'Enviar matéria', 'envoyer' => 'Enviar', 'reference_de' => 'a referência de', 'par_courriel' => 'por email', 'a_destination' => 'Enviar para:', 'donnees_optionnelles' => 'Dados opcionais', 'separe_virgule' => 'separe com vírgulas se escrever mais de um', 'sujet' => 'Assunto', 'titre_vouloir' => 'Título da mensagem', 'nom' => 'Seu nome', 'adresse' => 'Seu e-mail', 'texte' => 'Texto que irá junto com a mensagem', 'envoi' => 'Enviar', 'annuler' => 'Cancelar', 'enviar_title' => 'Enviar referência deste documento por email', 'enviar_por_email' => 'Enviar', 'referencia' => 'A referencia de', 'enviado' => 'foi enviado a:', 'sentimos' => 'Sentimos muito', 'problema' => 'Houve um problema e não se pôde enviar a mensagem', 'hola' => 'Olá. Talvez esta informação possa lhe interessar.', 'leer' => 'Leia mais...', 'enviado_por' => 'Enviado por: ', 'direction' => 'mas sem um endereço eletrônico válido', 'podemos' => 'não podemos enviar a mensagem', 'fermer' => 'fechar', 'documento' => 'Olá. Talvez este documento de', 'interesar' => 'possa lhe interessar.', 'descargarte' => 'Na página web poderá fazer o download de:', 'source' => 'fonte', ); ?> 'Envoyer l\'article', 'envoyer' => 'Envoyer', 'reference_de' => 'la référence de', 'par_courriel' => 'par courrier électronique', 'a_destination' => 'Envoyer á l\'adresse:', 'donnees_optionnelles' => 'Données optionnelles', 'separe_virgule' => 'séparer les adresses par des virgules si vous écrivez á plusieurs personnes', 'sujet' => 'Sujet', 'titre_vouloir' => 'Titre du message', 'nom' => 'Nom', 'adresse' => 'Adresse mail', 'texte' => 'Vous pouvez ajouter un texte', 'envoi' => 'Envoyer', 'annuler' => 'Annuler', 'enviar_title' => 'envoyer l\'article par mail', 'enviar_por_email' => 'envoyer par mail', 'referencia' => 'La référence de ', 'enviado' => 'a été envoyé à:', 'sentimos' => 'désolé', 'problema' => 'Il y a eu un problème et le courrier n\'a pas pu être envoyé', 'hola' => 'Salut. Cet article t\'interéssera peut-être ', 'leer' => 'Lire la suite...', 'enviado_por' => 'Envoyer par : ', 'direction' => 'mais sans une adresse de courrier électronique valable', 'podemos' => 'nous ne pouvons pas envoyer le message', 'fermer' => 'fermer', 'documento' => 'Salut, les documents de', 'interesar' => 'pourraient t\'intéresser', 'descargarte' => 'Si vous visitez le site vous pourrez télécharger les documents suivants :', 'source' => 'Source', ); ?> 'Enviar matéria', 'envoyer' => 'Enviar', 'reference_de' => 'a referência de', 'par_courriel' => 'por email', 'a_destination' => 'Enviar para:', 'donnees_optionnelles' => 'Dados opcionais', 'separe_virgule' => 'separe com vírgulas se escrever mais de um', 'sujet' => 'Assunto', 'titre_vouloir' => 'Título da mensagem', 'nom' => 'Seu nome', 'adresse' => 'Seu e-mail', 'texte' => 'Texto que irá junto com a mensagem', 'envoi' => 'Enviar', 'annuler' => 'Cancelar', 'enviar_title' => 'Enviar referência deste documento por email', 'enviar_por_email' => 'Enviar', 'referencia' => 'A referencia de', 'enviado' => 'foi enviado a:', 'sentimos' => 'Sentimos muito', 'problema' => 'Houve um problema e não se pôde enviar a mensagem', 'hola' => 'Olá. Talvez esta informação possa lhe interessar.', 'leer' => 'Leia mais...', 'enviado_por' => 'Enviado por: ', 'direction' => 'mas sem um endereço eletrônico válido', 'podemos' => 'não podemos enviar a mensagem', 'fermer' => 'fechar', 'documento' => 'Olá. Talvez este documento de', 'interesar' => 'possa lhe interessar.', 'descargarte' => 'Na página web poderá fazer o download de:', 'source' => 'fonte', ); ?> 'Envoyer l\'article', 'envoyer' => 'Envoyer', 'reference_de' => 'la référence de', 'par_courriel' => 'par courrier électronique', 'a_destination' => 'Envoyer á l\'adresse:', 'donnees_optionnelles' => 'Données optionnelles', 'separe_virgule' => 'séparer les adresses par des virgules si vous écrivez á plusieurs personnes', 'sujet' => 'Sujet', 'titre_vouloir' => 'Titre du message', 'nom' => 'Nom', 'adresse' => 'Adresse mail', 'texte' => 'Vous pouvez ajouter un texte', 'envoi' => 'Envoyer', 'annuler' => 'Annuler', 'enviar_title' => 'envoyer l\'article par mail', 'enviar_por_email' => 'envoyer par mail', 'referencia' => 'La référence de ', 'enviado' => 'a été envoyé à:', 'sentimos' => 'désolé', 'problema' => 'Il y a eu un problème et le courrier n\'a pas pu être envoyé', 'hola' => 'Salut. Cet article t\'interéssera peut-être ', 'leer' => 'Lire la suite...', 'enviado_por' => 'Envoyer par : ', 'direction' => 'mais sans une adresse de courrier électronique valable', 'podemos' => 'nous ne pouvons pas envoyer le message', 'fermer' => 'fermer', 'documento' => 'Salut, les documents de', 'interesar' => 'pourraient t\'intéresser', 'descargarte' => 'Si vous visitez le site vous pourrez télécharger les documents suivants :', 'source' => 'Source', ); ?> Diplô - Biblioteca: "As mulheres de alívio"
Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


Rede Social


Edição francesa


» Au travail, les enfants

» En Afrique, la démocratie entravée

» Le grand partage du globe

» La France et son espace maritime de souveraineté économique

» Villes et comptoirs hanséatiques

» Le sultanat de Malacca à la fin du XVe siècle

» Les grandes poubelles de plastique

» Feu vert à la surveillance de masse

» G8 : policiers italiens condamnés... et promus

» L'Italie saisie par la tentation autoritaire


Edição em inglês


» The rift in the AfD

» The forgotten chapter of the women's movement

» The battle for narrative in Afghanistan

» Work less, pollute less

» July: the longer view

» Ethiopia's failed experiment in ethno-federalism

» What press freedoms for North Africa?

» The Balkans rediscover socialism

» China's balancing act: power or prosperity?

» The immovable Assad clan


Edição portuguesa


» O direito à alimentação no mundo continua por cumprir

» Filho da Preguiça

» Boca de Cena

» Pandemónio Pandomínio

» Em Cuba, rumo ao fim do mais longo embargo da história

» Edição de Julho de 2021

» «Ajude um caloiro»: requiem por um direito

» Acalmia em França?

» Edição de Junho de 2021

» O jornalismo no novo negócio dos "media"


CINEMA

"As mulheres de alívio"

Imprimir
enviar por email

Ler Comentários
Compartilhe

Deportadas com 15, 16 ou 17 anos de idade, estas mulheres coreanas foram violentadas e abusadas, às vezes por trinta soldados japoneses num só dia, depois esterelizadas e em seguida abandonadas até o final da guerra

Brigitte Pätzold - (12/06/2000)

Na "Maison de Partage", em Seul, três mulheres idosas se encolhem sob as cobertas. A habitação é mal aquecida, uma só lâmpada para iluminá-la. A câmera da jovem cineasta sul-coreana Byun Young-Joo capta o despojamento em que vivem aquelas ex-"mulheres de alívio" dos bordéis militares japoneses durante a segunda guerra mundial. Sob o olhar sensível da realizadora, elas testemunham o calvário por que passaram: deportadas com 15, 16 ou 17 anos, violentadas e abusadas, às vezes por trinta soldados num só dia, esterelizadas com injeções, elas foram em seguida abandonadas ali ao final da guerra.

O estigma da "mulher perdida"

Foi para a China que Byun Young-Joo viajou para filmar as três protagonistas de seu documentário. Três mulheres, entre as dezoito sobreviventes — a maioria das outras suicidaram-se ou morreram na miséria. A vergonha e a pobreza as impedia de voltar para a Coréia. Rever seu país natal por uma última vez antes de morrer é, ainda assim, o sonho mais caro. O estigma de ser uma "mulher perdida" e a marginalização numa sociedade fortemente impregnada de tradição patriarcal explica que elas tenham mantido o segredo durante meio século. "Eu não podia nem mesmo contar para minha mãe", diz uma delas. Por medo da desonra, era até comum que seus parentes pedissem que guardasse seu passado em segredo.

Somente em 1991 este silêncio torturante foi rompido por Kim Hak-Sung, uma pessoa instruída que declarou publicamente ter sido uma "mulher de alívio". "Nenhum historiador tratou deste problema. Fizeram pesquisas sobre os estudantes e os trabalhadores engajados pelo exército, mas nunca fizeram menção às ’mulheres de alívio’. Acho isso injusto", diz ela no filme. Este primeiro testemunho foi seguido de milhares de outros, suscitados e sustentados por movimentos feministas sul-coreanos. Da mesma forma, deu início a processos de indenização contra o governo japonês que, até então ainda negava sua responsabilidade no assunto, proibindo qualquer tipo de acesso aos arquivos sobre os bórdeis militares.

Tribunal civil internacional

A urgência de realizar um filme com os últimos depoimentos sobre estes campos de estupro concebidos pelo Estado japonês se impôs para Byun Young-Joo em 1994, quando realizava um filme sobre o turismo sexual na Coréia e encontrou-se com a filha de uma das sobreviventes, que se prostituía para poder pagar o tratamento médico de sua mãe. Posta em contato com três fugitivas dos campos, que viviam juntas e reclusas em Seul, ela as visitou freqüentemente durante um ano até ganhar a confiança delas. As lembranças daquelas senhoras idosas eram tão atrozes que elas se recusavam sistematicamente a relembrar os fatos. A cineasta acabou rompendo a resistência delas e captou seus depoimentos comoventes. Também conseguiu convencer as três senhoras a que a deixassem realizar um segundo, e depois um terceiro, filme sobre elas, [1] o que de início proibiam. A tomada da palavra em frente à câmera, e depois em frente ao público, nas salas de cinema na Coréia, acabou libertando-as da vergonha e mobilizando-as para reivindicar justiça.

Premiado e distribuído no Japão e na Coréia, o documentário ganha uma importância política especial em vista do avanço crescente dos revisionistas japoneses, que consideravam a prostituição forçada como um "mal necessário" em tempo de guerra. Esses mesmos negacionistas queriam também — em nome da moralidade (!) — excluir qualquer menção a essas "mulheres de alívio" dos manuais escolares. Em dezembro de 2000, um tribunal civil internacional de mulheres terá lugar em Tóquio. O Estado japonês é acusado de "crime de guerra" e de "crime contra a humanidade". Se for condenado, deverá finalmente pagar indenizações às sobreviventes dos bordéis militares. Estas, contudo, correm o risco de morrer antes que a justiça lhes seja feita.

Traduzido por Gustavo Maia Junior.



[1] Desta trilogia, a primeira parte, intitulada "Murmúrios" (Murmures), foi exibida durante o 22º Festival Internacional de Filmes de Mulheres, de Créteil, na França.


Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos