Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» O prisioneiro que não cede ao Grande Irmão

» Previdência: a fábula da República das Laranjas

» A difícil arte de superar o senso comum

» Os mapas do poder dos ruralistas

» Petrobrás: assim Paulo Guedes planeja o desmonte

» O neoliberalismo periférico e a oportunidade perdida

» Nunca fomos tão pequenos

» Caro coxinha, nossa bandeira já é vermelha…

» O mundo encantado da Previdência privada

» A lógica senil da propriedade privada

Rede Social


Edição francesa


» Le poids du lobby pro-israélien aux États-Unis

» Tradition et qualité françaises

» Batna dans le vertige des peurs et des frustrations

» Le champ sémantique du populisme

» Les dangers d'une monnaie unique

» L'Algérie sous le choc

» L'art de la désinformation

» La longue guerre occulte contre le Nicaragua

» Comment l'« intelligence artificielle » conduirait la guerre

» Délinquants et victimes


Edição em inglês


» Retiring the Statue of Liberty

» Iraq's choice: US air strikes or Iranian air conditioners?

» Gilets jaunes: the French uprising

» March: the longer view

» Rwanda now sets its own aid rules

» The rise of the hardliners

» Should we be combatting sexism to stimulate economic growth?

» Julia Buxton on Venezuela's ongoing crisis

» What happened to the dream of a united Maghreb?

» What happened to the dream of a united Maghreb?


Edição portuguesa


» O caso do Novo Banco: nacionalizar ou internacionalizar?

» Edição de Março de 2019

» Sabe bem informar tão pouco

» O presidente e os pirómanos

» Edição de Fevereiro e 2019

» As propinas reproduzem as desigualdades

» Luta de classes em França

» Das propinas ao financiamento do Ensino Superior

» Na Venezuela, a lógica do pior

» Vale a pena (re)ler John Kenneth Galbraith?


REPÚBLICA DO BURUNDI

Quarenta anos de conflitos

Imprimir
Enviar

Ler Comentários
Compartilhe

Uma cronologia dos enfrentamentos entre hutus e tutsis

Augusta Conchiglia - (12/06/2000)

01/07/1962 : Até então administrado pela Bélgica, o país obtém a independência. Até 1965 os sucessivos governos serão compostos por um número mais ou menos igual de tutsis e de hutus.

Janeiro de 1965 : Início dos enfrentamentos interétnicos entre tutsis e hutus.

1966 : O rei Ntare V é destituído e a República é proclamada. Os tutsis confirmam sua supremacia no poder.

Outubro de 1998 : Nomeação de um primeiro-ministro hutu (Adrien Sibomana) e de um governo multiétnico.

13/05/1992 : Nova Constituição autorizando o multipartidarismo.

01/06/1993 : Primeiras eleições presidenciais democráticas, vencidas por Melchior Ndadaye, de etnia hutu.

21/10/1993 : Golpe de Estado militar: o presidente Ndadaye é assassinado. O país afunda no caos e na guerra civil. O exército massacra os hutus.

Novembro de 1995 : O presidente tanzaniano Julius Nyerere é nomeado mediador pela Comunidade Econômica dos Países Africanos dos Grandes Lagos, com a aprovação das Nações Unidas e da Comunidade Européia.

25/07/1996 : Novo golpe de Estado, liderado pelo major Buyoya. Os países da região dos Grandes Lagos impõem um boicote contra o Burundi.

03/12/1999 : O ex-presidente sul-africano Nelson Mandela é nomeado novo mediador para reiniciar as negociações de paz.

Traduzido por Angela Mendes de Almeida.




Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos