Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» A China tem uma alternativa ao neoliberalismo

» Marielle, Moa, Marley, Mineirinho

» As trapaças do gozo individual

» Vermelho Sol, fotossíntese da violência

» Assim arma-se a próxima crise financeira

» Quantos anos o automóvel rouba de sua vida?

» Guerra comercial: por que Trump vai perder

» Mulheres indígenas, raiz e tronco da luta pelo território

» Por que a educação voltou às ruas?

» O ditador, sua “obra” e o senhor Guedes

Rede Social


Edição francesa


» Ovnis et théorie du complot

» Boulevard de la xénophobie

» Une machine à fabriquer des histoires

» Un ethnologue sur les traces du mur de Berlin

» Le stade de l'écran

» Un ethnologue à Euro Disneyland

» Lénine a emprunté ses règles d'action à des écrivains radicaux du siècle dernier

» Le rêve brisé de Salvador Allende

» Un ethnologue à Center Parcs

» La dilapidation mortelle des ressources


Edição em inglês


» Manufacturing public debate

» August: the longer view

» Trump returns to the old isolationism

» Yellow vests don't do politics

» Kurdish territories in northern Syria

» The changing shape of the Balkans: 1991 / 2019

» Minorities in Kosovo

» Borders 1500-2008

» Man with a mission or deranged drifter

» The Louise revolution


Edição portuguesa


» Edição de Agosto de 2019

» Plural e vinculado à esquerda

» Os talibãs de São Francisco

» Edição de Julho de 2019

» Inconsistências (ou o sono da razão?)

» Comércio livre ou ecologia!

» Edição de Junho de 2019

» As pertenças colectivas e as suas conquistas

» A arte da provocação

» 20 Anos | 20% desconto


UM MUNDO NORTE-AMERICANO

Filo-americanos à beira de um ataque de nervos

Imprimir
Enviar

Ler Comentários
Compartilhe

Este artigo expõe ironicamente os pontos de vista de alguns intelectuais, defensores francamente entusiásticos dos Estados Unidos, a ponto de comparar a crítica francesa à hegemonia norte-americana como uma vitória do comunismo

Serge Halimi - (12/05/2000)

Para inúmeros ensaístas e editorialistas franceses, a crítica aos Estados Unidos não mais importa ao debate político e estratégico. Na verdade, isto seria uma deformação mental. Ela poderia até, tanto quanto um cruento atentado ao McDonald’s, assemelhar-se a uma incitação ao crime. [1]

Mais serenamente, o jornalista-sociólogo Michel Wieviorka diagnosticou que o "antiamericanismo" sofre de "doença senil". Já o atual ministro da Defesa, Alain Richard, limitou-se a evocar um "sentimento patológico: nós não toleramos que um país que defende os mesmos valores universalistas que defendemos, seja cinco vezes maior do que nós". O historiador François Furet já havia diagnosticado um "espírito invejoso do pobre em relação ao rico".

"Socialismo dos imbecis"

Às vezes, a avaliação é menos psicopatológica. Mas os que criticam a política norte-americana não ganham nada em troca. Stalinistas ou fascistas, são em geral percebidos como ambos, uma vez que o senso comum da bíblia dominante decretou a identidade dos dois. Advogado do império norte-americano - e tão dedicado que chegou a fazer uma petição (em vão) ao Congresso dos Estados Unidos para que este concedesse a Ronald Reagan os meios de sustentar até o fim a guerra dos "contras" na Nicarágua [2] -, Bernard-Henri Lévy considera que o "antiamericanismo constitui um dos elementos comuns de uma certa esquerda e de uma certa extrema-direita". E imputa naturalmente a esse "traço comum", a esse "socialismo dos imbecis", a luta contra a globalização neoliberal em geral. E especificamente contra as ações de José Bové. [3]

Porém, mesmo com essa devoção, "BHL" não chega a se igualar a seu amigo Pascal Bruckner, para quem a denúncia do "antiamericanismo" parece ter-se tornado profissão em tempo integral. Três vezes em um ano, dedicou ao tema inflamados discursos que não deixam de lembrar as horas de glórias da propaganda stalinista. Nessa mesma época, os Estados Unidos tinham "a ira". É sobre a "ira antiamericana" que se debruça Bruckner. E o faz com um louvável senso de medida: "Para os frustrados da guerra fria, o pior crime de Milosevic jamais se igualaria ao crime fundamental dos norte-americanos: o de simplesmente existirem. (…) Os Estados Unidos não são culpados pelo que fazem, mas fundamentalmente pelo que são. Eles acumulam dois graves defeitos: o capitalismo e a supremacia." [4]

"Culpados não pelo que fazem, mas pelo que são"

Esta passagem, prontamente republicada pelo New York Times, já sugeria ("culpados não pelo que fazem, mas pelo que são") o que viria pela frente. O que não demorou: "O antiamericanismo, como o anti-semitismo, é mais difícil de combater porque envolve paixão, ou seja o irracional." [5]E, na verdade, seria o caso de "acessos comparáveis aos acessos delirantes que se podem observar num doente mental." [6]E quem não sabe que o delírio anti-semita de um débil mental pode ter graves conseqüências?

Jornalista e membro da Academia Francesa, Jean-François Revel lembrou algumas. Depois de nos ter revelado que "se você retira o antiamericanismo à direita e à esquerda, não resta nada ao pensamento político francês", ele nos informa que a crítica aos Estados Unidos e à globalização capitalista desembocaria, quase que necessariamente, "numa versão pós-marxista da auto-suficiência econômica e cultural desejada por Adolf Hitler". Depois, para deixar ainda mais claro o paralelo sugerido, acrescenta: "O negacionismo dos êxitos do liberalismo constitui a contrapartida e a condição do negacionismo dos erros e crimes comunistas." [7]

"A última das repúblicas soviéticas"

Ficaria feio se esquecêssemos, ainda que num registro mais leve, as fantasias de Guy Sorman. Em 27 de março de 2000, o velho ensaísta simpatizante de Ronald Reagan, explicou aos leitores do Wall Street Journal que a França não era, como se pensava, uma democracia liberal, mas "a última das repúblicas soviéticas". E argumentava: "No fim de contas, a vitória foi dos sovietes. Em 1917, os conselhos populares serviram apenas de fachada para o golpe de Estado bolchevique. Quase um século depois, a utopia soviética realizou-se. Não na Rússia, mas na França." [8]

Segundo Sorman, as mobilizações sindicais contra as reformas de Claude Allègre e Christian Sautter teriam na verdade vencido onde Lenin perdeu. No dia seguinte ao da publicação deste editorial que se imaginava ser tendencioso, um editorial do Wall Street Journal, sem querer ser humorístico, saudava a opinião do "intelectual francês Guy Sorman." Ao se informar desta maneira os dirigentes de empresas que vivem nos Estados Unidos, dissuadindo-os de fazer excelentes negócios na França, não se estaria, no fundo, sendo bastante antiamericano?

Leia mais sobre o tema, nesta mesma edição:

· Um mundo norte-americano · Dominar corações e mentes · A nova bíblia de Tio Sam · A resistível ascensão de Ronald McDonald · O imperialismo da virtude · Fascinantes business schools · A palavra supérflua · A língua "dolarizada"

Traduzido por Gustavo Adolfo Maia Junior.



[1] Cf. Dominique Bromberger, "Regards sur le monde", France-Inter, 21 de abril de 2000.

[2] Ler Le Monde, de 21 de março de 1985.

[3] Cf. Bernard-Henri Lévy, "Gare à l’antiaméricanisme", Le Point, 10 de setembro de 1999.

[4] Ler, de Pascal Bruckner, "La France, victime universelle", Le Monde, 2 de abril de 1998.

[5] Ler, de Pascal Bruckner, "L’Amérique diabolisée", Politique étrangère nº 84, verão de 1999.

[6] Ler, de Pascal Bruckner, "Pourquoi cette rage antiaméricaine?", Le Monde, 7 de abril de 1999.

[7] Ler, de Jean-François Revel, La Grande Parade, ed. Plon, Paris, 2000, pp. 308, 310 e 323.

[8] The Wall Street Journal, 27 de março de 2000.


Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos