Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Como derrotar a “direita Trump-Bolsonaro”

» As pedras da contracultura (ainda) rolam

» Corporações: já vivemos uma distopia…

» Olhai a nova geração de ativistas

» Rússia e China: fim do mundo unipolar?

» Está aberta a nova temporada de privatizações

» Direito à privacidade e o cinismo de Moro

» Boaventura: o avanço da direita e a causa oculta

» Fiori: Danação da História e disputa pelo futuro

» O sinistro lobby sionista

Rede Social


Edição francesa


» Les pompiers pyromanes de l'antisémitisme

» Menace iranienne, menace sur l'Iran

» Comme si l'école était une entreprise…

» Voyage au bout de la peur avec les clandestins du Sahel

» Chanter le devenir du monde

» A qui profite Paris ?

» Quand la ville se perd dans une métamorphose planétaire

» M. Jesse Jackson et l'ouverture du Parti démocrate

» Les aspirations des citoyens dans une structure étatique taillée sur mesure

» Comment la finance a tué Moulinex


Edição em inglês


» The Spaniards who liberated Paris

» Fighting for communication control

» June: the longer view

» Niger, a migration crossroads

» Niger, a migration crossroads

» Whatever happened to Bob Woodward?

» Europe in space

» The Corbyn controversy

» The invisible people

» Agadez, city of migrants


Edição portuguesa


» Edição de Junho de 2019

» As pertenças colectivas e as suas conquistas

» A arte da provocação

» 20 Anos | 20% desconto

» EUROPA: As CaUsas das Esquerdas

» Edição de Maio de 2019

» Os professores no muro europeu

» Chernobil mediático

» Edição de Abril de 2019

» A nossa informação, as vossas escolhas


COOPERATIVAS DE SERVIÇOS

Saída contra o desemprego

Imprimir
Enviar

Ler Comentários
Compartilhe

Cada uma das três sócias deu uma entrada de 700 euros, enquanto a associação entrava com o material, no valor de 1.800 euros. Atualmente, a cooperativa remunera nove pessoas e fatura aproximadamente 180 mil euros

Jean-Loup Motchane - (12/07/2000)

Em 1994, duas mulheres desempregadas, Djamila Maïni, de 36 anos, e Touncya Morel, de 42, decidiram criar a Associação Mulheres Ativas, a fim de permitir que as mulheres conhecessem seus direitos e facilitar seu acesso à formação e criação de atividades econômicas. A associação instalou, na comunidade de Franc-Moisins, em Saint-Denis, estágios de seis meses para quinze mulheres em situação de exclusão. Cerca de um quarto das estagiárias encontraram um emprego.

Em 1998, com a entrada de Martine Filleul, de 53 anos, que saía de um cargo de chefia numa fábrica, decidiram fundar uma sociedade cooperativa de produção (Scop), também denominada Mulheres Ativas, [1] voltada para a atividades de passar roupa, costura, decoração e tricô. Para constituir o capital, cada uma das três sócias depositou 700 euros, enquanto a associação entrava com o material, no valor de 1,8 mil euros. Atualmente, a cooperativa remunera nove pessoas, com um faturamento de aproximadamente 180 mil euros. Uma segunda cooperativa, fornecendo outros serviços às comunidade (refeições e consertos de móveis), poderá ser fundada. (Tradução:)

Leia nesse dossiê: Álibi ou alternativa ao liberalismo? O vínculo com o movimento social

Traduzido por Teresa Van Acker.



[1] Femmes Actives, 7, Allée de Saint-Exupéry, 93200 Saint-Denis. Tel.: 01 42 43 2999.


Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos