Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» A desigualdade brasileira posta à mesa

» Fagulhas de esperança na longa noite bolsonarista

» 1 de setembro de 2020

» O fim do mundo e o indiscreto racismo das elites

» O milagre da multiplicação de bilhões — para os bancos

» Movimento sindical em tempos de tormenta

» 31 de agosto de 2020

» A crucificação de Julian Assange

» Nuestra America: os cinco séculos de solidão

» Ir além do velho mundo: lições da pandemia

Rede Social


Edição francesa


» Au Rwanda, la tradition instrumentalisée

» Les municipalités laissent mourir les centres de santé

» Samsung ou l'empire de la peur

» Main basse sur l'eau des villes

» Percées et reflux en Europe

» Délire partisan dans les médias américains

» L'Amérique latine a choisi l'escalade révolutionnaire localisée

» Le national-conservatisme s'ancre dans la société hongroise

» Au Venezuela, la tentation du coup de force

» « Tout ce qu'ils nous proposent, c'est de devenir flics ! »


Edição em inglês


» Nagorno-Karabakh conflict: its meaning to Armenians

» How will the US counter China?

» October: the longer view

» America, year 2020

» The ministry of American colonies

» America, the panic room

» Independent only in name

» An election result that won't be accepted

» Into the woods, it's nearly midnight

» Canada's cancel culture


Edição portuguesa


» Um resultado que ninguém aceitará

» Edição de Outubro de 2020

» Distâncias à mesa do Orçamento

» Falsas independências

» Trabalho na cultura: estatuto intermitente, precariedade permanente?

» RIVERA

» Edição de Setembro de 2020

» Cuidar dos mais velhos: por uma rede pública e universal

» Restauração em Washington?

» Cabo Delgado: névoa de guerra, tambores de internacionalização


CHEGA DE AUTO-SUFICIÊNCIA

A França vista de dentro e de fora

Imprimir
enviar por email

Ler Comentários
Compartilhe

Um ex-correspondente do Financial Times na e dois altos funcionários do governo francês lançam livros onde analisam a França e suas indiossincrasias

Sylvie Braibant - (12/04/2000)

Por toda parte tem-se um pouco a impressão de que alguns autores querem mal à França. Dois ensaios retomam as lendárias particularidades francesas que foram a causa de sua grandeza e decadência. O primeiro foi escrito por Andrew Jack, jornalista britânico do Financial Times, depois de ter passado quatro anos como correspondente em Paris. O outro é assinado por Joseph K., em referência a O Processo, de Kafka. O pseudônimo oculta dois altos funcionários do governo que querem preservar seu anonimato em nome do dever de discrição. As duas obras revelam um objetivo similar: localizar os defeitos franceses, examiná-los, analisá-los e resolvê-los, para destruir os anacronismos e pôr um fim ao declínio do país na cena internacional, e mesmo dentro de suas próprias fronteiras.

Centralismo e auto-suficiência

Andrew Jack, com um certo humor e bastante indulgência — provavelmente pelo distanciamento de ser britânico — e os Joseph K., polêmica e severamente — talvez devido à proximidade —, descrevem exemplos cabais das particularidades francesas mais excepcionais. Começando pelo centralismo irredutível, herança de vários séculos de história, e reproduzido nas elites via Escola Nacional de Administração, Escola Politécnica ou ainda Escola de Minas. O jornalista britânico refaz assim o percurso cheio de obstáculos daquilo que é um dos orgulhos franceses: o TGV (Trem de Grande Velocidade), obra emblemática do predomínio parisiense sobre o país. Fala também do atraso impressionante no desenvolvimento da Internet por causa dos engenheiros apegados ao "seu Minitel" [1] Enquanto isso, o outro livro aponta os fiascos do Concorde e da Superphénix.

Decisões apressadas e irrefletidas, tomadas por diplomatas paranóicos e obcecados pelo medo da perda de influência, também salpicam a política externa da França, em particular no que se refere às sua antigas colônias. Essas atitudes podem ter conseqüências dramáticas, como em Ruanda, ou ridículas, como o "empréstimo para construção de uma pista de patinação no gelo em um país do golfo da Guiné". Essa sucessão de pequenos fatos não muito brilhantes seria divertida, porém pouco construtiva sem uma perspectiva histórica, bastante presente particularmente no livro dos funcionários do governo.

A história se resume, assim, na incapacidade dos franceses — cidadãos, funcionários, jornalistas, etc — de enfrentar aqueles que detêm a autoridade, sobretudo o Príncipe —Chefe de Estado: "A França ficou profundamente marcada pela decapitação de seu rei", [2] assinalam os funcionários. A causa é um complexo levado ao extremo na era de Mitterand, observa o outro autor.

Democracia e humanismo

A originalidade desses dois pontos de vista é que, apesar de comparações muitas vezes sensatas, não colocam os comportamentos alemão ou anglo-saxão como exemplos a serem seguidos. É justamente para melhor combater a hegemonia americana que constróem suas constatações mais ou menos pessimistas. Então, o que fazer? Há urgência em reformar a administração, a justiça ou o equilíbrio dos poderes, em revolucionar as mentalidades, proclamam os autores franceses, se Paris quiser conservar sua imagem de modelo democrático ou humanista, colocando um ponto final em sua decadência. Apesar, mas ao mesmo tempo graças a suas particularidades, a França continua sendo uma grande potência, afirma o correspondente do Financial Times — e seriam necessáriás poucas iniciativas para superar seus arcaísmos. Andrew Jack, Sur la France-vive la différence, Odile Jacob, Paris, 1999. Joseph K. Desclée de Brouwer, Stratégie du déclin — Essai sur l’arrogance française, Paris, 2000.

Traduzido por Denise Lotito.



[1] Rede de comunicação que uniu, muito antes da Internet, a linha telefônica ao computador - e pode ser usada para obter informações práticas, fazer reservas de passagens e entradas de teatro, conversar, etc. Porém, para os padrões atuais, é lenta, limitada e e graficamente muito pobre. (Nota da Tradução)

[2] Alusão à execução na guilhotina do rei Luís XVI, em 1793, pelos revolucionários franceses. (Nota da Tradução)


Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Leia mais sobre

» França
» História
» Desigualdade e Fraturas Sociais

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos