Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


Rede Social


Edição francesa


» Le devoir de paresse

» Ainsi nos jours sont comptés

» Au Brésil, des collectionneurs d'art très courtisés

» Fantômes russes dans l'isoloir ukrainien

» Bernard Madoff, à la barbe des régulateurs de la finance

» Les famines coloniales, génocide oublié

» LTCM, un fonds au-dessus de tout soupçon

» Récalcitrante Ukraine

» Europe de l'Est : un bilan positif sur le plan social mais négatif dans le domaine des droits politiques

» La crise russo-ukrainienne accouchera-t-elle d'un nouvel ordre européen ?


Edição em inglês


» Rojava's suspended future

» Biden's Middle East challenges

» April: the longer view

» Africa's oil-rich national parks

» Montenegro's path to independence

» Japan's bureaucrats feel the pain

» Who's who in North Africa

» Being Kabyle in France

» Who wins in Chile's new constitution?

» Senegal's five days of anger


Edição portuguesa


» "Catarina e a beleza de matar fascistas": o teatro a pensar a política

» Edição de Abril de 2021

» A liberdade a sério está para lá do liberalismo

» Viva o «risco sistémico!»

» Pandemia, sociedade e SNS: superar o pesadelo, preparar o amanhecer

» A maior mentira do fim do século XX

» Como combater a promoção da irracionalidade?

» A Comuna de Paris nas paredes

» Como Donald Trump e os "media" arruinaram a vida pública

» Edição de Março de 2021


DOSSIÊ CONHECIMENTO X MERCADO

O seqüestro do saber

Imprimir
enviar por email

Ler Comentários
Compartilhe

As grandes multinacionais estão usando a propriedade intelectual para controlar a ciência, restringir o acesso a seus benefícios e multiplicar lucros. É hora de pensar numa alternativa que substitua o sistema de patentes e transforme o conhecimento num patrimônio comum da humanidade

Philippe Rivière - (12/03/2000)

A quem pertence o conhecimento? Quando a propriedade intelectual, multiplica o custo de medicamentos vitais e condena à morte milhões de doentes africanos, a pergunta deixa de ser teórica. De sua resposta depende, agora, o futuro da economia mundial e de uma parte da humanidade. A informática, a indústria da vida (agroindústria, biotecnologias, indústria farmacêutica) e as comunicações estão à frente da "revolução informacional". O impulso dessas atividades vem acompanhado de uma exigência cada vez maior de controle sobre suas invenções. Isso porque, para lucrar com essa produção virtual "naturalmente" reproduzível que é o saber, é preciso conter sua difusão, criar uma escassez artificial que permita estabelecer um preço. Esse é o objetivo central do direito da propriedade intelectual. Associada a ele está a preocupação em proteger os direitos "morais" dos autores sobre o futuro de sua obra (propriedade artística e literária), de garantir a proteção do consumidor (direito de marcas) ou de limitar o recurso ao segredo industrial por meio da publicação dos detalhes das invenções (patentes).

No intuito de acompanhar essa mudança, a Organização Mundial do Comércio (OMC) e a Organização Mundial da Propriedade Intelectual (OMPI) entregaram-se a uma intensa atividade jurídica - seguindo uma tendência em curso nos Estados Unidos - visando "fortalecer" os direitos dos proprietários, a fim de lhes garantir retorno de investimento e, portanto, teoricamente, de estimular o crescimento mundial.

O conceito de bem público mundial

Mas esse discurso contrapõe-se a diversas realidades: por um lado, como destaca o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), "muitos países hoje desenvolvidos, que se arvoram em (…) ardentes defensores de um fortalecimento dos direitos de propriedade intelectual, adotaram regras bastante flexíveis ao instalar sua indústria nacional. O discurso só mudou quando passaram a exportar tecnologia." Ao acumular os direitos de propriedade intelectual do conjunto do conhecimento (dos acervos fotográficos ao genoma humano, dos programas de computador aos medicamentos), os países mais ricos e mais equipados juridicamente (os Estados Unidos empregam um terço dos advogados do planeta) garantem o controle de amplos setores das produções futuras.

Por outro lado, a apropriação do conhecimento por empresas privadas nem sempre é legítima. A pesquisa tecnológica e a produção cultural alimentam-se, antes de mais nada, da partilha dos saberes com o conjunto da sociedade. Ora, a maioria dos mecanismos de promoção e defesa do domínio público do conhecimento não teve continuidade, por falta de um pensamento renovado sobre o que seja o "bem público mundial." [1]

A reflexão atual sobre a propriedade dessa riqueza comum da humanidade que é o conhecimento ainda é incipiente. O jurista americano James Boyle compara-a à reflexão dos anos 50 sobre o meio-ambiente: observadores isolados alarmam-se com certos riscos específicos, sem ainda estar em condições de relacioná-los. [2] É urgente, no entanto, abrir o debate para acabar com o seqüestro do conhecimento pelos interesses particulares.

Traduzido por Rúbia Prates Goldoni.

Leia também: Rumo ao apartheid sanitário? A quem pertence o conhecimento? Palavras proibidas Um sistema que mata Vocabulário da propriedade intelectual Bibliografia na Internet



[1] Inge Kaul, Isabelle Grumberg e Marc A. Stern (orgs), Global Public Goods: International Cooperation in the 21st Century, PNUD, Oxford University Press, Nova York e Oxford, 1999.

[2] James Boyle, "A Politics of Intellectual Property: Environmentalism for the Net", http://www.wcl.american.edu/pub/fac....


Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Leia mais sobre

» Biotecnologia
» Indústria Farmacêutica
» Patentes e Controle das Inovações

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos