Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» 6 de julho de 2020

» Por uma moratória no Reconhecimento Facial

» Como nosso petróleo atiçou a cobiça dos EUA

» Preparados para o mundo pós-petróleo?

» 3 de julho de 2020

» Destrinchamos a nova lei que mercantiliza a água

» Literatura dos Arrabaldes: O decreto e o levante

» As fronteiras cruzadas em Apocalipse Now

» Bolsonaro usa o vírus para reinventar tortura

» 2 de julho de 2020

Rede Social


Edição francesa


» Tout commence, tout finit à Gaza

» Cette « double autorité » qui écartèle les Palestiniens

» Aux origines de la secte Boko Haram

» Michel Onfray, le dernier nouveau philosophe

» Les forces de l'ordre social

» Vous avez dit « systémique » ?

» Un pays miné par les homicides policiers

» Décollage africain, marasme sénégalais

» BCE, enquête dans le temple de l'euro

» Le procès de M. Barack Obama


Edição em inglês


» Fossil fuel disarmament

» Oil production and consumption around the world

» OPEC's share of production in a changing oil market

» Passport power

» Prato's migrant workforce

» No going back to business as usual

» Trade war in strategic minerals

» When oil got cheaper than water

» A tale of two countries

» Jair Bolsonaro, wannabe dictator


Edição portuguesa


» Dois ou três lugares a preencher – a propósito de José Saramago

» A Jangada de Saramago

» Um homem chamado Saramago

» «O desastre actual é a total ausência de espírito crítico»

» Edição de Junho de 2020

» A fractura social

» Vender carros Audi na Birmânia

» Edição de Maio de 2020

» Defender os trabalhadores

» Todos crianças


OCUPAÇÃO NAZISTA

Quando os patrões colaboravam

Imprimir
enviar por email

Ler Comentários
Compartilhe

Gilles Perrault - (12/02/2000)

Os industriais e banqueiros franceses se entregaram à colaboração econômica entre 1940 e 1944, ou os "escorregões" foram ações de alguns "bandidos e piratas" nada representativos do mundo dos negócios? Prefaciado com vigor por Jean Ziegler, outro especialista em destruir certezas que consolam, Annie Lacroix-Riz se afasta da historiografia dominante, desenhando o quadro de uma colaboração generalizada e muitas vezes entusiasta. Tem um defeito: sua fidelidade à linha de interpretação marxista, que a faz ser tachada por seus colegas, como ela mesma o diz, de "provocadora". Seu trunfo é o recurso sistemático ao arquivo, o que a distingue de muitos de seus colegas que hoje estão mais para ensaístas que escrevem sobre a História do que historiadores no sentido rigoroso do termo.

A condenação desse livro ao silêncio, como foi feito amplamente com obras precedentes desta franco-atiradora, será mais tranqüila que sua refutação. Fundamentando cada uma das suas demonstrações em um pedestal de arquivos de uma solidez granítica, a autora pulveriza os lugares-comuns mais bem estabelecidos. Vichy foi responsável por tudo, segundo a tese alegada pelo mundo dos negócios na época da Liberação? Nada mais falso. O regime de Pétain limitou-se, no mais das vezes, a ratificar acordos firmados diretamente pelos industriais e banqueiros franceses com o ocupante. Discrição patriótica da elite econômica diante das oportunidades oferecidas? A corrida aos negócios judeus para torná-los arianos atesta, ao contrário, uma voracidade indecente. A lista das aves de rapina, cujos herdeiros mantêm a cabeça alta, é de apertar o coração.

Desejando o nazismo

O ridículo soma-se aleatoriamente ao odioso. É o caso de propostas feitas, em 1941, ao ocupante, para uma exploração em comum das riquezas de uma União Soviética que parecia à beira do colapso, os franceses mostrando, é claro, uma modéstia razoável quanto à divisão do bolo. Na verdade, as associações de capitais entre empresas francesas e alemãs — sobre as quais a autora fornece copiosa documentação, assinalando de passagem a notável exceção de Michelin — demonstram que a perspectiva de uma Europa dirigida pelos nazistas era não só amplamente aceita como até mesmo desejada. Annie Lacroix-Riz concorda com Robert Paxton, que escreveu recentemente que as elites do dinheiro priorizaram o inimigo interno em relação ao inimigo externo.

A evolução da guerra acarretou lúcidos reacomodamentos. Era preciso ser um Pierre Taittinger para procurar, com uma tenaz energia, colocar seus parentes nos negócios judeus até a primavera de 1944. Seus pares evoluíram sabiamente em direção à paz americana, que eles viam esboçar-se no horizonte e que os garantia contra os exageros de um gaullismo estranhamente associado à revolução social e aos sovietes por todos os lados.

Fechado o livro, sonha-se com a famosa frase de François Mauriac, que certamente nunca se proclamou marxista, segundo a qual a classe operária francesa foi a única a permanecer fiel à pátria profanada. Annie Lacroix-Riz traz a apaixonante e esmagadora demonstração do contrário.

Annie Lacroix-Riz, Industriels et banquiers sous l’occupation. La collaboration économique avec le Reich , Prefácio de Jean Ziegler, Armand Colin, Paris.

Traduzido por Celeste Marcondes




Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos