Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» 26 de novembro de 2021

» Mundo em desencanto: a alternativa do Comum

» Da tabelinha futebol e literatura sai gol de letra

» A potente imaginação política do Teatro Legislativo

» O tempo de tecer comunidade

» Somos todos cavalos

» 25 de novembro de 2021

» O colonialismo digital e o convite à impotência

» A volta às aulas e a suposta “geração perdida”

» Cinema: Satyajit Ray, poeta da clareza e discrição

Rede Social


Edição francesa


» Revendications et occupations en mer de Chine méridionale

» Le Vietnam

» De la décolonisation à la troisième guerre du Vietnam

» Diaspora vietnamienne

» Vietnam, comparaisons régionales

» La libération inachevée des Afro-Américains

» L'apparition d'un nouveau type d'homme

» Une flammèche obstinée a embrasé la Guadeloupe

» Élection présidentielle américaine : des frontières, pour qui, pour quoi ?

» Bouchers roumains pour abattoirs bretons


Edição em inglês


» China is open for investment

» Colonial accountability in Niger

» In search of luxurious communism

» November: the longer view

» The carbon balance

» CO2 emissions around the world

» What's in a phone?

» If only Assange had been Navalny

» India's silent but deadly killer

» The Gulf shuts out its migrant workforce


Edição portuguesa


» Edição de Novembro de 2021

» O tecto de vidro europeu

» E a Grécia volta a ser exemplar

» Edição de Outubro de 2021

» Um império que não desarma

» Convergir para fazer que escolhas?

» O mundo em mutação e o Estado - em crise?

» Edição de Setembro de 2021

» Transformação e resiliência

» O caminho de Cabul


GOVERNO JOSPIN

Balanço da esquerda no poder

Imprimir
enviar por email

Ler Comentários
Compartilhe

Obra revela compromissos que o primeiro-ministro rompeu, mas procura defendê-lo apresentando atenuantes que não convencem

Serge Halimi - (12/04/2000)

Em março de 1997, uma pesquisa um pouco mais significativa do que as outras, indicava que os franceses que expressam "revolta" em relação ao capitalismo eram 31 vezes mais numerosos do que aqueles que experimentam qualquer coisa que possa assemelhar-se ao "entusiasmo". Dois meses depois, a "esquerda plural" ganhava as eleições legislativas. A relação entre esses dois fatos iria revelar-se aleatória. Eleito depois de ter se engajado na luta contra o "capitalismo duro", o atual primeiro ministro francês e sua equipe colocaram em prática um "novo capitalismo".

Os autores de A Esquerda imaginária recusam-se a "abrir mais uma vez o eterno processo do sonho frustrado e fazer de Lionel Jospin seu principal acusado". No entanto, o que redigiram foi a ata de acusação da política econômica dos dois últimos anos, onde o esclarecedor e exaustivo confronto entre os compromissos da esquerda de 1995 a 1997 e seus atos no poder [1] mistura-se com a exposição, menos convincente, de algumas circunstâncias atenuantes.

Entre essas últimas figuraria principalmente a substituição, na França, de um "capitalismo germânico" neo-colbertiano pelo modelo anglo-americano de "criação de valor" para o acionista. Lionel Jospin teria chegado ao governo despojado do poder econômico e financeiro, em um país que se tornou "uma banal democracia de mercado onde tudo se compra e vende, basta que se coloque um preço". A hora da verdade está próxima. Por medo das "terríveis represálias" dos investidores estrangeiros (os fundos de pensão americanos), a quem o governo francês teria que cortejar desde a privatização parcial da France Télécom, os socialistas teriam sido obrigados a fechar a fábrica da Renault em Vilvorde.

O problema desse tipo de análise, feita sobre uma atualidade muito recente, é que a esquerda já dedicou parte considerável de sua história a desculpar-se por essas mudanças de rumo, insistindo no peso das limitações que teve que enfrentar no poder. Os dois autores, ao invés de exagerar o caráter supostamente inédito da situação de 1997, poderiam ter destacado a seguinte recorrência histórica: o problema foi sobretudo o "muro de dinheiro" em 1924 e 1936; a falta de ajuda americana, em 1944; e o peso do comércio exterior no produto nacional bruto, em 1981.

Que as pressões conservadoras "estejam de agora em diante acima da democracia, ligadas ao mercado, nas taxas de juros e de câmbio e na capacidade de empréstimos, tudo isso que antigamente permitia que um governo dispusesse de margens de manobra para a agir", nos parece algo quase banal, e o atual capitalismo parece infinitamente menos novo do que se diz. Se algo está claro, é que a lógica do sistema é muito mais forte do que a vontade de transformá-la sem combatê-la.

Gérard Desportes e Laurent Mauduit, La gauche imaginaire et le nouveau capitalisme, Grasset, 1999, 301 páginas.

Traduzido por Denise Lotito.



[1] Vários capítulos do livro de Yann Forestier, La gauche a-t-elle gagné trop tôt? (L’Harmattan, Paris, 1998, 397 p.) fazem o mesmo trabalho.


Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos