Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Internet: liberdade é controle

» O capitalismo como imensa coleção de perguntas

» Assim os laboratórios torturam animais

» Bolsonaro, o anacronismo genial-idiota

» 10 mandamentos para as elites impenitentes

» As explosões que abalaram a Arábia Saudita

» O que são os “Laboratórios do Comum”

» Trump e Bolsonaro: em busca dos porquês

» Legalidade não faz jus a Brizola

» Como a Estônia concretizou o passe livre

Rede Social


Edição francesa


» Depuis 2010, la majorité de la population est urbaine

» Match démographique : Urugay-Paraguay

» Match démographique : Uruguay-Paraguay

» Chaos postsoviétique

» Richesse et population, un monde à double face

» Machines hostiles

» Refaire le monde à coups de bistouri

» Libye, l'appel du devoir

» La gauche française bute sur l'Europe

» Fédéralisme à l'allemande et évolutions politiques


Edição em inglês


» An end to Mediterranean standoffs?

» The logs of war

» Benjamin Netanyahu, best friend of the far right

» September: the longer view

» Afghan peace talks: Trump tweets, Taliban fights

» An inexhaustible myth in times of extreme adversity

» What happened to social solidarity?

» Sudan: conflict, violence and repression

» Russia's appointed billionaires

» Another end is possible


Edição portuguesa


» Edição de Setembro de 2019

» Portugal não pode parar?

» Quem elegeu Ursula von der Leyen?

» Edição de Agosto de 2019

» Plural e vinculado à esquerda

» Os talibãs de São Francisco

» Edição de Julho de 2019

» Inconsistências (ou o sono da razão?)

» Comércio livre ou ecologia!

» Edição de Junho de 2019


DE VOLTA AO SÉCULO 19

As duas globalizações

Imprimir
Enviar

Ler Comentários
Compartilhe

Como hoje, também na Inglaterra do século XIX a "liberdade" dos mercados foi assegurada pela intervenção estatal e pela concentração do poder nas mãos de uma grande potência

Noëlle Burgi, Philip S. Golub - (12/04/2000)

A analogia entre as duas globalizações, a atual e a britânica do final do século XIX, joga luz na relação entre Estados e mercado, atores públicos e privados. Nestes dois momentos-chave do desenvolvimento capitalista, vimos se afirmar a soberania e se consolidar a hegemonia dos dois Estados que foram seus principais protagonistas.

A instauração em 1834, pela Inglaterra, de um mercado concorrencial do trabalho e sua política de livre comércio respondiam às exigências econômicas da nova casta industrial e aos imperativos políticos de um Estado imperial em expansão. Tratava-se de reforçar e ampliar, face às outras nações européias, a imensa vantagem adquirida graças à revolução industrial. Mas como bem mostrou Karl Polanyi, a introdução de mercados livres na Grã-Bretanha não teve nada de natural. O laissez-faire foi imposto pelo Estado que, multiplicando as leis que aboliam regulamentos restritivos, conheceu entre 1830 e 1850 um crescimento enorme de suas funções administrativas. Prova disso foi a importância dos controles burocráticos tornados necessários pela gestão centralizada de novas leis sobre os pobres, e ainda a complexidade das inumeráveis leis que desmantelaram o sistema agrícola para favorecer o sucesso do capitalismo industrial. Isso não suprimiu a necessidade de regulação e de intervenção estatais. Pelo contrário, ampliou-as consideravelmente. "A via do livre comércio foi aberta, e mantida aberta, por um crescimento enorme do intervencionismo incessante, organizado e comandado a partir do centro. [1]

O centro do império financeiro

Este fortalecimento do intervencionismo estatal, paradoxalmente destinado a garantir o livre funcionamento do sistema econômico, foi acompanhado por uma forte concentração do poder. Ao longo do século, Londres tornou-se "o centro de um império financeiro mais internacional e mais extenso ainda que o próprio império político". Se as relações entre indústria, finança, comércio exterior e Estado eram mais discretas e informais na Inglaterra do que na França, elas não eram menos eficazes. O poder não era difuso e era difícil, se não impossível, distinguir entre poder político e poder econômico, entre os interesses dos grandes capitalistas e o interesse do Estado imperial. Como escreveu o historiador Herbert Feis, "o poder financeiro era unido ao poder político". O Banco da Inglaterra servia de interface entre as duas esferas, enquanto que a produção e a reprodução das elites engendrava entre elas um sistema fluido de comunicação e de interpenetração.

Formalmente autônomo em relação à esfera política, o capital adotava claramente uma lógica nacional em matéria de investimentos internacionais. Os fluxos se dirigiam geralmente para onde a espada do Império podia garantí-los. O Estado, por seu lado, aproveitava os benefícios políticos desta expansão invisível. O "curso dos investimentos externos britânicos estava incontestavelmente de acordo com os objetivos nacionais", definidos pelo Estado. Assim, o ministro das Relações Exteriores de Sua Majestade, Sir Edward Grey, podia afirmar aos representantes da Câmara dos Comuns, em 10 de julho de 1914: "É nosso dever sustentar na medida de nossos meios o autêntico capital inglês por toda a parte onde ele busca concessões e se desenvolve no mundo". O governo britânico, acrescentava, faria todo o possível para "convencer os governos estrangeiros envolvidos" do interesse destes negócios. E é ao som dos canhões da marinha de guerra inglesa que na China (1839-1842), na Venezuela (1895) e em outras partes do mundo foi executada esta obra de persuasão ao longo do século. Feis mostra bem que, quando havia um litígio entre o Estado britânico e as estratégias comerciais internacionais do setor privado, o segundo se curvava quase sempre à razão do primeiro. [2]

Riqueza e poder sustentavam a hegemonia britânica

Em resumo, riqueza e poder andavam de mãos dadas: o livre comércio e o livre movimento de capitais sustentavam a hegemonia política britânica. As modalidades de agir dos poderes político e econômico diferiam, mas havia uma relação funcional entre eles no sentido em que a força de um alimentava a potência do outro e vice-versa. É por isso que, mesmo que tenha havido menos Estado (um aparelho político-administrativo relativamente menos desenvolvido) na Inglaterra do que na França, devemos admitir, desde que não confundamos a forma com o conteúdo do poder político, que o Estado não era "fraco". [3]

Mutatis mutandis, uma dinâmica análoga está presente na globalização do final do século XX, impulsionada desta vez pelos Estados Unidos. Também neste país, o caráter fluido das fronteiras entre elites econômicas e políticas favorece a coordenação entre elas e um exercício flexível e informal do poder. Em sua própria busca de riqueza e poder, o Estado norte-americano não foi nem ultrapassado nem banalizado pelas forças do mercado livre mundial. Ao contrário, no sistema inter-estatal em vigor desde o fim da guerra fria, ele encontra um meio de afirmar sua soberania, de reforçar sua autonomia e de estabilizar sua hegemonia.

Leia mais sobre o tema, nesta mesma edição:: O mito enganoso do pós-nacional Por uma democracia global

Traduzido por Marco Aurélio Weissheimer.



[1] Karl Polanyi, La Grande Transformation, ed. Gallimard, Paris, 1983.

[2] Herbert Feis, Europe, the World’s Banker, ed. Augustus M. Kelley Publishers, Clifton, New Jersey, 1974.

[3] Noëlle Burgi, L’État britannique contre les syndicats, ed. Kimé, Peris, 1992.


Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Leia mais sobre

» Reino Unido
» Capitalismo e Uniformização
» Livre Comércio e Desigualdade
» Globalização

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos