Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Nem todo Uber é capitalista

» Comuns, alternativa à razão neoliberal

» “Nova” ultradireita, filha dos neoliberais

» Como os PMs são formados para a incivilidade

» Cinema: três filmes para olhar além da fronteira

» Pacote Guedes (1): Uma distopia cujo tempo passou

» Pacote Guedes (2): Unidos pelo fundamentalismo

» A execução de Baghdadi e o autoengano do Ocidente

» Por que fracassou o mega-leilão do Pré-Sal

» O alento de Mafalda, a rebeldia chilena e… o Brasil

Rede Social


Edição francesa


» Il y a cent cinquante ans, la révolte des cipayes

» Hôpital entreprise contre hôpital public

» Dernières nouvelles de l'Utopie

» Très loin des 35 heures

» Qui a profité de l'unification allemande ?

» Chantages ordinaires chez General Motors

» Gagnants et perdants de l'ouverture chinoise

» L'islam au miroir de la télévision

» Laïcité et égalité, leviers de l'émancipation

» Insécurité sociale programmée


Edição em inglês


» November: the longer view

» Ibrahim Warde on the rise and fall of Abraaj

» Fighting ISIS: why soft power still matters

» Life as a company troll

» The imperial magazine

» Setting Socrates against Confucius

» Price of freedom on the road

» Global business of bytes

» A firm too good to be true

» In the GDR, old debts and big profits


Edição portuguesa


» No Brasil, os segredos de um golpe de Estado judiciário

» Edição de Novembro de 2019

» Sempre uma coisa defronte da outra

» OTAN: até quando?

» Alojamento local-global: especulação imobiliária e desalojamento

» Rumo a uma governança participativa da vida nocturna de Lisboa

» A Expo'98 e o Parque das Nações: Estado, gentrificação e memória urbana

» Uma história do Habita

» «Ficar sem Tecto»: as demolições no Bairro 6 de Maio

» Gentrificação e turistificação: o caso do Bairro Alto em Lisboa


FILOSOFIA

Por uma imaginação radical

Imprimir
enviar por email

Ler Comentários
Compartilhe

O ideal democrático está sob a ameaça do capitalismo. Hoje em dia, a criatividade política parece estagnada. É como se o imaginário constituído pelo capitalismo tivesse conseguido bloquear, de forma permanente, a imaginação criadora da radicalidade

Robert Redeker - (12/06/2000)

O filósofo Cornelius Castoriadis pensou a imaginação uma faculdade política. O livro Figures du pensable, último volume dos "Carrefours du labyrinthe", permite apreender a unidade e a originalidade do pensamento do autor através das distintas áreas em que ele se distribui: a poética, a economia, a política, a psicanálise e a lógica.

Fundamentalmente política, a filosofia de Castoriadis é uma teoria da imaginação: a imaginação radical é o que diferencia o homem dos outros animais, a tal ponto que "os seres humanos se definem, antes de mais nada, não por serem racionais, mas por serem providos de uma imaginação radical". A imaginação situa-se na raiz de tudo o que é humano: as sociedades, as instituições, as normas políticas e morais, a filosofia, as obras estéticas.

Uma autêntica "ruptura histórica"

Uma grande idéia está por trás dessa radicalidade da imaginação: os homens e as sociedades são auto-criações. A maioria das civilizações são heterônomas, disfarçando essa auto-gestação. Algumas delas ousaram ser autônomas. Foi na antiga Grécia que, pela primeira vez, os homens (análises sublimes sobre Sófocles o exemplificam) descobriram a origem singelamente humana das grandes idéias (imaginárias) que estruturam a vida social; desse achado, uma autêntica "ruptura histórica", nasceram a política ("o questionamento das instituições existentes e sua mudança para uma atuação coletiva deliberada") e a filosofia ("o questionamento das representações e significados instituídos e sua mudança para a atividade reflexiva do pensamento"). A democracia é a possibilidade que se abre através dessa ruptura; mas — tendo que inventar suas próprias leis (e limites) em causa própria — é um regime trágico, ameaçado pelo constante re-questionamento de suas instituições. A Europa pós-medieval retomou a descoberta grega da autonomia.

A "privatização do indivíduo"

O ideal democrático está sob a ameaça do capitalismo. Hoje em dia, a criatividade política parece estagnada. É como se o imaginário constituído pelo capitalismo tivesse conseguido bloquear, de forma permanente, a imaginação criadora da radicalidade. Esse extraordinário livro sugere um enigma: encontraria o homem do início do século XXI os recursos para se emancipar do capitalismo, retomando o caminho da autonomia, ou continuaria ele atolado no "conformismo generalizado" que é caracterizado na nossa era pela "privatização do indivíduo"? Iremos assistir a um novo despertar dessa faculdade política que é a imaginação?

Cornelius Castoriadis, Figures du pensable , ed. Seuil, Paris, 1999.

Traduzido por Jô Amado.




Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos