Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Pós-capitalismo na era do algoritmo (final)

» Contingenciamentos: a barbárie nos números

» O horror como mera constatação

» João Gilberto pra acabar com a apatia

» Boaventura: Descolonizar o saber e o poder

» Morte e gozo sobre rodas

» Tecnologia, Ignorância e Violência

» Universidades: a “nova” estratégia do governo

» Pós-capitalismo na era do algoritmo (2)

» Por uma Reforma Tributária Solidária

Rede Social


Edição francesa


» L'évêque aux côtés des tueurs

» Quand les intellectuels s'enflammaient pour une cause…

» La France favorable à un système international de gérance

» Les savants, le public et la sonde Rosetta

» Les mondes perdus de l'anticipation française

» L'ordre mondial selon John Maynard Keynes

» L'offensive des intellectuels en Iran

» Les charniers de Franco

» Sabra et Chatila, retour sur un massacre

» La résistance de George Orwell


Edição em inglês


» July: the longer view

» An interview with Franco ‘Bifo' Berardi

» Learning the lessons of the Arab Spring

» May 2019 parliamentary election

» A religious map of India

» Universal access to care

» Benin's fight against tuberculosis

» Towards an equal and healthy Africa

» Ivorians mobilise against AIDS

» Health for all, a global challenge


Edição portuguesa


» Edição de Julho de 2019

» Inconsistências (ou o sono da razão?)

» Comércio livre ou ecologia!

» Edição de Junho de 2019

» As pertenças colectivas e as suas conquistas

» A arte da provocação

» 20 Anos | 20% desconto

» EUROPA: As CaUsas das Esquerdas

» Edição de Maio de 2019

» Os professores no muro europeu


MIAMI-HAVANA, O VAIVÉM

Um tal de Stalin Martínez

Imprimir
Enviar

Ler Comentários
Compartilhe

O dentista Martínez está de mau humor. Seu querido e velho ventilador entregou os pontos, de noite. E tudo leva a crer que sua mulher Idalys, dançarina do Tropicana e que ele tanto ama, o está enganando com um motorista de táxi

Françoise Barthélemy - (12/05/2000)

Anos 90. O dia-a-dia em Havana é um quebra-cabeça... Na estrada, indo para o hospital onde trabalha por 300 pesos mensais, o dentista Martínez transpira em sua bicicleta chinesa, a pesada e lenta Fredesvinda. Está de mau humor. Seu querido e velho ventilador entregou os pontos, de noite. Tudo leva a crer que sua mulher Idalys, dançarina do Tropicana e que ele tanto ama, o está enganando com um motorista de táxi da Associação Nacional de Motoristas de Aluguel Revolucionários. Desgraça. Por fim, nesse dia lamentável, ele acaba sem querer indo parar em Miami, quando o barco que normalmente pega é desviado por alguns músicos, que decidem fugir. Chichi, o Maldito, um colega, o chama pelo abominado nome: Stalin.

— É meu nome mesmo — reconhece, sem se decidir a levantar a voz nem a cabeça — mas não gosto dele.

Lênin, Stalin e Stalina

— Escuta isso, escuta — continua o Maldito, dirigindo-se a Wilbert, que acabava de colocar no fogo cascas de banana amassadas. Na escola o professor o chamava: "Stalin Martinez!", e ele respondia: "Presente!" E aí nós dizíamos: "Stalin, porcão, cara de bobão!"

Por que nosso dentista tem esse nome? A história é a seguinte: seu pai, um galego que migrou para Cuba, cuja ele venera até hoje, apaixonou-se pelas idéias comunistas durante a segunda Guerra Mundial e deu a seus filhos os nomes de Lênin, Stalin e Stalina. Hoje, apesar de doutora em Pedagogia, a filha negocia seu charme para angariar dólares e abrir um paladar, um desses pequenos restaurantes para turistas de cozinha típica. Quanto a Lênin, o filho mais velho, antes advogado e dirigente do Partido, partiu o coração da família quando decidiu, em 1980, fugir para os Estados Unidos pelo porto de Mariel. Renegado por sua mãe, seu irmão e sua irmã, o Lênin exilado transformou-se em Leo, the best clown in town. Foi trabalhando como palhaço que ele conseguiu se virar em Miami. E é na varanda de sua casa, onde tosta ao sol para parecer um balsero, que o compañero Stalin, vindo do México, vai dar.

Paixão pelo país e necessidade de deixá-lo

Assim é o momento de seu embarque de última hora, numa verdadeira jangada: "Ele nunca havia visto uma bússola, nem manobrado um veleiro, nem pegado num leme. Poderia chegar a Key West, ou ir parar no dia seguinte em Cuba, se perder no mar ou ficar louco devido à insolação, ou ainda acabar no fundo do Atlântico."

Originalmente concebido como um roteiro de filme, este último romance de Jesús Diaz, menos ambicioso que os anteriores [1] mas muito saboroso, consegue nos fazer ouvir, ver e cheirar, graças a uma linguagem solta, com deslizamentos contínuos de um lugar para o outro, o drama de um indivíduo ligado a seu povo, dividido entre a paixão por seu país e a necessidade de deixá-lo. Muita dor. São temas que Jesús Diaz permeia com um humor devastador sob o qual se esconde a tristeza.

Jesús Diaz,

Fale-me um pouco de Cuba

, traduzido do espanhol por Jean-Marie Saint-Lu, ed. Métailié, Paris, 1999, 233 páginas.

Traduzido por Denise Lotito.



[1] Nascido em Cuba em 1941, autor entre outros de "Les initiales de la terre" (a ser publicado em 2001) e "Les paroles perdues"(éd. Métailié,1995), Jésus Diaz dá aulas de cinema em Berlim e Roma. Dirige em Madri a revista Encuentro de la cultura cubana.


Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos