Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» A desigualdade brasileira posta à mesa

» Fagulhas de esperança na longa noite bolsonarista

» 1 de setembro de 2020

» O fim do mundo e o indiscreto racismo das elites

» O milagre da multiplicação de bilhões — para os bancos

» Movimento sindical em tempos de tormenta

» 31 de agosto de 2020

» A crucificação de Julian Assange

» Nuestra America: os cinco séculos de solidão

» Ir além do velho mundo: lições da pandemia

Rede Social


Edição francesa


» « Il Manifesto », le prix de l'engagement

» Des treillis sous les blouses blanches

» Hanoï s'étend vers l'ouest

» Contourner et désenclaver Anvers

» « La France gesticule… mais ne dit rien »

» Russie, un territoire à géographie variable

» Démographie et richesse en Russie, les grands déséquilibres

» J'ai assisté à la montée du nazisme

» L'Afghanistan ne croit pas à la paix

» La jeunesse burkinabé bouscule la « Françafrique »


Edição em inglês


» January: the longer view

» Mutual suspicion in Greece's borderlands

» Border tensions

» Disunited States of America

» The British monarchy's smoke and mirrors

» UK Brexiteers' libertarian goal

» Time to reform the Peruvian system

» Russia's attempted return to Africa

» ASEAN's diplomatic triumph

» When Algerians took to the streets


Edição portuguesa


» Edição de Janeiro de 2021

» O presidente, a saúde e o emprego

» Quem será o próximo inimigo?

» Edição de Dezembro de 2020

» A democracia desigual e os neoliberais autoritários

» A amarga vitória democrata

» A segunda morte da Europa

» Ofereça uma assinatura de 6 meses, apenas €18

» Edição de Novembro de 2020

» A máquina infernal


OTAN / GUERRA SEM LEI

Protocolo I da ONU

Imprimir
enviar por email

Ler Comentários
Compartilhe

(12/07/2000)

Este Protocolo contém as regras fundamentais sobre a conduta de hostilidades, hoje consideradas como parte integrante do direito consuetudinário. Estas regras proíbem ataques dirigidos contra pessoas ou bens civis. Proíbem ataques em que não se possa distinguir objetivos militares de pessoas ou bens civis, assim como ataques que, ainda que dirigidos contra objetivos militares, possam ter, sobre pessoas ou bens civis, um impacto que seja excessivo "com relação à vantagem militar concreta e diretamente esperada" (regra de proporcionalidade). Estas regras requerem também que precauções específicas sejam tomadas por ocasião do lançamento de um ataque. Particularmente, a obrigação de verificar que o alvo seja efetivamente um objetivo militar; a obrigação, no caso de existirem riscos para a população civil, de emitir um aviso "em tempo útil e por meios eficazes, a menos que as circunstâncias não o permitam".




Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos