Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


Rede Social


Edição francesa


» L'ENA tentée par la philosophie des affaires

» Éloge du rire sardonique

» L'abstention gagne les classes moyennes

» Qui veut encore financer la presse ?

» L'unité de l'Algérie

» Créatrices et minotaures

» Absence d'enquêtes et bagarres de plateau, les recettes de l'information en continu

» Vive le « risque systémique » !

» Les transformations de l'économie continentale

» Litige frontalier en mer entre Israël et le Liban


Edição em inglês


» April: the longer view

» Africa's oil-rich national parks

» Montenegro's path to independence

» Japan's bureaucrats feel the pain

» Who's who in North Africa

» Being Kabyle in France

» Who wins in Chile's new constitution?

» Senegal's five days of anger

» Threat to Africa's parks

» Montenegro's ragged coalition


Edição portuguesa


» Edição de Abril de 2021

» A liberdade a sério está para lá do liberalismo

» Viva o «risco sistémico!»

» Pandemia, sociedade e SNS: superar o pesadelo, preparar o amanhecer

» A maior mentira do fim do século XX

» Como combater a promoção da irracionalidade?

» A Comuna de Paris nas paredes

» Como Donald Trump e os "media" arruinaram a vida pública

» Edição de Março de 2021

» Acertar nas fracturas


CONDIÇÃO FEMININA

Uma democracia incompleta

Imprimir
enviar por email

Ler Comentários
Compartilhe

Dois livros pesquisam a condição feminina: o primeiro conta as primeiras décadas da entrada da mulher no mundo "masculino" da política; o segundo mostra a fragilidade do avanço da mulher e os obstáculos que tem pela frente

Eliane Viennot - (12/06/2000)

Com a concessão do direito de votos às mulheres, em 1945, uma página da história da República francesa é virada. O voto torna-se finalmente universal. O livro de William Guéraiche, Les Femmes et la République relê, a partir de um ponto de vista original, as primeiras décadas da entrada das mulheres no mundo hermeticamente masculino da política. É difícil propor uma tipologia dessas mulheres devido ao baixo índice de participação, cada caso parecendo assim particular. Mesmo assim, o livro desafia a idéia de que as mulheres seriam excluídas em bloco do processo político e desmonta os mecanismos de uma "ordem" que as integra numa dupla condição, a qual elas respeitam (isto é, "fazem o jogo") e que as separa do conjunto das mulheres.

Mudando as regras do jogo

Na ausência de uma mudança desta ordem (o que não ocorreu, apesar da abertura do pós-libertação e a mudança do processo de eleição do presidente da República), as diferentes estratégias adotadas pelas feministas de diferentes países não alcançaram êxito e nenhuma melhoria significativa da representação feminina nos cargos públicos da nação foi constatada neste período — isto justifica a esperança que o autor parece por na paridade, que representa uma mudança real nas regras do jogo político. Poderíamos discutir algumas de suas escolhas (não levar em conta o movimento associativo, focalizar a esquerda apenas a partir dos anos 70 etc.), criticar a sua maneira de debater com inimigos não identificáveis ou ainda recriminá-lo por superestimar a capacidade do leitor o acompanhar (não oferece uma lista de siglas, faltam fichas recapitulativas por mulheres etc.). Mas a pesquisa é a primeira sobre o tema, e por isso mesmo essencial.

O livro Comment les femmes changent la politique, et pourquoi les hommes résistent, de Philippe Bataille e Françoise Gaspard, completa felizmente a pesquisa acima. Construído em torno de uma investigação meticulosa conduzida junto às mulheres socialistas candidatas às eleições legislativas de 1997 (devido à decisão de Lionel Jospin de "reservar" 30% de candidaturas às mulheres), o livro é precedido por um sólido levantamento sobre "a longa marcha das mulheres para se tornarem atrizes políticas". Mostra em que medida os comportamentos e as regras descritas por William Guéraiche continuam em vigor (a certeza dos homens de que são eles os únicos "candidatos naturais"; o sentimento das mulheres de que as batalhas internas para conquistar a candidatura não estão à altura do preço pago etc.). Mostra ainda a fragilidade de um avanço surgido exclusivamente da boa vontade do "príncipe", e não de uma modificação da regra — e é disto que nem todas as beneficiárias parecem ainda sequer conscientes.

William Guéraiche, Les Femmes et la République. Essai sur la répartition du pouvoir de 1943 à 1979 , Editions de l’Atelier, Paris, 1999.

Philippe Bataille e Françoise Gaspard, Comment les femmes changent la politique, et pourquoi les hommes résistent , ed. La Découverte, Paris, 1999.




Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos