções a Cuba em função de medidas repressivas que são previstas por todos os seus Estados membros. Bruxelas não admite a evidência de que, diante do assédio dos EUA, Havana exerceu um direito de legítima defesa


René Vásquez Díaz

Triste bicentenário

A “primeira república negra” se livrou da escravidão antes do Brasil e de Cuba, mas tem pouco a comemorar dois séculos após a independência: miséria, desigualdade e dependência ainda são sua marca


André Linard

Um “golpe de Estado” na mídia?

A recusa do presidente italiano Carlo Ciampi em assinar uma lei que beneficiaria uma das estações de TV de Berlusconi é mais um alerta sobre o conflito de interesses que permeia o governo do primeiro-ministro e empresário de comunicação


Pierre Musso

A derrota anunciada dos sindicatos alemães

AA crise do sindicalismo alemão se reflete nos baixos índices de adesão e na dificuldade de mobilização, o que explica a aprovação da Agenda 2010. Mas as raízes dela são mais profundas – se assentam na ruptura com as bases do Estado social-democrata


Udo Rehfeldt

Os “porquês” do desemprego

Com a economia em crise desde a reunificação, a Alemanha enfrenta altas taxas de desemprego e investimentos em baixa. Mas a culpa, como sempre, recai sobre o “alto custo do trabalho”


Heiner Ganssmann

Estado de guerra avança contra as liberdades civis

Tendo como pano de fundo a sangrenta Intifada e sua repressão, os direitos civis na sociedade israelense estão flagrantemente ameaçados, tornando a “única democracia do Oriente Médio”, cada vez mais fragmentada e menos democrática


Meron Rapoport

Amor, segurança e demografia

Com medo da “ameaça demográfica”, governo israelense cancelou a autorização que tinham cidadãos ou cidadãs palestinos, casados com árabes israelenses, de viver em Israel, tornando-os ilegais em sua própria casa


Meron Rapoport

Longo caminho em busca de paz

Depois de vinte anos de guerra civil, os « Tigres » tâmeis acertam um cessar-fogo que permite abrir caminho para construir um Estado federalista, acordo que é rechaçado por dois terços dos cenegaleses, marcados pela violência dos atentados do LTTE


Cédric Gouverneur

As primeiras vítimas

Enquanto os países industrializados contribuem maciçamente para o aquecimento da atmosfera e os grandes países em desenvolvimento querem vantagens para não percorrer esse caminho, é na periferia do mundo industrializado que se encontram as regiões mais vulneráveis às alterações climáticas


Agnès Sinai

A saída pelas energias renováveis

Apesar da poluição, do efeito estufa e dos riscos da utilização do urânio, a França se apóia em duas fontes essenciais de energia: a nuclear (78%) e a hidráulica (12%), mantendo-se alheia à iniciativa de outros países que buscam alternativas renováveis como a energia solar e a eólica


Philippe Bovet

Raízes do caos da saúde pública na África

Com taxas de mortalidade nitidamente mais elevadas que no resto do mundo, a população do continente africano padece não só de epidemias como a Aids, mas também com o desprezo pelos doentes de grande parte dos funcionários da saúde


Jean-Pierre Olivier de Sardan

Cortázar: o Che Guevara da literatura

Túmulo do escritor argentino em Paris, morto há 20 anos, é palco de discreta peregrinação que homenageia o lúdico e engajado defensor da ligação não dogmática entre literatura e revolução


José Manuel Fajardo

Resposta a um “Especialista”

Réplica do escritor à crítica do jornalista William Dalrymple a seu livro “Qui a tué Daniel Pearl?” sobre a morte do jornalista seqüestrado e posteriormente executado por islamitas em Karachi, publicado na edição de dezembro do ’Le Monde diplomatique’


Bernard-Henri Lévy

A persistência nos erros

Resposta do jornalista, correspondente na Índia e no Paquistão há 17 anos e autor da crítica ao livro de Bernard-Henry Lévy sobre o assassinato de Daniel Pearl


William Dalrymple

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos