Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Economia: o fantasma da crise externa

» Aos pobres, a xepa

» Por que o Brasil precisa de um Estado gastador

» A empregada de Guedes e a cozinheira de Lênin

» Esquerda e governo: ideias e lições históricas (2)

» Evo: Como reconstruir o Socialismo Comunitário

» Educação Pública: E se Bolsonaro destruir o Fundeb?

» Cinema: quando o vazio é combustível à vida

» Boaventura: o desenvelhecimento do mundo

» Coronavírus: por que a ameaça persiste

Rede Social


Edição francesa


» Apolitisme très politique des journaux municipaux

» La force molle de la social-démocratie

» L'enfance, une espèce en danger ?

» Progrès technologique et régression sociale

» La recolonisation du plus pauvre pays de l'hémisphère occidental

» Taïwan, ou l'indépendance dans le brouillard

» Sur les causes de la pauvreté des nations et des hommes dans le monde contemporain

» La criminalité en « col blanc », ou la continuation des affaires…

» Les manœuvres à l'intérieur du parti de M. McGovern diminuent les chances d'un candidat démocrate

» Un réseau élargi et solidaire


Edição em inglês


» US ideologues in the ascendant?

» US ideologues in the ascendant?

» Rojava, a fragmented territory

» Australia's angriest summer

» February: the longer view

» African national parks managed by African Parks

» Genetic medicine makes the world less fair

» From apartheid to philanthropy

» Who is the land for?

» Belarus, the industrious state


Edição portuguesa


» Edição de Fevereiro de 2020

» O que Donald Trump permite…

» As marcas do frio

» Edição de Janeiro de 2020

» Embaraços externos

» De Santiago a Paris, os povos na rua

» Que prioridades para uma governação mais à esquerda?

» Edição de Dezembro de 2019

» Uma fractura social exposta

» «Uma chacina»


DOIS PESOS, DUAS MEDIDAS

O quebra-cabeça das minorias

Imprimir
enviar por email

Ler Comentários
Compartilhe

Representados no Parlamento, os húngaros fazem parte da multiétnica sociedade eslovaca, bem como os ciganos. Ao contrário destes, porém, desenvolvem uma atividade cultural em clima de liberdade

Karel Bartak - (12/04/2000)

É uma novidade. Através do Partido da Coalizão Húngara (SMK), os 400 mil húngaros que vivem na Eslováquia estão representados no Parlamento. É uma experiência formidável", explica Bela Bugar, presidente do SMK e vice-presidente do Parlamento. "Os eslovacos estão compreendendo que podem contar conosco, que nós ficamos fora das discussões entre eles, e podemos, dessa forma, constituir um polo de estabilidade." Como prova de boa vontade, ele cita a lei sobre as línguas minoritárias, cuja adoção era uma exigência do Parlamento Europeu, sediado em Bruxelas: os deputados húngaros a aprovaram, apesar das reservas manifestadas por sua comunidade com relação ao conteúdo.

O discurso anti-húngaro, no entanto, não desapareceu por encanto, especialmente nas regiões centrais do país, exclusivamente eslovacas. "Os húngaros nunca se contentarão com o seu estatuto, ainda que este seja mais confortável que os estatutos que regem as minorias na Europa Ocidental", adverte Anna Malikova, presidente do Partido Nacional Eslovaco (nacionalista, com 8% de intenções de voto). "Eles vão continuar lutando pela igualdade entre a língua deles e o eslovaco, o que é inadmissível." Apesar de uma certa agitação, a atividade cultural dos húngaros continua transcorrendo num clima de liberdade. Já o projeto de criação de uma universidade específica, continua sendo um tabu — há o risco de que, numa futura União Européia ampliada, os eslovacos de origem húngara se voltem contra a "mãe-pátria".

"Aversão pela integração"

A questão cigana também é quente. O forte surto de emigração de ciganos romani da Eslováquia levou vários países da União Européia a reintroduzir os vistos de entrada. Resultado: surgem novas filas em frente à embaixada britânica de Bratislava. Numa tentativa de contornar o problema, as autoridades multiplicam programas que visam a integrar os ciganos, confiando-lhes cargos de responsabilidade. Em vão: "Já não sabemos o que fazer. O estilo de vida deles é tão diferente do nosso, a aversão que eles têm por qualquer tipo de integração é tamanha que a barreira que os separa do restante da população permanece intacta", explica o ministro da Justiça, Jan Carnogursky. Com exceção da extrema-direita, o assunto toca a todos os partidos políticos. Os ciganos são os grandes perdedores da mudança de regime. Assistidos até ontem pelo comunismo, hoje são marginalizados pelo capitalismo. "Sem querer subestimar as dimensões sociais, demográficas e culturais, que são muito preocupantes, o principal continua sendo a educação: é ela que irá resolver o problema a longo prazo, em duas ou três gerações", avalia o vice-primeiro-ministro, Pavol Hamzik.

LEIA MAIS: Sobre a República Checa e a Eslováquia, nesta edição: A espantosa ascensão do PC Checo A imagem sombria da Eslováquia

Traduzido por Jô Amado.




Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Leia mais sobre

» Hungria
» Desigualdades Raciais
» Direito à Diversidade Cultural e à Transculturalidade
» Desigualdade e Fraturas Sociais

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos