Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Guedes quer repetir privataria da década de 90

» Aloysio Biondi e seu direito sagrado de analisar

» 7 de julho de 2020

» A Guerra, o Futuro e a “transição energética”

» Por que o apoio a Bolsonaro não desmorona

» 6 de julho de 2020

» Por uma moratória no Reconhecimento Facial

» Como nosso petróleo atiçou a cobiça dos EUA

» Preparados para o mundo pós-petróleo?

» 3 de julho de 2020

Rede Social


Edição francesa


» Comment le Sahel est devenu une poudrière

» Tout commence, tout finit à Gaza

» Cette « double autorité » qui écartèle les Palestiniens

» Aux origines de la secte Boko Haram

» Michel Onfray, le dernier nouveau philosophe

» Les forces de l'ordre social

» Vous avez dit « systémique » ?

» Un pays miné par les homicides policiers

» Décollage africain, marasme sénégalais

» BCE, enquête dans le temple de l'euro


Edição em inglês


» July: the longer view

» Fossil fuel disarmament

» Oil production and consumption around the world

» OPEC's share of production in a changing oil market

» Passport power

» Prato's migrant workforce

» No going back to business as usual

» Trade war in strategic minerals

» When oil got cheaper than water

» A tale of two countries


Edição portuguesa


» Edição de Julho de 2020

» Metáforas bélicas

» Alguém disse «sistémico»?

» Dois ou três lugares a preencher – a propósito de José Saramago

» A Jangada de Saramago

» Um homem chamado Saramago

» «O desastre actual é a total ausência de espírito crítico»

» Edição de Junho de 2020

» A fractura social

» Vender carros Audi na Birmânia


CONSERVADOR, MAS COM DIGNIDADE

Uma biografia à altura de De Gaulle

Imprimir
enviar por email

Ler Comentários
Compartilhe

Gilles Perrault - (12/03/2000)

Esqueça tudo! Esqueça as extensas leituras sobre De Gaulle — inúmeros artigos, ensaios muitas vezes excelentes, biografias conscienciosas, entre elas a excepcional, de Jean Lacouture — e entre, olhar intrépido, nesse monumento de 1400 páginas. Há cinco anos, Paul Marie de la Gorce mergulhava em um tema já muito batido, a Segunda Guerra Mundial, e renovava-o totalmente graças a uma abordagem inédita que explicava os fatos sob seu aspecto mais decisivo: o das escolhas estratégicas dos beligerantes. [1] A presente obra reitera tal esforço. De Gaulle, claro, mas De Gaulle dans le siècle, e são estas últimas palavras que fazem a diferença.

Escapamos à celebração convencional de um destino fora de série. O herói é submetido a um exame retrospectivo de um historiador minucioso. Assim acontece com o ato fundador da epopéia: a convocação à Resistência, de 18 de junho. "De Gaulle tinha razão?" interroga-se o autor, friamente sacrílego. Lembra então as hesitações, os dias precedentes no gabinete de guerra britânico com seus vários membros eminentes, como Lord Halifaz, chefe do Foreign Office, que tendiam a entrar em negociação com um Hitler bastante disposto a deixar para a Grã-Bretanha seu esplendor imperial para ter as mãos livres a Leste. Mas o ímpeto de Churchill varreu sua timidez. De Gaulle tinha portanto razão. Chefe da França Livre, ele evocou em Londres a máxima de Chamfort: "Os apaixonados venceram, os razoáveis permaneceram", acrescentando em seguida que seus companheiros e ele eram ao mesmo tempo razoáveis e apaixonados.

Homenagem à admirável paixão, a empreitada de Paul-Marie de La Gorce consiste em verificar, em cada etapa de vida de seu personagem, se suas atitudes entravam nas categorias do razoável, de acordo com o cenário mundial, europeu ou francês, e da relação de forças presentes. Foi preciso a intimidade do autor com a história da metade do século, enriquecida pela exploração exaustiva dos arquivos recentemente abertos, seu conhecimento aprofundado das cenas e dos bastidores, uma aptidão rara para mencionar as milhares de reviravoltas do fluxo dos acontecimentos sem nunca se perder em seus meandros. A isso se acrescentam suas entrevistas com De Gaulle, o primeiro presidente da Quinta República, cujo conteúdo ele revela pela primeira vez.

Visionário e pragmático

Dessa confrontação ressurge um De Gaulle ainda mais imponente. Animado até o último suspiro por sua estranha paixão pela França, ele foi também esse visionário lúcido, capaz de se projetar para além das realidades imediatas, mesmo as arrasadoras, para antecipar até o futuro longínquo. E foi também um pragmático hábil em tirar partido de um jogo freqüentemente sem trunfos. Houve algumas exceções. A mais notável foi em 1947, quando ele tentou voltar ao poder criando o Reagrupamento do Povo Francês (RPF). Convencido da iminência de uma terceira guerra mundial, caindo num anticomunismo e num anti-sovietismo pueril, esse homem dotado de um faro histórico raramente falho, parece desta vez ter perdido os parâmetros. Por outro lado La Gorce demonstra que, se ele não percebeu a chegada do maio de 68, compreendeu seu significado melhor do que muitos outros, inclusive do que a maior parte dos políticos de esquerda que viram nele nada mais do que um elevador em direção ao poder.

Desse livro profundo e esclarecedor citaremos a última frase, que conclui uma evocação emocionante da França Livre e da Resistência, porque é bela e corre o risco de vir a ser profética: "A História indubitavelmente recobrirá tudo. Ao final restará, talvez, alguma coisa além da História." Paul-Marie de La Gorce, De Gaulle dans le siècle, Ed. Perrin

Traduzido por Denise Lotito.



[1] Paul Marie de la Gorce, 39-45 — Une guerre inconnue, Flammarion, Paris, 1999.


Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos