Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» América Latina: a ultradireita contra-ataca

» O Mercado, os economistas e outros seres transcendentais

» Nem todo Uber é capitalista

» Comuns, alternativa à razão neoliberal

» “Nova” ultradireita, filha dos neoliberais

» Como os PMs são formados para a incivilidade

» Cinema: três filmes para olhar além da fronteira

» Pacote Guedes (1): Uma distopia cujo tempo passou

» Pacote Guedes (2): Unidos pelo fundamentalismo

» A execução de Baghdadi e o autoengano do Ocidente

Rede Social


Edição francesa


» Les Allemands de l'Est, sinistrés de l'unification

» Le difficile chemin de la démocratie espagnole

» Il y a cent cinquante ans, la révolte des cipayes

» Hôpital entreprise contre hôpital public

» Dernières nouvelles de l'Utopie

» Très loin des 35 heures

» Qui a profité de l'unification allemande ?

» Chantages ordinaires chez General Motors

» Gagnants et perdants de l'ouverture chinoise

» L'islam au miroir de la télévision


Edição em inglês


» November: the longer view

» Ibrahim Warde on the rise and fall of Abraaj

» Fighting ISIS: why soft power still matters

» Life as a company troll

» The imperial magazine

» Setting Socrates against Confucius

» Price of freedom on the road

» Global business of bytes

» A firm too good to be true

» In the GDR, old debts and big profits


Edição portuguesa


» No Brasil, os segredos de um golpe de Estado judiciário

» Edição de Novembro de 2019

» Sempre uma coisa defronte da outra

» OTAN: até quando?

» Alojamento local-global: especulação imobiliária e desalojamento

» Rumo a uma governança participativa da vida nocturna de Lisboa

» A Expo'98 e o Parque das Nações: Estado, gentrificação e memória urbana

» Uma história do Habita

» «Ficar sem Tecto»: as demolições no Bairro 6 de Maio

» Gentrificação e turistificação: o caso do Bairro Alto em Lisboa


VIETNÃ — PARTIDO & PODER

A vanguarda da classe trabalhadora

Imprimir
enviar por email

Ler Comentários
Compartilhe

No Vietnã, como na China, liberalização econômica e autoritarismo político caminham juntos

Michel Herland - (12/02/2000)

Tanto quanto o "socialismo de mercado" de Deng Xiaoping tinha por objetivo reformar a economia sem atingir o monopólio do poder do Partido Comunista Chinês (PCC), também a política de liberalização decidida no Vietnã pela maioria do birô político, em 1986, tinha por função evitar uma crise do regime. O objetivo era de fato a conservação do poder, mesmo ao preço das mais flagrantes negações ideológicas, embora inconfessáveis. Na ausência de tradição democrática, o povo espera hoje de seus governantes a prosperidade, como esperava, depois da Segunda Guerra Mundial, a independência. No Vietnã, tal como na China, liberalização econômica e autoritarismo político caminham juntos.

Nesta "República Socialista" que o Vietnã ainda é, o Partido Comunista (PCV) desempenha hoje um papel determinante (ver acima o artigo de Philippe Papin). Segundo o artigo 4º da Constituição de 1992, "o Partido Comunista do Vietnã, vanguarda da classe trabalhadora, fiel representante da classe operária, do povo trabalhador e da nação inteira, iluminado pela doutrina marxista-leninista e pelo pensamento de Ho Chi Minh, é a força diretriz do Estado e da sociedade".

Entre o partido e o povo interpõe-se uma organização de massas, a Frente da Pátria, que reúne, além do PCV, outras organizações, como a União das Mulheres, os sindicatos e grupos de caráter confessional. A Frente da Pátria desempenha um papel importante nas eleições para a Assembléia Nacional, pois deve aprovar os nomes dos candidatos — sabendo, todavia, que um certo número deles já é designado no nível central (partido, governo). Nas últimas eleições de julho de 1997, havia assim 147 candidatos designados "centralmente" e 525 localmente.

Uma abertura limitada

Em 1997, uma certa liberdade de escolha foi introduzida de duas maneiras: primeiramente selecionando candidatos em maior número (666) que as vagas a preencher (450); em segundo lugar, aceitando entre os selecionados um pequeno número de candidatos "auto-designados", isto é, que submeteram suas candidaturas à Frente da Pátria sem ser apresentados por alguma organização (três candidatos entre onze foram eleitos). Enfim, mesmo vivendo o Vietnã sob um regime de partido único, o fato é que nem todos os candidatos "oficiais" à Assembléia Nacional são necessariamente membros desse partido. Por ocasião das últimas eleições, 106 candidatos encontravam-se nessa situação.

O PCV controla todos os postos-chaves nas instâncias políticas, na administração e no setor produtivo público, mas não reúne mais do que dois milhões de membros, num total de quase 80 milhões de habitantes. Aliás, sua implantação no sul do país continua muito fraca: é de 1% da população, enquanto no norte é de 9%.

Por fim, o exército continua sendo uma força com a qual é preciso contar. Reúne ainda perto de meio milhão de homens (em 1987, tinha um milhão), 420 mil no exército, 42 mil na marinha e 30 mil na aeronáutica. A maior parte de seu equipamento, de origem soviética, data dos anos 80. A nomeação, em setembro de 1998, do tenente general Le Van Dung como chefe do Estado Maior confirma a preocupação do partido em não perder o controle do aparelho militar. O general Dung foi, na verdade, durante muito tempo, o auxiliar do general Le Kha Phieu no serviço político do exército. O Partido Comunista Vietnamita havia realizado seu 8º Congresso em 1996 e no ano seguinte, por ocasião da reunião plenária do Comitê Central, promoveu-se a substituição do secretário geral Do Muoi, demissionário havia vários meses, por Le Kha Phieu.

A dominação do partido sobre a vida política é incomensurável, como prova a sorte reservada aos raros opositores. A despeito de tímidos progressos no plano das liberdades individuais, a liberdade de expressão está longe de ser atingida. Os artigos 69 e 70 da Constituição estabelecem uma distinção entre a liberdade de credo e de religião, apresentada como absoluta, e as liberdades de expressão, de informação, de associação e manifestação, enquadradas pela lei.

O poder continua com uma suscetibilidade extrema e reprime sem vacilações qualquer pessoa cujos escritos ou declarações pareçam-lhe indesejáveis. São lembradas as desventuras da escritora Duong Thu Huong, autora de Au delà-des illusions [1], excluída do Partido Comunista em 1990 e impedida de se exprimir durante vários anos; a condenação, em agosto de 1993, de quatorze opositores acusados de querer derrubar o governo; a prisão do venerável budista Thich Quang Do, em 1994, libertado apenas em 1998...

Traduzido por Betty Almeida



[1] Editions Philippe Picquier, Arles, 1998.


Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos