Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


Rede Social


Edição francesa


» L'ENA tentée par la philosophie des affaires

» Éloge du rire sardonique

» L'abstention gagne les classes moyennes

» Qui veut encore financer la presse ?

» L'unité de l'Algérie

» Créatrices et minotaures

» Absence d'enquêtes et bagarres de plateau, les recettes de l'information en continu

» Vive le « risque systémique » !

» Les transformations de l'économie continentale

» Litige frontalier en mer entre Israël et le Liban


Edição em inglês


» April: the longer view

» Africa's oil-rich national parks

» Montenegro's path to independence

» Japan's bureaucrats feel the pain

» Who's who in North Africa

» Being Kabyle in France

» Who wins in Chile's new constitution?

» Senegal's five days of anger

» Threat to Africa's parks

» Montenegro's ragged coalition


Edição portuguesa


» Edição de Abril de 2021

» A liberdade a sério está para lá do liberalismo

» Viva o «risco sistémico!»

» Pandemia, sociedade e SNS: superar o pesadelo, preparar o amanhecer

» A maior mentira do fim do século XX

» Como combater a promoção da irracionalidade?

» A Comuna de Paris nas paredes

» Como Donald Trump e os "media" arruinaram a vida pública

» Edição de Março de 2021

» Acertar nas fracturas


COOPERATIVAS DE PRODUÇÃO

O vínculo com o movimento social

Imprimir
enviar por email

Ler Comentários
Compartilhe

A participação da Confederação Geral das cooperativas francesas na fundação do ATTAC marcou uma mudança importante para o movimento cooperativo

Jean-Loup Motchane - (12/07/2000)

Há na França, 1.400 sociedades cooperativas de produção (Scop), que empregam 30 mil assalariados acionistas. É o caso, por exemplo, do jornal Alternatives Économiques. Seu capital, inalienável, provém majoritariamente dos assalariados associados, que controlam a empresa segundo o princípio de um voto por associado. No momento, essas sociedades representam apenas uma pequena parte do movimento de cooperativas: bancos cooperativados, cooperativas agrícolas, cooperativas de crédito, cooperativas de compras. Porém, seu último congresso, realizado em Lille, em janeiro de 2000, revelou vontade de desenvolvimento — multiplicar por dez o número de cooperados — e de renovação: criação de uma nova estrutura jurídica, a "sociedade cooperativa de interesse coletivo com finalidade social" (Scic), que permitirá associar, como no modelo italiano, múltiplos parceiros, usuários, assalariados e voluntários.

Para Michèle Dessenne, responsável pela moção majoritária no congresso de Lille, a participação da Confederação Geral das Scop na fundação do ATTAC (Associação pela Taxação das Transações Financeiras em Auxílio dos Cidadãos), em junho de 1998, marcou uma mudança significativa para o movimento cooperativo: "Trata-se de uma afirmação política e de uma vontade de criar laços com o movimento social. Na realidade o movimento das Scop questiona, concretamente, no interior da sociedade de mercado, a concepção liberal da propriedade e da gestão do capital."

Leia nesse dossiê: Álibi ou alternativa ao liberalismo? Saída contra o desemprego

Traduzido por Teresa Van Acker.




Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos