Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Lei Rouanet e a cultura em demolição

» Rebelião em Londres: é o clima ou o sistema?

» A “inteligência caolha” da família Bolsonaro

» Opacidade: o direito de escapar à vigilância total

» O crime de Guarapuava e as elites sem freios

» Boaventura: os EUA flertam com o direito názi

» Argentina: ainda bem que há eleições…

» O bispo que não vai para o céu

» Prisões brasileiras: relato de dentro do inferno

» Bernardet: “Tirei o corpo fora”

Rede Social


Edição francesa


» Rwanda, retour sur un aveuglement international

» La riposte des exclus

» La justice, pilier ou béquille de la démocratie ?

» La canicule, révélateur d'une santé malade

» La caution des scientifiques

» Dans l'enfer blanc de l'amiante

» Fiasco à La Haye

» L'immigration au miroir des échecs de la gauche

» « Faxer » ou périr, une culture de l'urgence

» Comment Sciences-Po et l'ENA deviennent des « business schools »


Edição em inglês


» The making and unmaking of Brazilian democracy

» Mica mining, why watchdogs count

» LMD's New York debates

» Decriminalizing the drug war?

» April: the longer view

» Housing, rubbish, walls and failing infrastructure in East Jerusalem

» Mining profits go to foreign investors

» Combatting climate change: veganism or a Green New Deal?

» Berlin's fight for expropriation

» Afghanistan: the fighting continues


Edição portuguesa


» Edição de Abril de 2019

» A nossa informação, as vossas escolhas

» O cordão sanitário

» O caso do Novo Banco: nacionalizar ou internacionalizar?

» Edição de Março de 2019

» Sabe bem informar tão pouco

» O presidente e os pirómanos

» Edição de Fevereiro e 2019

» As propinas reproduzem as desigualdades

» Luta de classes em França


COOPERATIVAS DE SERVIÇOS

Saída contra o desemprego

Imprimir
Enviar

Ler Comentários
Compartilhe

Cada uma das três sócias deu uma entrada de 700 euros, enquanto a associação entrava com o material, no valor de 1.800 euros. Atualmente, a cooperativa remunera nove pessoas e fatura aproximadamente 180 mil euros

Jean-Loup Motchane - (12/07/2000)

Em 1994, duas mulheres desempregadas, Djamila Maïni, de 36 anos, e Touncya Morel, de 42, decidiram criar a Associação Mulheres Ativas, a fim de permitir que as mulheres conhecessem seus direitos e facilitar seu acesso à formação e criação de atividades econômicas. A associação instalou, na comunidade de Franc-Moisins, em Saint-Denis, estágios de seis meses para quinze mulheres em situação de exclusão. Cerca de um quarto das estagiárias encontraram um emprego.

Em 1998, com a entrada de Martine Filleul, de 53 anos, que saía de um cargo de chefia numa fábrica, decidiram fundar uma sociedade cooperativa de produção (Scop), também denominada Mulheres Ativas, [1] voltada para a atividades de passar roupa, costura, decoração e tricô. Para constituir o capital, cada uma das três sócias depositou 700 euros, enquanto a associação entrava com o material, no valor de 1,8 mil euros. Atualmente, a cooperativa remunera nove pessoas, com um faturamento de aproximadamente 180 mil euros. Uma segunda cooperativa, fornecendo outros serviços às comunidade (refeições e consertos de móveis), poderá ser fundada. (Tradução:)

Leia nesse dossiê: Álibi ou alternativa ao liberalismo? O vínculo com o movimento social

Traduzido por Teresa Van Acker.



[1] Femmes Actives, 7, Allée de Saint-Exupéry, 93200 Saint-Denis. Tel.: 01 42 43 2999.


Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos