Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Dinheiro: o novo sonho de controle do Facebook

» Mulheres na política: uma nova onda a caminho

» Sertanejo, brasilidade e Nelson Pereira Santos

» A crise do Brexit e o capitalismo impotente

» Pilger: é hora de salvar o jornalismo

» Missão: extinguir o BNDES

» Etiópia: a eterna marcha da humanidade

» O direito ao sagrado dos povos do terreiro

» Como derrotar a “direita Trump-Bolsonaro”

» As pedras da contracultura (ainda) rolam

Rede Social


Edição francesa


» Quand la gauche renonçait au nom de l'Europe

» Un « New Deal » pour l'école

» La Chine bouscule l'ordre mondial

» L'affirmation homosexuelle

» Faut-il larguer la république ?

» Comment les apprentis sorciers ont aggravé le chaos au Proche-Orient

» Quarante ans de conflits et d'échecs nourris par les interventions occidentales

» Décentraliser l'éducation pour mieux la privatiser

» L'avenir du temps

» Ces Espagnols qui ont libéré Paris


Edição em inglês


» How US climate deniers are working with far-right racists to hijack Brexit for Big Oil

» Confessions of a map-maker

» The Spaniards who liberated Paris

» Fighting for communication control

» June: the longer view

» Niger, a migration crossroads

» Niger, a migration crossroads

» Whatever happened to Bob Woodward?

» Europe in space

» The Corbyn controversy


Edição portuguesa


» Edição de Junho de 2019

» As pertenças colectivas e as suas conquistas

» A arte da provocação

» 20 Anos | 20% desconto

» EUROPA: As CaUsas das Esquerdas

» Edição de Maio de 2019

» Os professores no muro europeu

» Chernobil mediático

» Edição de Abril de 2019

» A nossa informação, as vossas escolhas


EDITORIAL

Um mundo norte-americano

Imprimir
Enviar

Ler Comentários
Compartilhe

Ignacio Ramonet - (12/05/2000)

E como poderiam eles deixar de fascinar? Para seduzir corações e mentes, os Estados Unidos da América do Norte dispõem de formidáveis e cobiçáveis trunfos. De saída, eles se apresentam no plano político com o simpático rosto de uma velha democracia acolhedora, herdeira de uma revolução de dimensões universais e de uma rica cultura. Seu mais célebre símbolo — a Liberdade iluminando o mundo — continua representando, para milhões de oprimidos do planeta, uma significativa mensagem de esperança e a promessa de uma vida melhor. Vitoriosos na guerra fria, os Estados Unidos ainda conquistaram a guerra do Golfo e ganharam a do Kosovo. Em nome de princípios humanitários. E sempre contra regimes autoritários e ditaduras malvadas. No topo de sua glória militar — e agora também a única superpotência — dominam tranquilamente o mundo como jamais outro país o fez.

Além do mais, a duração sem precedentes do seu atual ciclo de crescimento parece confirmar que, decididamente, Deus é norte-americano. Não foram eles que inventaram a Internet? Não foram eles que criaram a nova economia? E não são eles que conduzem a globalização?

O seu modelo é adaptado e adotado por toda a parte. Seus métodos de gerenciamento, seus dispositivos jurídicos, suas técnicas comerciais, seus conselhos na área de comunicação e, é claro, suas paixões, suas stars e seus mitos. Em todos os setores da sociedade, empresas norte-americanas — da Microsoft à Yahoo, de Walt Disney à Monsanto — repercutem seus êxitos fascinantes. E, graças a habilidosas iniciativas publicitárias, também reconquistam o mundo.

Embora não seja do agrado dos filoamericanos carolas, não há nada de anormal em que aqui e ali — e, em primeiro lugar nos próprios Estados Unidos (como se viu em Seattle, no mês de dezembro de 1999, e agora recentemente em Washington) — cidadãos questionem o sentido desta reconquista. O sentido da nova fisionomia do império norte-americano. A sua força ideológica. E suas estratégias de persuasão.

Leia mais sobre o tema, nesta mesma edição:

Dominar corações e mentes A nova bíblia de Tio Sam A resistível ascensão de Ronald McDonald O imperialismo da virtude Fascinantes business schools A palavra supérflua Filo-americanos à beira de um ataque de nervos A língua "dolarizada"

Traduzido por Jô Amado




Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos