Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


Rede Social


Edição francesa


» Gramsci, un rayonnement planétaire

» L'ENA tentée par la philosophie des affaires

» Éloge du rire sardonique

» L'abstention gagne les classes moyennes

» Qui veut encore financer la presse ?

» L'unité de l'Algérie

» Créatrices et minotaures

» Absence d'enquêtes et bagarres de plateau, les recettes de l'information en continu

» Vive le « risque systémique » !

» Les transformations de l'économie continentale


Edição em inglês


» April: the longer view

» Africa's oil-rich national parks

» Montenegro's path to independence

» Japan's bureaucrats feel the pain

» Who's who in North Africa

» Being Kabyle in France

» Who wins in Chile's new constitution?

» Senegal's five days of anger

» Threat to Africa's parks

» Montenegro's ragged coalition


Edição portuguesa


» Edição de Abril de 2021

» A liberdade a sério está para lá do liberalismo

» Viva o «risco sistémico!»

» Pandemia, sociedade e SNS: superar o pesadelo, preparar o amanhecer

» A maior mentira do fim do século XX

» Como combater a promoção da irracionalidade?

» A Comuna de Paris nas paredes

» Como Donald Trump e os "media" arruinaram a vida pública

» Edição de Março de 2021

» Acertar nas fracturas


QUATRO LIVROS SOBRE UMA GUERRA CONTESTADA

Primeiras lições do Kosovo

Imprimir
enviar por email

Ler Comentários
Compartilhe

Xavier Bougarel - (12/02/2000)

Seis meses depois da entrada das tropas da OTAN no Kosovo, o leitor francófono já dispõe de diversos livros que permitem conhecer melhor a recente guerra (março a junho de 1999), suas origens, seus protagonistas e suas conseqüências, tanto no plano local como no internacional. Quatro dentre estes merecem uma atenção especial.

O menor deles, no entanto o mais elaborado, é o de Michel Roux, intitulado Le Kosovo — Dix clés pour compreendre. Dividido em dez curtos capítulos, o autor, geógrafo da Universidade de Toulouse-Le Mirail, tenta "explicar a origem das guerras de 1998-1999 no Kosovo, situá-las no contexto balcânico, analisar as possíveis conseqüências e precisar as razões do envolvimento das potências e do interesse universal por esse conflito".

Muito instrutiva e pedagógica, esta obra é também engajada: Michel Roux explica assim porque o regime do presidente Slobodan Milosevic é o principal responsável pela guerra do Kosovo (e por outras guerras iugoslavas), relativiza as críticas dirigidas à guerra aérea conduzida pela OTAN e defende a correção de sua intervenção militar. Bem informado e freqüentemente convincente, o autor não escapa todavia às simplificações abusivas: existem bem mais do que "vagas alegações" sobre o caráter mafioso e extremista do Exército de Liberação do Kosovo (UCK); certas observações, sem dúvida pertinentes, sobre a fraqueza do nacionalismo albanês poderiam ser aplicadas ao caso sérvio; e o debate sobre a intervenção da OTAN não se resume a uma oposição entre valores morais e Realpolitik, ou entre partidários da ingerência e da soberania.

Aspectos pouco comentados

Duas obras coletivas, De la question albanaise au Kosovo e La Guerre du Kosovo — Eclairages et commentaires, completam esta abordagem. A primeira trata mais em detalhe da história e da atualidade da questão albanesa nos Balcãs. A segunda, muito crítica com relação à intervenção militar da OTAN, contém várias contribuições interessantes sobre isso (Olivier Corten, sobre o fracasso do "plano de paz de Rambouillet", Barbara Delcourt, sobre a questão do direito de ingerência, André Dumoulin e Bernard Adam, sobre os ensinamentos militares e políticos da intervenção). Os artigos tratam ainda de certos aspectos pouco conhecidos da guerra do Kosovo (como o de Luc Manpaey, sobre as conseqüências ecológicas dos bombardeios da OTAN).

O livro de Bernard Ravanel intitulado Une guerre de gauche? não aborda exclusivamente a guerra do Kosovo ou a crise iugoslava, embora contenha um certo número de avaliações sobre estes dois pontos. Trata-se sobretudo das reflexões de um homem de esquerda, oposto tanto ao nacionalismo de Slobodan Milosevic, quanto aos bombardeios da OTAN, recusando-se a reduzir o debate sobre a guerra a uma oposição entre "belicistas empedernidos" e "pacifistas ingênuos", interrogando-se sobre a atitude que as forças de esquerda devem adotar diante das novas formas de guerra e das suas justificações ("ingerências humanitárias").

As respostas esboçadas pelo autor deixam às vezes o leitor faminto de mais debate, mas têm o mérito de recusar os discursos correntes e as falsas dicotomias sobre as quais estes se baseiam (belicistas/pacifistas, intervencionistas/defensores da soberania, etc.) Desse ponto de vista a tentativa de Bernard Ravanel é corajosa e salutar.

Michel Roux, Le Kosovo — Dix clés pour compreendre, La Découverte , Paris, 1999, 127 páginas.

Jean-Michel De Waele e Kolë Gjeloshai (sob a direção de), De la question albanaise au Kosovo , Complexe, Bruxelas, 1999, 152 páginas.

Bernard Adam (sob a direção de), La Guerre du Kosovo — Eclairages et commentaires , Complexe/GRIP, Bruxelas, 1999, 179 páginas.

Bernard Ravanel, Une guerre de gauche? Pour la paix à travers le droit , Editions Golias, Villeurbanne, 1999, 222 páginas.

Traduzido por Angela Mendes de Almeida




Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos