Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Bolívia: e os indígenas resistem ao golpe…

» Para pensar a Amazônia após o pesadelo

» EUA: Os campos de detenção da Era Trump

» Parasita: o cheiro ao redor

» Chile conquista Constituinte – mas qual?

» O peculiar totalitarismo do século XXI

» Quem poderá salvar Veneza?

» Bolívia: não despreze a resistência

» O adereço de Guedes e o sentido do governo

» O Chile Rebelde quer ir além

Rede Social


Edição francesa


» Wikipédia ou la fin de l'expertise ?

» En Espagne, bataille pour la mémoire républicaine

» Séisme sur les retraites en Argentine et au Chili

» Ce nouveau parti qui bouscule le paysage politique allemand

» La figure imposée du dernier poilu

» Les dossiers enterrés de Tchernobyl

» Une femme à la barre de l'Argentine

» La Chine au miroir de l'Occident

» « Choc des civilisations », à l'origine d'un concept

» Les Allemands de l'Est saisis par l'Ostalgie


Edição em inglês


» The fall of liberal triumphalism

» Sarah Seo on Americans, their cars and the law

» November: the longer view

» Ibrahim Warde on the rise and fall of Abraaj

» Fighting ISIS: why soft power still matters

» Life as a company troll

» The imperial magazine

» Setting Socrates against Confucius

» Price of freedom on the road

» Global business of bytes


Edição portuguesa


» Golpe de Estado contra Evo Morales

» Será que a esquerda boliviana produziu os seus coveiros?

» A era dos golpes de Estado discretos

» Pequeno manual de desestabilização na Bolívia

» No Brasil, os segredos de um golpe de Estado judiciário

» Edição de Novembro de 2019

» Sempre uma coisa defronte da outra

» OTAN: até quando?

» Alojamento local-global: especulação imobiliária e desalojamento

» Rumo a uma governança participativa da vida nocturna de Lisboa


UM OUTRO CHIAPAS

Os filhos de Zapata

Imprimir
enviar por email

Ler Comentários
Compartilhe

Ramón Chao - (12/02/2000)

"A caminhonete verde oliva saiu do campo militar de madrugada, escoltada por dois veículos, e tomou o anel periférico, obscurecido a essa hora pela cerração. Andava em alta velocidade na autoestrada deserta em direção ao sul." Os militares dirigiam-se à localidade balneária de Acapulco. Turistas, milionários e traficantes de droga. A alguns quilômetros, a Sierra Madre del Sur, habitada por mestiços e índios. Estamos no Estado de Guerrero que é, juntamente com o de Chiapas e o de Oxaca, um dos mais pobres do México. Desde a revolução de 1910, o poder local pertence a caudilhos. É aqui que Emiliano Zapata se insurgiu e foi, em 1919, crivado de balas. Em 1963 Genaro Vasquez, um professor primário, abandonou a luta pacífica. Como Zapata, ele se identificou com seu meio e pegou em armas à frente da Associação Nacional Cívica Revolucionária (ANCR). Genaro Vasquez morreria em 1972, segundo a versão oficial num acidente de automóvel.

Carlos Montemayor, poeta e romancista mexicano, conta-nos o resto: no fim dos anos 60 um outro professor primário, Lucio Cabañas, encarna novamente a resistência, funda o Partido dos Pobres (PDLP) e entra na clandestinidade. O PDLP prega "uma nova ordem política e econômica através da expropriação das fábricas e das grandes propriedades". As ações dos insurrectos multiplicam-se e culminam, em 20 de maio de 1974, no sequestro de Rubén Figueroa pai, candidato do partido oficial, o Partido Revolucionário Institucional (PRI), ao lugar de governador do Estado.

A rebeldia que não morre

Carlos Montemayor escreveu este romance em 1991, três anos antes da insurreição zapatista do subcomandante Marcos. "Ou seja, a História se repete e arma, perigosamente, armadilhas para a vida dos exércitos", reconhece o general Hernandez. Encarregado de sufocar a rebelião, ele constata que as guerrilhas reaparecem de modo cíclico nos Estados do sul do México [1]. "O essencial neste caso", explica um outro general (Escarcega) a seus colegas, "é o apoio organizado das populações serranas. Não se trata absolutamente de um punhado de insurrectos armados que se deslocam de um lugar a outro, independentes e isolados, como outros terroristas; as pessoas os ajudam, apóiam e escondem". Com o assassinato de Lucio Cabañas, em dezembro de 1974, crivado de balas como Zapata, uma nova etapa da guerrilha rural tem fim. Deixava um saldo de muitas centenas de mortos e de trezentos desaparecidos apenas no Estado de Guerrero.

Vinte anos mais tarde, a luta será retomada em Chiapas (e em Guerrero). O Exército responde sempre da mesma maneira, ontem como hoje. Os paramilitares organizam massacres coletivos, o Exército ocupa as aldeias e lugarejos, levanta a lista dos habitantes, e todo e qualquer homem ausente é declarado zapatista. "Nossa ação não deverá se reduzir a uma contra-guerrilha nem a uma limpeza da região, mas deve ser um controle de toda a zona. (...) É preciso enfrentar o povo, sitiar a aldeia e agir como se toda a população fosse cúmplice de Lucio Cabañas", concluía já, na época, o general Escarcega.

Guerre au Paradis , de Carlos Montemayor, traduzido do espanhol (México) por Anny Amberni, Gallimard, Paris, 1999, 443 páginas.

Traduzido por Angela Mendes de Almeida



[1] Cf. François Escarpit, "Une multitude de guerrillas", Le Monde Diplomatique, janeiro de 1997.


Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Leia mais sobre

» México
» Zapatismo

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos