Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


Rede Social


Edição francesa


» En Afrique, la démocratie entravée

» Le grand partage du globe

» La France et son espace maritime de souveraineté économique

» Villes et comptoirs hanséatiques

» Le sultanat de Malacca à la fin du XVe siècle

» Les grandes poubelles de plastique

» Feu vert à la surveillance de masse

» G8 : policiers italiens condamnés... et promus

» L'Italie saisie par la tentation autoritaire

» En régionalisant, les gouvernements entendent préserver le cadre national d'une action cohérente


Edição em inglês


» The rift in the AfD

» The forgotten chapter of the women's movement

» The battle for narrative in Afghanistan

» Work less, pollute less

» July: the longer view

» Ethiopia's failed experiment in ethno-federalism

» What press freedoms for North Africa?

» The Balkans rediscover socialism

» China's balancing act: power or prosperity?

» The immovable Assad clan


Edição portuguesa


» O direito à alimentação no mundo continua por cumprir

» Filho da Preguiça

» Boca de Cena

» Pandemónio Pandomínio

» Em Cuba, rumo ao fim do mais longo embargo da história

» Edição de Julho de 2021

» «Ajude um caloiro»: requiem por um direito

» Acalmia em França?

» Edição de Junho de 2021

» O jornalismo no novo negócio dos "media"


DOSSIÊ CONHECIMENTO X MERCADO

Um sistema que mata

Imprimir
enviar por email

Ler Comentários
Compartilhe

Se as patentes asseguram um futuro, talvez seja o da pesquisa privada, e com toda certeza é o dos acionistas dos laboratórios — mas não, em hipótese alguma, o dos doentes...

Philippe Rivière - (12/03/2000)

As centenas de milhares de doentes de AIDS que morrerão nos próximos anos estão sendo sacrificadas para assegurar a pesquisa farmacêutica do futuro? Uma conclusão tão brutal e inaceitável parece, contudo, uma conseqüência lógica da proteção total das patentes dos medicamentos. A patente serve, explicam-nos, para garantir uma renda ao inventor, a fim de estimular a pesquisa. Ora, uma vez desenvolvido um medicamento, o custo de sua produção industrial é ínfimo. Assim, a Índia, onde as patentes dos produtos farmacêuticos não são reconhecidas, dispõe de medicamentos entre 8 a 14 vezes mais baratos que o vizinho Paquistão. [1] "Para os antivirais — adverte um médico de um hospital parisiense que trata de vários aidéticos africanos — a relação seria muito provavelmente de 1 para 20".

Barreira ao tratamento

"A indústria farmacêutica nega a evidência, mas sua política de preços mata", denuncia a Act-Up Paris, numa crítica ao programa "Assegurar o futuro", implementado pelo laboratório Bristol-Myers Squibb. Ainda segundo a associação de luta contra a AIDS: "Os poucos programas de acesso aos antirretrovirais lançados nos países do sul (Brasil, Costa do Marfim, Senegal, Uganda, etc.) provam que o preço do medicamento é, hoje, o maior obstáculo à ampliação do acesso aos tratamentos". [2] Se as patentes asseguram um futuro, talvez seja o da pesquisa privada, com toda certeza é o dos acionistas dos laboratórios - mas não, em hipótese alguma, o dos doentes...

Traduzido por Rúbia Prates Goldoni.

Leia também: Rumo ao apartheid sanitário? A quem pertence o conhecimento? Palavras proibidas Vocabulário da propriedade intelectual Bibliografia na Internet



[1] Relatório Mundial sobre o Desenvolvimento Humano, 1999, PNUD.

[2] Act-Up Paris, "Secure the Profit", press-release, 18/11/1999; Action, Paris, nº 64, dez. 1999.


Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Leia mais sobre

» Indústria Farmacêutica
» Patentes e Controle das Inovações
» Direito à Saúde

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos