Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Como derrotar a “direita Trump-Bolsonaro”

» As pedras da contracultura (ainda) rolam

» Corporações: já vivemos uma distopia…

» Olhai a nova geração de ativistas

» Rússia e China: fim do mundo unipolar?

» Está aberta a nova temporada de privatizações

» Direito à privacidade e o cinismo de Moro

» Boaventura: o avanço da direita e a causa oculta

» Fiori: Danação da História e disputa pelo futuro

» O sinistro lobby sionista

Rede Social


Edição francesa


» Menace iranienne, menace sur l'Iran

» Comme si l'école était une entreprise…

» Voyage au bout de la peur avec les clandestins du Sahel

» Chanter le devenir du monde

» A qui profite Paris ?

» Quand la ville se perd dans une métamorphose planétaire

» M. Jesse Jackson et l'ouverture du Parti démocrate

» Les aspirations des citoyens dans une structure étatique taillée sur mesure

» Comment la finance a tué Moulinex

» Leçons d'histoire


Edição em inglês


» The Spaniards who liberated Paris

» Fighting for communication control

» June: the longer view

» Niger, a migration crossroads

» Niger, a migration crossroads

» Whatever happened to Bob Woodward?

» Europe in space

» The Corbyn controversy

» The invisible people

» Agadez, city of migrants


Edição portuguesa


» Edição de Junho de 2019

» As pertenças colectivas e as suas conquistas

» A arte da provocação

» 20 Anos | 20% desconto

» EUROPA: As CaUsas das Esquerdas

» Edição de Maio de 2019

» Os professores no muro europeu

» Chernobil mediático

» Edição de Abril de 2019

» A nossa informação, as vossas escolhas


COOPERATIVAS DE PRODUÇÃO

O vínculo com o movimento social

Imprimir
Enviar

Ler Comentários
Compartilhe

A participação da Confederação Geral das cooperativas francesas na fundação do ATTAC marcou uma mudança importante para o movimento cooperativo

Jean-Loup Motchane - (12/07/2000)

Há na França, 1.400 sociedades cooperativas de produção (Scop), que empregam 30 mil assalariados acionistas. É o caso, por exemplo, do jornal Alternatives Économiques. Seu capital, inalienável, provém majoritariamente dos assalariados associados, que controlam a empresa segundo o princípio de um voto por associado. No momento, essas sociedades representam apenas uma pequena parte do movimento de cooperativas: bancos cooperativados, cooperativas agrícolas, cooperativas de crédito, cooperativas de compras. Porém, seu último congresso, realizado em Lille, em janeiro de 2000, revelou vontade de desenvolvimento — multiplicar por dez o número de cooperados — e de renovação: criação de uma nova estrutura jurídica, a "sociedade cooperativa de interesse coletivo com finalidade social" (Scic), que permitirá associar, como no modelo italiano, múltiplos parceiros, usuários, assalariados e voluntários.

Para Michèle Dessenne, responsável pela moção majoritária no congresso de Lille, a participação da Confederação Geral das Scop na fundação do ATTAC (Associação pela Taxação das Transações Financeiras em Auxílio dos Cidadãos), em junho de 1998, marcou uma mudança significativa para o movimento cooperativo: "Trata-se de uma afirmação política e de uma vontade de criar laços com o movimento social. Na realidade o movimento das Scop questiona, concretamente, no interior da sociedade de mercado, a concepção liberal da propriedade e da gestão do capital."

Leia nesse dossiê: Álibi ou alternativa ao liberalismo? Saída contra o desemprego

Traduzido por Teresa Van Acker.




Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos