'Enviar matéria', 'envoyer' => 'Enviar', 'reference_de' => 'a referência de', 'par_courriel' => 'por email', 'a_destination' => 'Enviar para:', 'donnees_optionnelles' => 'Dados opcionais', 'separe_virgule' => 'separe com vírgulas se escrever mais de um', 'sujet' => 'Assunto', 'titre_vouloir' => 'Título da mensagem', 'nom' => 'Seu nome', 'adresse' => 'Seu e-mail', 'texte' => 'Texto que irá junto com a mensagem', 'envoi' => 'Enviar', 'annuler' => 'Cancelar', 'enviar_title' => 'Enviar referência deste documento por email', 'enviar_por_email' => 'Enviar', 'referencia' => 'A referencia de', 'enviado' => 'foi enviado a:', 'sentimos' => 'Sentimos muito', 'problema' => 'Houve um problema e não se pôde enviar a mensagem', 'hola' => 'Olá. Talvez esta informação possa lhe interessar.', 'leer' => 'Leia mais...', 'enviado_por' => 'Enviado por: ', 'direction' => 'mas sem um endereço eletrônico válido', 'podemos' => 'não podemos enviar a mensagem', 'fermer' => 'fechar', 'documento' => 'Olá. Talvez este documento de', 'interesar' => 'possa lhe interessar.', 'descargarte' => 'Na página web poderá fazer o download de:', 'source' => 'fonte', ); ?> 'Envoyer l\'article', 'envoyer' => 'Envoyer', 'reference_de' => 'la référence de', 'par_courriel' => 'par courrier électronique', 'a_destination' => 'Envoyer á l\'adresse:', 'donnees_optionnelles' => 'Données optionnelles', 'separe_virgule' => 'séparer les adresses par des virgules si vous écrivez á plusieurs personnes', 'sujet' => 'Sujet', 'titre_vouloir' => 'Titre du message', 'nom' => 'Nom', 'adresse' => 'Adresse mail', 'texte' => 'Vous pouvez ajouter un texte', 'envoi' => 'Envoyer', 'annuler' => 'Annuler', 'enviar_title' => 'envoyer l\'article par mail', 'enviar_por_email' => 'envoyer par mail', 'referencia' => 'La référence de ', 'enviado' => 'a été envoyé à:', 'sentimos' => 'désolé', 'problema' => 'Il y a eu un problème et le courrier n\'a pas pu être envoyé', 'hola' => 'Salut. Cet article t\'interéssera peut-être ', 'leer' => 'Lire la suite...', 'enviado_por' => 'Envoyer par : ', 'direction' => 'mais sans une adresse de courrier électronique valable', 'podemos' => 'nous ne pouvons pas envoyer le message', 'fermer' => 'fermer', 'documento' => 'Salut, les documents de', 'interesar' => 'pourraient t\'intéresser', 'descargarte' => 'Si vous visitez le site vous pourrez télécharger les documents suivants :', 'source' => 'Source', ); ?> 'Enviar matéria', 'envoyer' => 'Enviar', 'reference_de' => 'a referência de', 'par_courriel' => 'por email', 'a_destination' => 'Enviar para:', 'donnees_optionnelles' => 'Dados opcionais', 'separe_virgule' => 'separe com vírgulas se escrever mais de um', 'sujet' => 'Assunto', 'titre_vouloir' => 'Título da mensagem', 'nom' => 'Seu nome', 'adresse' => 'Seu e-mail', 'texte' => 'Texto que irá junto com a mensagem', 'envoi' => 'Enviar', 'annuler' => 'Cancelar', 'enviar_title' => 'Enviar referência deste documento por email', 'enviar_por_email' => 'Enviar', 'referencia' => 'A referencia de', 'enviado' => 'foi enviado a:', 'sentimos' => 'Sentimos muito', 'problema' => 'Houve um problema e não se pôde enviar a mensagem', 'hola' => 'Olá. Talvez esta informação possa lhe interessar.', 'leer' => 'Leia mais...', 'enviado_por' => 'Enviado por: ', 'direction' => 'mas sem um endereço eletrônico válido', 'podemos' => 'não podemos enviar a mensagem', 'fermer' => 'fechar', 'documento' => 'Olá. Talvez este documento de', 'interesar' => 'possa lhe interessar.', 'descargarte' => 'Na página web poderá fazer o download de:', 'source' => 'fonte', ); ?> 'Envoyer l\'article', 'envoyer' => 'Envoyer', 'reference_de' => 'la référence de', 'par_courriel' => 'par courrier électronique', 'a_destination' => 'Envoyer á l\'adresse:', 'donnees_optionnelles' => 'Données optionnelles', 'separe_virgule' => 'séparer les adresses par des virgules si vous écrivez á plusieurs personnes', 'sujet' => 'Sujet', 'titre_vouloir' => 'Titre du message', 'nom' => 'Nom', 'adresse' => 'Adresse mail', 'texte' => 'Vous pouvez ajouter un texte', 'envoi' => 'Envoyer', 'annuler' => 'Annuler', 'enviar_title' => 'envoyer l\'article par mail', 'enviar_por_email' => 'envoyer par mail', 'referencia' => 'La référence de ', 'enviado' => 'a été envoyé à:', 'sentimos' => 'désolé', 'problema' => 'Il y a eu un problème et le courrier n\'a pas pu être envoyé', 'hola' => 'Salut. Cet article t\'interéssera peut-être ', 'leer' => 'Lire la suite...', 'enviado_por' => 'Envoyer par : ', 'direction' => 'mais sans une adresse de courrier électronique valable', 'podemos' => 'nous ne pouvons pas envoyer le message', 'fermer' => 'fermer', 'documento' => 'Salut, les documents de', 'interesar' => 'pourraient t\'intéresser', 'descargarte' => 'Si vous visitez le site vous pourrez télécharger les documents suivants :', 'source' => 'Source', ); ?> Diplô - Biblioteca: Tchetchnia
Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Bolívia: e os indígenas resistem ao golpe…

» Para pensar a Amazônia após o pesadelo

» EUA: Os campos de detenção da Era Trump

» Parasita: o cheiro ao redor

» Chile conquista Constituinte – mas qual?

» O peculiar totalitarismo do século XXI

» Quem poderá salvar Veneza?

» Bolívia: não despreze a resistência

» O adereço de Guedes e o sentido do governo

» O Chile Rebelde quer ir além

Rede Social


Edição francesa


» Wikipédia ou la fin de l'expertise ?

» En Espagne, bataille pour la mémoire républicaine

» Séisme sur les retraites en Argentine et au Chili

» Ce nouveau parti qui bouscule le paysage politique allemand

» La figure imposée du dernier poilu

» Les dossiers enterrés de Tchernobyl

» Une femme à la barre de l'Argentine

» La Chine au miroir de l'Occident

» « Choc des civilisations », à l'origine d'un concept

» Les Allemands de l'Est saisis par l'Ostalgie


Edição em inglês


» The fall of liberal triumphalism

» Sarah Seo on Americans, their cars and the law

» November: the longer view

» Ibrahim Warde on the rise and fall of Abraaj

» Fighting ISIS: why soft power still matters

» Life as a company troll

» The imperial magazine

» Setting Socrates against Confucius

» Price of freedom on the road

» Global business of bytes


Edição portuguesa


» Golpe de Estado contra Evo Morales

» Será que a esquerda boliviana produziu os seus coveiros?

» A era dos golpes de Estado discretos

» Pequeno manual de desestabilização na Bolívia

» No Brasil, os segredos de um golpe de Estado judiciário

» Edição de Novembro de 2019

» Sempre uma coisa defronte da outra

» OTAN: até quando?

» Alojamento local-global: especulação imobiliária e desalojamento

» Rumo a uma governança participativa da vida nocturna de Lisboa


EDITORIAL

Tchetchnia

Imprimir
enviar por email

Ler Comentários
Compartilhe

Por que a comunidade internacional, pronta a se mobilizar no ano pasado a favor de Kosovo, em nome do direito de ingerência, assiste impassível a uma nova tragédia?

Ignacio Ramonet - (13/02/2000)

Desumana. A nova guerra comandada pelos generais russos a partir de setembro de 1999, na Chechênia, é particularmente desumana. Mais de um terço da população local, ou seja, cerca de 200 mil pessoas, tiveram de fugir dos combates para procurar refúgio na Inguchéia. Segundo as organizações humanitárias internacionais (mantidas afastadas do front pelas autoridades), centenas de civis teriam sido mortos por bombardeios do exército federal. Um exército que, em certas cidades, também se dedicou a pilhagens, estupros e crimes de guerra.

Amplamente arruinada pelo conflito de 1994/96, que fez mais de 80 mil mortos, a Chechênia assiste com horror, uma vez mais, à destruição sistemática de sua infra-estrutura. Esta pequena república do Cáucaso corre o risco de, em termos de desenvolvimento, retroceder um século.

Como pode acontecer um desastre humano, econômico, ecológico tão horrível? Por que a comunidade internacional, pronta a se mobilizar no ano passado a favor de Kosovo, em nome do direito de ingerência, assiste impassível a uma tal tragédia?

A responsabilidade principal cabe certamente a Moscou, que, no momento do desmantelamento da União Soviética (1991-1992), foi incapaz de propor às entidades situadas no seio da Federação Russa um estatuto de autonomia baseado em critérios autenticamente democráticos. Com a cumplicidade do Ocidente, que pressionava Moscou a adotar o mais rapidamente possível o modelo da economia liberal, o Kremlin improvisou um federalismo sem controle, deixando que se instaurasse em cada região, em troca de apoio político, "uma espécie de arrendamento generalizado" [1] dos setores mais rentáveis (petróleo, divisas, álcool, tabaco, caviar, droga, armas, etc.), concedidos às máfias ou aos clãs locais.

Este conjunto de práticas exacerbou as tensões sociais, principalmente na Chechênia, que, depois de ter produzido, antes de 1940, até 45% do petróleo da União Soviética, veria a miséria estender-se e conheceria um declínio irrevogável, quando sua produção de hidrocarburetos passou a representar apenas 1% da extração da Rússia.

Com o crescimento das máfias, reapareceram o sentimento nacionalista e uma renovação do Islã sunita, ainda vivos em um país que, durante mais de um século, resistira ao expansionismo colonial moscovita e tinha sido o último bastião do Cáucaso a se render aos russos, em 1859.

Os deserdados mostraram-se particularmente sensíveis aos discursos dos missionários "wahhabitas" vindos da Arábia Saudita - com meios financeiros consideráveis - para pregar um islamismo integrista que já seduzira parte dos resistentes afegães que venceram os soviéticos nos anos 80. A essa corrente islamista pertenciam os principais combatentes pela independência do início dos anos 90, particularmente o célebre Chamil Bassaïev.

Depois da vitória militar sobre Moscou em 1996, a união sagrada dos chechenos se desagregou. Submetido a um bloqueio territorial pelas forças russas, o governo de Arlan Mans viu-se sem meios para reconstruir o país. Os "wahhabitas", por outro lado, estabeleceram feudos islamistas onde impuseram a lei do Alcorão ("charia") contra a vontade de numerosas famílias. As máfias e o banditismo, aproveitando-se dessas desordens, proliferaram. Desenvolveu-se então uma verdadeira economia de rapina e de extorsão: pilhagens de fazendas isoladas, contrabando de toda sorte e sobretudo seqüestro de centenas de pessoas, em troca de resgate, entre as quais inúmeros estrangeiros.

Assim, paulatinamente a Chechênia tornou-se, em parte contra seus desígnios, uma entidade caótica ingovernável, temida por seus vizinhos e da qual seus próprios habitantes começaram a fugir.

Uma afronta do Ocidente

Neste contexto de podridão, três acontecimentos levariam ao conflito atual. Em um primeiro momento, em maio de 1999, a Rússia sentiu-se marginalizada quando um oleoduto ligando Baku (Azerbaijão) a Soupsa (Geórgia), às margens do Mar Negro, foi oficialmente reaberto com o beneplácito do Ocidente. Mais grave foi quando, em novembro de 1999, a Turquia, o Azerbaijão e a Geórgia assinaram um acordo para a construção de um outro oleoduto ligando Baku ao porto turco de Ceyhan, no Mediterrâneo, evitando assim, definitivamente, o território russo. Para Moscou, isso foi uma afronta política, podendo prenunciar uma importante perda de influência no Cáucaso. E principalmente por esses novos oleodutos terem sido colocados automaticamente sob a proteção do sistema de segurança da OTAN.

Em seguida, em agosto de 1999, o ataque ao Daguestão liderado pelo chefe islamita checheno Bassaiev confirmou, aos olhos dos russos, os riscos de contágio que traria para o conjunto do Cáucaso o exemplo de uma eventual independência da Chechênia. Rapidamente circunscrito e liqüidado, esse ataque provocou indiscutivelmente medo em Moscou, que via com preocupação multiplicarem-se as ameaças contra seu controle sobre uma região tão estratégica quanto o Cáucaso do Norte.

Finalmente, no início do outono de 1999, aconteceram os atentados a bomba contra imóveis civis, que fizeram aproximadamente 300 mortos em várias cidades da Rússia. A culpa foi rapidamente atribuída (sem provas concretas) aos "bandidos chechenos", o que inflamou a opinião pública, imersa há dez anos numa catástrofe social.

É evidente que Vladimir Putin aproveitou-se dessa situação para se impor como o homem forte que os russos esperavam. Mas essa dimensão política é inseparável das manobras estratégicas da guerra: trata-se, para Moscou, de reconquistar a Chechênia e, além disso, de recolocar a Rússia na posição de potência dominante em todo o Cáucaso. Mesmo que seja preciso matar até o último checheno.

Traduzido por Celeste Marcondes



[1] Jean Radvanyi, " ’Sale guerre’ en Tchétchénie", em L’Atlas 2000 des conflits - Manière de Voir, n°49, jan. 2000.


Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Leia mais sobre

» Tchetchnia
» Confrontos contra o “Outro”

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos