Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Bolívia: e os indígenas resistem ao golpe…

» Para pensar a Amazônia após o pesadelo

» EUA: Os campos de detenção da Era Trump

» Parasita: o cheiro ao redor

» Chile conquista Constituinte – mas qual?

» O peculiar totalitarismo do século XXI

» Quem poderá salvar Veneza?

» Bolívia: não despreze a resistência

» O adereço de Guedes e o sentido do governo

» O Chile Rebelde quer ir além

Rede Social


Edição francesa


» Wikipédia ou la fin de l'expertise ?

» En Espagne, bataille pour la mémoire républicaine

» Séisme sur les retraites en Argentine et au Chili

» Ce nouveau parti qui bouscule le paysage politique allemand

» La figure imposée du dernier poilu

» Les dossiers enterrés de Tchernobyl

» Une femme à la barre de l'Argentine

» La Chine au miroir de l'Occident

» « Choc des civilisations », à l'origine d'un concept

» Les Allemands de l'Est saisis par l'Ostalgie


Edição em inglês


» The fall of liberal triumphalism

» Sarah Seo on Americans, their cars and the law

» November: the longer view

» Ibrahim Warde on the rise and fall of Abraaj

» Fighting ISIS: why soft power still matters

» Life as a company troll

» The imperial magazine

» Setting Socrates against Confucius

» Price of freedom on the road

» Global business of bytes


Edição portuguesa


» Golpe de Estado contra Evo Morales

» Será que a esquerda boliviana produziu os seus coveiros?

» A era dos golpes de Estado discretos

» Pequeno manual de desestabilização na Bolívia

» No Brasil, os segredos de um golpe de Estado judiciário

» Edição de Novembro de 2019

» Sempre uma coisa defronte da outra

» OTAN: até quando?

» Alojamento local-global: especulação imobiliária e desalojamento

» Rumo a uma governança participativa da vida nocturna de Lisboa


"NOVA ECONOMIA"/ABERTURA

O susto

Imprimir
enviar por email

Ler Comentários
Compartilhe

(12/05/2000)

Nas primeiras horas do dia 4 de abril de 2000, o índice Nasdaq — de ações de empresas de alta tecnologia — despencou brutalmente: às 13h30, perdia 13,6% de seu valor, ou seja, 700 bilhões de dólares viravam fumaça... virtual.

Dessa primeira débâcle da "nova economia" — ainda que ocorresse uma recuperação ao final do dia — já havia sido dado, na véspera, um sinal de alerta pelo juiz federal Thomas Penfield Jackson, que condenou a Microsoft por violação da lei anti-truste.

Embora algumas semanas mais tarde o espectro de um crack generalizado pareça ter sido afastado, a cotação das ações das empresas "pontocom" continua instável. E a "severa" intervenção ocorrida proporcionou alguns cabelos brancos a mais nos investidores embriagados pela high tech. Depois de ultrapassar os 5.000 pontos em março, o índice Nasdaq voltou a um patamar de 3.700, cerca de 9% abaixo dos primeiros meses do ano. A valorização continua, no entanto, copiosa: +70% com relação ao início de 1999 e +150% com relação a 1998...

Isto porque, além dos fenômenos especulativos, a "nova economia" abrange uma verdadeira transformação da atividade produtiva, muito embora o seu desenvolvimento levante algumas interrogações inquietantes: sobre a fragilidade das empresas do setor, sobre a rentabilidade de suas atividades, mas também sobre as condições de trabalho de seus assalariados...

Leia mais sobre o tema, nesta mesma edição:

Rumo a um novo crack? O romance do fim do mundo Os escravos do telemarketing Por uma economia plural




Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos