Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Chantagem do governo aos desempregados

» Ruínas do neoliberalismo: Chile, caso precursor

» E se as startups pertencessem a seus funcionários?

» Boaventura vê Lula Livre

» América Latina: a ultradireita contra-ataca

» O Mercado, os economistas e outros seres transcendentais

» Nem todo Uber é capitalista

» Comuns, alternativa à razão neoliberal

» “Nova” ultradireita, filha dos neoliberais

» Como os PMs são formados para a incivilidade

Rede Social


Edição francesa


» Les Allemands de l'Est saisis par l'Ostalgie

» A Berlin, le face-à-face des intellectuels de l'Est et de l'Ouest

» Réveil politique à l'Est

» Les Allemands de l'Est, sinistrés de l'unification

» Le difficile chemin de la démocratie espagnole

» Il y a cent cinquante ans, la révolte des cipayes

» Hôpital entreprise contre hôpital public

» Dernières nouvelles de l'Utopie

» Très loin des 35 heures

» Qui a profité de l'unification allemande ?


Edição em inglês


» The fall of liberal triumphalism

» Sarah Seo on Americans, their cars and the law

» November: the longer view

» Ibrahim Warde on the rise and fall of Abraaj

» Fighting ISIS: why soft power still matters

» Life as a company troll

» The imperial magazine

» Setting Socrates against Confucius

» Price of freedom on the road

» Global business of bytes


Edição portuguesa


» Golpe de Estado contra Evo Morales

» Será que a esquerda boliviana produziu os seus coveiros?

» No Brasil, os segredos de um golpe de Estado judiciário

» Edição de Novembro de 2019

» Sempre uma coisa defronte da outra

» OTAN: até quando?

» Alojamento local-global: especulação imobiliária e desalojamento

» Rumo a uma governança participativa da vida nocturna de Lisboa

» A Expo'98 e o Parque das Nações: Estado, gentrificação e memória urbana

» Uma história do Habita


DOSSIÊ MULHERES / A MARCHA MUNDIAL

Contra a pobreza e a violência

Imprimir
enviar por email

Ler Comentários
Compartilhe

Para as organizadoras da marcha trata-se de uma iniciativa ampla que envolve educação, cidadania, criatividade e a constituição de uma rede mundial. Previsto para o outono do ano 2000, o evento mobiliza mais de quatro mil grupos de mulheres em 153 países

Françoise David - (12/06/2000)

Em 1995, a Federação das Mulheres do Quebec, organizou uma marcha de 200 quilômetros por "pão e rosas", uma marcha de mulheres contra a pobreza. Estimulada pelo sucesso, decidiu voltar à carga e propor aos movimentos feministas de todos os cantos do mundo uma Marcha de Mulheres contra a Pobreza e as Violências de que são vítimas. Previsto para o outono do ano 2000, o evento mobiliza mais de quatro mil grupos de mulheres em 153 países.

Para as organizadoras da marcha trata-se de uma iniciativa ampla que envolve educação e cidadania, de um exercício de criatividade sem precedentes e da constituição de uma rede mundial. As feministas engajadas neste movimento são oriundas, na sua maioria, de grupos implantados nas realidades cotidianas, da defesa dos direitos humanos, passando pelo sindicalismo e a cooperação internacional. Mulheres das cidades e do campo, jovens de idade e de espírito, de todas origens e crenças, misturadas mas com uma esperança no coração: fazer com que o mundo seja melhor.

Uma globalização de efeitos devastadores

Elas sabem que a globalização desenfreada dos mercados, conjugada às idéias patriarcais presentes em diversos graus em todos os países, levou ao empobrecimento e a uma crescente submissão de milhões de mulheres através do mundo. Que um dos sinais é o aumento incessante do tráfico de mulheres para uma indústria do sexo bilionária. Ou a persistência de costumes bárbaros, como a castração feminina. Ou, nos países do Norte, os claros cortes nos programas sociais, que fazem pesar sobre as mulheres a sorte de todos aqueles ou aquelas que o Estado passa a deixar de cuidar.

São inúmeras as razões para realizar a marcha, as mulheres têm pelo menos duas mil, como expressam suas palavras de ordem. A Marcha Mundial do ano 2000 desafia, com um grito de revolta e exigências precisas para o novo milênio, todos os que têm poder . As mulheres se armaram com uma plataforma de reivindicações dirigidas às Nações Unidas, ao Fundo Monetário Internacional, ao Banco Mundial. [1] Suas reivindicações vão de encontro às dos militantes e das militantes engajados na luta contra uma globalização com efeitos devastadores, às das pessoas que se encontram no primeiro plano da defesa dos direitos humanos, em suma, às propostas de todos e todas que trabalham para que este mundo seja mais justo.

Mobilizações regionais e nacionais

As mulheres também elaboraram plataformas nacionais e apresentarão reivindicações muito concretas aos seus governos. Assim será, por exemplo, na França, por ocasião da grande manifestação nacional que ocorrerá no dia 17 de junho, para reivindicar empregos estáveis e decentemente remunerados, a estrita aplicação das leis existentes reprimindo as violências contra as mulheres e menores, ou garantindo direitos iguais para mulheres estrangeiras. Finalmente, elas se juntarão às mulheres do mundo para reivindicar a aplicação de uma taxa sobre as transações financeiras internacionais e a abolição das dívidas dos países pobres.

No outono, os outros países verão milhares de mulheres — e homens — se mobilizar nas marchas nacionais e até, em alguns casos, nestes encontros regionais. Na Europa, por exemplo, eles se encontrarão em Bruxelas no dia 14 de outubro. No dia 15 de outubro, uma delegação internacional abrirá a marcha nos Estados Unidos e passará diante do Banco mundial e do FMI, em Washington. Finalmente, no dia 17 do mesmo mês, um encontro mundial de mulheres acontecerá em Nova York e elas depositarão nas Nações Unidas milhões de cartas de apoio à Marcha recolhidas por militantes de todos os países participantes. Duzentas delas se encontrarão com o secretário-geral das Nações Unidas, Kofi Annan.

No dia 18 de outubro do ano 2000, todas estas feministas de coração e de ação não terão ainda resolvido a totalidade dos problemas. Mas terão feito compreender às populações e aos governantes que acabou o tempo em que tudo isso ficava oculto! As mulheres não aceitarão nunca mais o papel secundário, o desprezo velado das instituições, as mil e uma facetas do machismo ordinário.

Traduzido por Celeste Marcondes.



[1] Site Internet: www.ffq.qc.ca/marche2000.


Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos