Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» A Tecnologia da Adaptação — e como vencê-la

» O Irã e os idiotas úteis… a Washington

» “Atire na cabeça!”

» Um reino de farsas e encenações necessárias

» Jogue no Google, senhor ministro

» Religião, violência e loucura

» O consenso pela Educação acabou

» O dia em que o governo perdeu as ruas

» Galeria: Brasil nas ruas

» Um governo tóxico

Rede Social


Edição francesa


» Mais pourquoi cette haine des marchés ?

» Les militants français confrontés à la logique de l'entreprise

» Une machine infernale

» Pour sauver la société !

» Des réformes qui ne sont pas allées assez loin

» Controverses et débats en Allemagne

» Un nouveau maître à penser : l'entreprise

» Le problème de l'épuisement des matières premières peut, aujourd'hui, être envidagé avec un optimisme relatif

» Incontrôlable avant l'an 2000, l'explosion démographique accroit le risque d'une double catastrophe mondiale

» L'esprit humain est capable de s'adapter assez facilement à des conditions de vie de plus en plus complexes


Edição em inglês


» Iran and the US, a tale of two presidents

» Terry Gou, Taiwan's billionaire and political wildcard

» Ecuador's crackdown on abortion is putting women in jail

» Traditions of the future

» Boondoggle, Inc.

» Sisi amends Egypt's constitution to prolong his presidency

» May: the longer view

» The languages of Ukraine

» Chile's day of women

» Notre Dame is my neighbour


Edição portuguesa


» 20 Anos | 20% desconto

» EUROPA: As CaUsas das Esquerdas

» Edição de Maio de 2019

» Os professores no muro europeu

» Chernobil mediático

» Edição de Abril de 2019

» A nossa informação, as vossas escolhas

» O cordão sanitário

» O caso do Novo Banco: nacionalizar ou internacionalizar?

» Edição de Março de 2019


RUANDA 94

A reinvenção do teatro político

Imprimir
Enviar

Ler Comentários
Compartilhe

Um violino, uma mulher sentada numa cadeira, silêncio. Yolanda Mukagasana depõe sobre o martírio de seu povo: "Contarei, todo o dia, o que eu vi. Quem não quiser escutar, será cúmplice."

Sylviane Bernard - (12/05/2000)

Poderia o teatro confrontar o real? O Groupov, um grupo de teatro instalado na Bélgica, levanta o desafio confrontando-se com o genocídio cometido em Ruanda, em 1994. [1] Tudo começou por um sentimento de revolta e náusea de Jacques Delcuvellerie e Marie-France Collard com relação à indiferença com que esses acontecimentos foram recebidos na Europa. Em seguida foram cinco anos de trabalho, de pesquisa de documentos, de encontros com os sobreviventes do massacre, de viagens a Ruanda. O produto é o espetáculo "Ruanda-94".Uma criação coletiva, cinco autores, três dezenas de artistas, um trabalho musical excepcional, enormes marionetes e máscaras, dança e comédia musical. Maneiras de abordagem múltiplas para sugerir algumas reflexões.

Notas soltas de um violino, uma mulher sentada numa cadeira, silêncio. Yolanda Mukagasana depõe sobre o martírio de seu povo. Dominando a emoção, ela narra cada instante dos dias em que conheceu o inferno, em que viu serem mutilados e massacrados seu irmão, seu marido e seus três filhos. E conclui: "Contarei, todo o dia, o que eu vi. Quem não quiser escutar, será cúmplice. " Nenhuma lamentação patética, o sentimento íntimo da realidade dos mortos e o desejo de compreender. Para conduzir a entrevista, a senhora Bee-Bee-Bee, jornalista de televisão. A peça se constrói, então, a partir de um trabalho sobre imagens de vídeo, reflexão sobre a televisão, seus limites e suas manipulações.

Preocupação política e artística

Jacques Delcuvellerie, o diretor, reinventa o teatro político e questiona as responsabilidades. Nada a ver, entretanto, e apesar da força da denúncia, com o teatro de "agit-prop". [2] A música tradicional reinventada em cena pelo compositor ruandês Jean-Marie Muyango, a contínua criatividade do compositor Garret List, a cenografia muito despojada - tudo fala aos sentidos, tanto quanto ao intelecto, e coloca no coração do espetáculo a cultura ruandesa e suas mais profundas raízes.

Um espetáculo que possibilita ao espectador europeu apropriar-se do conteúdo humano de uma história humana e oferece ao povo ruandês um pouco de restauração simbólica. Apresentado em Liége e Avignon desde 1999, sob a forma de ensaio, o espetáculo foi recebido com entusiasmo no Teatro Nacional de Bruxelas. Em breve será apresentado em Villeneuve d’Ascq e na Alemanha, e depois em Marselha, durante o 18º Congresso do Instituto Internacional do Teatro - enquanto aguarda sua ida para Paris.

Traduzido por Rosana Fernandes.



[1] Ruanda 94, de Marie-France Collard, Jacques Delcuvellerie, Yolande Mukagasana, Jean-Marie Piemme, Mathias Simons; dirigido por Jacques Delcuvellerie.

[2] Teatro de agitação e propaganda política, de natureza marxista [Nota do tradutor].


Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos