Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


Rede Social


Edição francesa


» En Ukraine, beaucoup de médecins, mais des soins à la traîne de l'Europe

» L'Ukraine livrée aux maladies infectieuses

» Raoul Ruiz ou le refus des normes

» Ces soldats américains envoyés combattre les bolcheviks

» Dictature numérique

» Au travail, les enfants

» En Afrique, la démocratie entravée

» Le grand partage du globe

» La France et son espace maritime de souveraineté économique

» Villes et comptoirs hanséatiques


Edição em inglês


» The sea: hidden threats

» Dispatches from colonial North Africa

» The many shades of Latin American racism

» Window on the Russian soul

» The Arab world says #MeToo

» Lebanese central bank falls from grace

» Chips with everything

» Which way for Germany's CDU after Angela Merkel?

» Welcome to western China!

» France's watered-down climate bill


Edição portuguesa


» O direito à alimentação no mundo continua por cumprir

» Filho da Preguiça

» Boca de Cena

» Pandemónio Pandomínio

» Em Cuba, rumo ao fim do mais longo embargo da história

» Edição de Julho de 2021

» «Ajude um caloiro»: requiem por um direito

» Acalmia em França?

» Edição de Junho de 2021

» O jornalismo no novo negócio dos "media"


"NOVA ECONOMIA"/ABERTURA

O susto

Imprimir
enviar por email

Ler Comentários
Compartilhe

(12/05/2000)

Nas primeiras horas do dia 4 de abril de 2000, o índice Nasdaq — de ações de empresas de alta tecnologia — despencou brutalmente: às 13h30, perdia 13,6% de seu valor, ou seja, 700 bilhões de dólares viravam fumaça... virtual.

Dessa primeira débâcle da "nova economia" — ainda que ocorresse uma recuperação ao final do dia — já havia sido dado, na véspera, um sinal de alerta pelo juiz federal Thomas Penfield Jackson, que condenou a Microsoft por violação da lei anti-truste.

Embora algumas semanas mais tarde o espectro de um crack generalizado pareça ter sido afastado, a cotação das ações das empresas "pontocom" continua instável. E a "severa" intervenção ocorrida proporcionou alguns cabelos brancos a mais nos investidores embriagados pela high tech. Depois de ultrapassar os 5.000 pontos em março, o índice Nasdaq voltou a um patamar de 3.700, cerca de 9% abaixo dos primeiros meses do ano. A valorização continua, no entanto, copiosa: +70% com relação ao início de 1999 e +150% com relação a 1998...

Isto porque, além dos fenômenos especulativos, a "nova economia" abrange uma verdadeira transformação da atividade produtiva, muito embora o seu desenvolvimento levante algumas interrogações inquietantes: sobre a fragilidade das empresas do setor, sobre a rentabilidade de suas atividades, mas também sobre as condições de trabalho de seus assalariados...

Leia mais sobre o tema, nesta mesma edição:

Rumo a um novo crack? O romance do fim do mundo Os escravos do telemarketing Por uma economia plural




Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos