Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


Rede Social


Edição francesa


» L'ENA tentée par la philosophie des affaires

» Éloge du rire sardonique

» L'abstention gagne les classes moyennes

» Qui veut encore financer la presse ?

» L'unité de l'Algérie

» Créatrices et minotaures

» Absence d'enquêtes et bagarres de plateau, les recettes de l'information en continu

» Vive le « risque systémique » !

» Les transformations de l'économie continentale

» Litige frontalier en mer entre Israël et le Liban


Edição em inglês


» April: the longer view

» Africa's oil-rich national parks

» Montenegro's path to independence

» Japan's bureaucrats feel the pain

» Who's who in North Africa

» Being Kabyle in France

» Who wins in Chile's new constitution?

» Senegal's five days of anger

» Threat to Africa's parks

» Montenegro's ragged coalition


Edição portuguesa


» Edição de Abril de 2021

» A liberdade a sério está para lá do liberalismo

» Viva o «risco sistémico!»

» Pandemia, sociedade e SNS: superar o pesadelo, preparar o amanhecer

» A maior mentira do fim do século XX

» Como combater a promoção da irracionalidade?

» A Comuna de Paris nas paredes

» Como Donald Trump e os "media" arruinaram a vida pública

» Edição de Março de 2021

» Acertar nas fracturas


abril 2004


Espanha

A reação dos espanhóis diante da atrocidade dos atentados, das mentiras de Estado e sua revolta, expressa nas eleições, deram uma grande lição para os que apostaram que graças à hipnose da mídia, uma mentira a mais passaria sem qualquer problema


Ignacio Ramonet

A pesada herança do Governo Aznar

Os oito anos de governo do PP se caracterizaram pela associação entre crescimento econômico com regressão social, total alinhamento com Bush e Blair e a revitalização do confronto ideológico, até então desaparecido, entre as ?duas Espanhas?


José Vidal Beneyto

A guerra do plebiscito

Em meio à grande instabilidade política, oposição, apoiada pelos Estados Unidos, continua a desrespeitar os princípios democráticos que afirma defender


Maurice Lemoine

A Revolução dos Cravos, vista de Moçambique

Aqueles que viviam nos bairros de zinco (a periferia pobre) fizeram verdadeiramente a festa no dia 25 de junho de 1975, data da independência nacional de Moçambique. No dia 25 de abril de 1974, na Revolução dos Cravos, eles sorriam. No dia 25 de junho de 1975, cantaram e dançaram


A derradeira traição

Mandar rapazes e moças para o outro lado do mundo, equipados com as armas mais terríveis que existem ? e que, no entanto, não os põem a salvo de ações de guerrilheiros que os irão deixar cegos ou inválidos ? é a última traição do governo americano para com seu povo e sua juventude


Howard Zinn

A contestação da ordem midiática

Como reflexo da visível manipulação da informação sobre a guerra no Iraque e de uma decisão governamental que favorece a desregulamentação do setor, cresce a mobilização e o questionamento da sociedade norte-americana sobre concentração da mídia


Eric Klinenberg

A nova máscara da política norte-americana

Com a desmoralização do discurso americano no Iraque e a crescente revolta à ocupação do país, Washington lança sua nova cartada para a região: um plano que inclui ’democracia’ acompanhada de privatização e controle sobre a exploração dos mercados


Gilbert Achcar

O campo da morte

Com o assassinato do líder do Hamas, Ariel Sharon mostra continuar determinado na sua opção de subjugar completamente o povo palestino, usando para isso a violência extrema e o terrorismo de Estado. Israelenses e palestinos continuarão pagando o preço dessa loucura, que pode se estender para além das fronteiras de Israel


Alain Gresh

Os movimentos das mulheres do Islã

Tanto no Irã, como no Marrocos as mulheres desempenharam um papel ativo. Se definem como militantes dos direitos femininos e, principalmente no Marrocos, rejeitam o termo "feminista", que julgam restrito, referindo-se a uma época e um espaço que não são delas


Wendy Kristianasen

Os crimes norte-americanos no Afeganistão

A organização Human Rights Watch denuncia, de forma vigorosa, as violações do direito internacional pelas tropas norte-americanas no Afeganistão em um relatório divulgado no dia 9 de março. São descritas violações das convenções de guerra, saques, mortes suspeitas de civis e tortura. O relatório, que passou despercebido para a grande imprensa tem seus principais trechos reproduzidos pelo Diplô


BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos