Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» A China tem uma alternativa ao neoliberalismo

» Marielle, Moa, Marley, Mineirinho

» As trapaças do gozo individual

» Vermelho Sol, fotossíntese da violência

» Assim arma-se a próxima crise financeira

» Quantos anos o automóvel rouba de sua vida?

» Guerra comercial: por que Trump vai perder

» Mulheres indígenas, raiz e tronco da luta pelo território

» Por que a educação voltou às ruas?

» O ditador, sua “obra” e o senhor Guedes

Rede Social


Edição francesa


» Les soucoupes volantes sont-elles un sous-produit de la guerre froide ?

» Ovnis et théorie du complot

» Boulevard de la xénophobie

» Une machine à fabriquer des histoires

» Un ethnologue sur les traces du mur de Berlin

» Le stade de l'écran

» Un ethnologue à Euro Disneyland

» Lénine a emprunté ses règles d'action à des écrivains radicaux du siècle dernier

» Le rêve brisé de Salvador Allende

» Un ethnologue à Center Parcs


Edição em inglês


» Manufacturing public debate

» August: the longer view

» Trump returns to the old isolationism

» Yellow vests don't do politics

» Kurdish territories in northern Syria

» The changing shape of the Balkans: 1991 / 2019

» Minorities in Kosovo

» Borders 1500-2008

» Man with a mission or deranged drifter

» The Louise revolution


Edição portuguesa


» Edição de Agosto de 2019

» Plural e vinculado à esquerda

» Os talibãs de São Francisco

» Edição de Julho de 2019

» Inconsistências (ou o sono da razão?)

» Comércio livre ou ecologia!

» Edição de Junho de 2019

» As pertenças colectivas e as suas conquistas

» A arte da provocação

» 20 Anos | 20% desconto


COOPERATIVAS DE PRODUÇÃO

O vínculo com o movimento social

Imprimir
Enviar

Ler Comentários
Compartilhe

A participação da Confederação Geral das cooperativas francesas na fundação do ATTAC marcou uma mudança importante para o movimento cooperativo

Jean-Loup Motchane - (12/07/2000)

Há na França, 1.400 sociedades cooperativas de produção (Scop), que empregam 30 mil assalariados acionistas. É o caso, por exemplo, do jornal Alternatives Économiques. Seu capital, inalienável, provém majoritariamente dos assalariados associados, que controlam a empresa segundo o princípio de um voto por associado. No momento, essas sociedades representam apenas uma pequena parte do movimento de cooperativas: bancos cooperativados, cooperativas agrícolas, cooperativas de crédito, cooperativas de compras. Porém, seu último congresso, realizado em Lille, em janeiro de 2000, revelou vontade de desenvolvimento — multiplicar por dez o número de cooperados — e de renovação: criação de uma nova estrutura jurídica, a "sociedade cooperativa de interesse coletivo com finalidade social" (Scic), que permitirá associar, como no modelo italiano, múltiplos parceiros, usuários, assalariados e voluntários.

Para Michèle Dessenne, responsável pela moção majoritária no congresso de Lille, a participação da Confederação Geral das Scop na fundação do ATTAC (Associação pela Taxação das Transações Financeiras em Auxílio dos Cidadãos), em junho de 1998, marcou uma mudança significativa para o movimento cooperativo: "Trata-se de uma afirmação política e de uma vontade de criar laços com o movimento social. Na realidade o movimento das Scop questiona, concretamente, no interior da sociedade de mercado, a concepção liberal da propriedade e da gestão do capital."

Leia nesse dossiê: Álibi ou alternativa ao liberalismo? Saída contra o desemprego

Traduzido por Teresa Van Acker.




Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos