Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Reino Unido: razões de um fracasso provisório

» Óleo nas praias: a tragédia tem a marca Bolsonaro

» O cimento familiar que faz A vida invisível

» Manifesto Feminista por uma Renda Cidadã

» Cinco livros para entender a polícia brasileira

» Fernando Meirelles vê Dois Papas e igreja em crise

» Em busca da funda de Davi

» Outras Palavras prepara nova travessia

» Argentina: o que esperar de Fernández e Cristina

» 2019, o ano do Pibinho do Guedes

Rede Social


Edição francesa


» Paradoxale modernisation de la Chine

» La grande mystification des fonds de pension

» Cinq leviers pour l'emploi…

» L'instinct de résistance des Réunionnais

» Comment la pensée devint unique

» Résister à l'insécurité sociale

» La pêche, une guerre mondiale ignorée

» L'homme et les robots

» Le crépuscule de la raison

» Mystiques violentes et stratégie non violente


Edição em inglês


» Scotland decides

» UK's austerity election

» December: the longer view

» ‘No one was listening'

» Shattering the conspiracy of silence

» This must be called murder

» Bolivia's coup

» Algeria's massive movement for change

» Islamists make common cause with the Hirak

» Grenfell's untold story


Edição portuguesa


» Que prioridades para uma governação mais à esquerda?

» Edição de Dezembro de 2019

» Uma fractura social exposta

» «Uma chacina»

» Assinatura de 6 meses: só 18 €

» Golpe de Estado contra Evo Morales

» Será que a esquerda boliviana produziu os seus coveiros?

» A era dos golpes de Estado discretos

» Pequeno manual de desestabilização na Bolívia

» No Brasil, os segredos de um golpe de Estado judiciário


EDITORIAL

Um mundo norte-americano

Imprimir
enviar por email

Ler Comentários
Compartilhe

Ignacio Ramonet - (12/05/2000)

E como poderiam eles deixar de fascinar? Para seduzir corações e mentes, os Estados Unidos da América do Norte dispõem de formidáveis e cobiçáveis trunfos. De saída, eles se apresentam no plano político com o simpático rosto de uma velha democracia acolhedora, herdeira de uma revolução de dimensões universais e de uma rica cultura. Seu mais célebre símbolo — a Liberdade iluminando o mundo — continua representando, para milhões de oprimidos do planeta, uma significativa mensagem de esperança e a promessa de uma vida melhor. Vitoriosos na guerra fria, os Estados Unidos ainda conquistaram a guerra do Golfo e ganharam a do Kosovo. Em nome de princípios humanitários. E sempre contra regimes autoritários e ditaduras malvadas. No topo de sua glória militar — e agora também a única superpotência — dominam tranquilamente o mundo como jamais outro país o fez.

Além do mais, a duração sem precedentes do seu atual ciclo de crescimento parece confirmar que, decididamente, Deus é norte-americano. Não foram eles que inventaram a Internet? Não foram eles que criaram a nova economia? E não são eles que conduzem a globalização?

O seu modelo é adaptado e adotado por toda a parte. Seus métodos de gerenciamento, seus dispositivos jurídicos, suas técnicas comerciais, seus conselhos na área de comunicação e, é claro, suas paixões, suas stars e seus mitos. Em todos os setores da sociedade, empresas norte-americanas — da Microsoft à Yahoo, de Walt Disney à Monsanto — repercutem seus êxitos fascinantes. E, graças a habilidosas iniciativas publicitárias, também reconquistam o mundo.

Embora não seja do agrado dos filoamericanos carolas, não há nada de anormal em que aqui e ali — e, em primeiro lugar nos próprios Estados Unidos (como se viu em Seattle, no mês de dezembro de 1999, e agora recentemente em Washington) — cidadãos questionem o sentido desta reconquista. O sentido da nova fisionomia do império norte-americano. A sua força ideológica. E suas estratégias de persuasão.

Leia mais sobre o tema, nesta mesma edição:

Dominar corações e mentes A nova bíblia de Tio Sam A resistível ascensão de Ronald McDonald O imperialismo da virtude Fascinantes business schools A palavra supérflua Filo-americanos à beira de um ataque de nervos A língua "dolarizada"

Traduzido por Jô Amado




Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos