'Enviar matéria', 'envoyer' => 'Enviar', 'reference_de' => 'a referência de', 'par_courriel' => 'por email', 'a_destination' => 'Enviar para:', 'donnees_optionnelles' => 'Dados opcionais', 'separe_virgule' => 'separe com vírgulas se escrever mais de um', 'sujet' => 'Assunto', 'titre_vouloir' => 'Título da mensagem', 'nom' => 'Seu nome', 'adresse' => 'Seu e-mail', 'texte' => 'Texto que irá junto com a mensagem', 'envoi' => 'Enviar', 'annuler' => 'Cancelar', 'enviar_title' => 'Enviar referência deste documento por email', 'enviar_por_email' => 'Enviar', 'referencia' => 'A referencia de', 'enviado' => 'foi enviado a:', 'sentimos' => 'Sentimos muito', 'problema' => 'Houve um problema e não se pôde enviar a mensagem', 'hola' => 'Olá. Talvez esta informação possa lhe interessar.', 'leer' => 'Leia mais...', 'enviado_por' => 'Enviado por: ', 'direction' => 'mas sem um endereço eletrônico válido', 'podemos' => 'não podemos enviar a mensagem', 'fermer' => 'fechar', 'documento' => 'Olá. Talvez este documento de', 'interesar' => 'possa lhe interessar.', 'descargarte' => 'Na página web poderá fazer o download de:', 'source' => 'fonte', ); ?> 'Envoyer l\'article', 'envoyer' => 'Envoyer', 'reference_de' => 'la référence de', 'par_courriel' => 'par courrier électronique', 'a_destination' => 'Envoyer á l\'adresse:', 'donnees_optionnelles' => 'Données optionnelles', 'separe_virgule' => 'séparer les adresses par des virgules si vous écrivez á plusieurs personnes', 'sujet' => 'Sujet', 'titre_vouloir' => 'Titre du message', 'nom' => 'Nom', 'adresse' => 'Adresse mail', 'texte' => 'Vous pouvez ajouter un texte', 'envoi' => 'Envoyer', 'annuler' => 'Annuler', 'enviar_title' => 'envoyer l\'article par mail', 'enviar_por_email' => 'envoyer par mail', 'referencia' => 'La référence de ', 'enviado' => 'a été envoyé à:', 'sentimos' => 'désolé', 'problema' => 'Il y a eu un problème et le courrier n\'a pas pu être envoyé', 'hola' => 'Salut. Cet article t\'interéssera peut-être ', 'leer' => 'Lire la suite...', 'enviado_por' => 'Envoyer par : ', 'direction' => 'mais sans une adresse de courrier électronique valable', 'podemos' => 'nous ne pouvons pas envoyer le message', 'fermer' => 'fermer', 'documento' => 'Salut, les documents de', 'interesar' => 'pourraient t\'intéresser', 'descargarte' => 'Si vous visitez le site vous pourrez télécharger les documents suivants :', 'source' => 'Source', ); ?> 'Enviar matéria', 'envoyer' => 'Enviar', 'reference_de' => 'a referência de', 'par_courriel' => 'por email', 'a_destination' => 'Enviar para:', 'donnees_optionnelles' => 'Dados opcionais', 'separe_virgule' => 'separe com vírgulas se escrever mais de um', 'sujet' => 'Assunto', 'titre_vouloir' => 'Título da mensagem', 'nom' => 'Seu nome', 'adresse' => 'Seu e-mail', 'texte' => 'Texto que irá junto com a mensagem', 'envoi' => 'Enviar', 'annuler' => 'Cancelar', 'enviar_title' => 'Enviar referência deste documento por email', 'enviar_por_email' => 'Enviar', 'referencia' => 'A referencia de', 'enviado' => 'foi enviado a:', 'sentimos' => 'Sentimos muito', 'problema' => 'Houve um problema e não se pôde enviar a mensagem', 'hola' => 'Olá. Talvez esta informação possa lhe interessar.', 'leer' => 'Leia mais...', 'enviado_por' => 'Enviado por: ', 'direction' => 'mas sem um endereço eletrônico válido', 'podemos' => 'não podemos enviar a mensagem', 'fermer' => 'fechar', 'documento' => 'Olá. Talvez este documento de', 'interesar' => 'possa lhe interessar.', 'descargarte' => 'Na página web poderá fazer o download de:', 'source' => 'fonte', ); ?> 'Envoyer l\'article', 'envoyer' => 'Envoyer', 'reference_de' => 'la référence de', 'par_courriel' => 'par courrier électronique', 'a_destination' => 'Envoyer á l\'adresse:', 'donnees_optionnelles' => 'Données optionnelles', 'separe_virgule' => 'séparer les adresses par des virgules si vous écrivez á plusieurs personnes', 'sujet' => 'Sujet', 'titre_vouloir' => 'Titre du message', 'nom' => 'Nom', 'adresse' => 'Adresse mail', 'texte' => 'Vous pouvez ajouter un texte', 'envoi' => 'Envoyer', 'annuler' => 'Annuler', 'enviar_title' => 'envoyer l\'article par mail', 'enviar_por_email' => 'envoyer par mail', 'referencia' => 'La référence de ', 'enviado' => 'a été envoyé à:', 'sentimos' => 'désolé', 'problema' => 'Il y a eu un problème et le courrier n\'a pas pu être envoyé', 'hola' => 'Salut. Cet article t\'interéssera peut-être ', 'leer' => 'Lire la suite...', 'enviado_por' => 'Envoyer par : ', 'direction' => 'mais sans une adresse de courrier électronique valable', 'podemos' => 'nous ne pouvons pas envoyer le message', 'fermer' => 'fermer', 'documento' => 'Salut, les documents de', 'interesar' => 'pourraient t\'intéresser', 'descargarte' => 'Si vous visitez le site vous pourrez télécharger les documents suivants :', 'source' => 'Source', ); ?> Diplô - Biblioteca: Uma derrota da modernidade?
Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» 25 de outubro de 2021

» Clima: por que é possível vencer o fatalismo

» Sobre meninas, violência e o direito ao aborto

» Pochmann: É necessária nova abolição

» Seriam os QR Codes microespiões do capital?

» A complexa relação entre o neoliberalismo e a dor

» Boaventura: o poder cru e o poder cozido

» Mulheres com um jeito vagalume de ser

» 21 de outubro de 2021

» Para desvendar as lógicas do capital e da guerra

Rede Social


Edição francesa


» Trompeuses métaphores du cancer

» Etes-vous heureux, ravi ou enchanté de travailler dans un institut de sondage ?

» « Le Monde diplomatique » en Algérie

» Infernal manège des sondages

» Droit du travail : vers des « jugements automatiques »

» Mes vacances en Terre sainte

» Les bonnes recettes de la télé-réalité

» Mme Michèle Alliot-Marie emportée par la foule

» Jusqu'où obéir à la loi ?

» Ces « traîtres » qui sauvèrent l'honneur de la France


Edição em inglês


» ‘Le Monde diplomatique' in Algeria

» Millennial Schmäh

» UK: what happened to the right to food?

» Taiwan at the heart of the US-China conflict

» October: the longer view

» What do we produce, and why?

» Hunger in France's land of plenty

» In search of a good food deal

» Georgia's love-hate affair with Russia

» Latin America faces tough choices


Edição portuguesa


» Edição de Outubro de 2021

» Um império que não desarma

» Convergir para fazer que escolhas?

» O mundo em mutação e o Estado - em crise?

» Edição de Setembro de 2021

» Transformação e resiliência

» O caminho de Cabul

» Edição de Agosto de 2021

» Ditadura digital

» Desigualdades digitais


ISLAMISMO

Uma derrota da modernidade?

Imprimir
enviar por email

Ler Comentários
Compartilhe

Três livros ajudam a compreender a ascensão e o declínio do islamismo moderno, a humilhação e o mal-estar dos muçulmanos diante do Ocidente e as chances de renovação de seu projeto

Olivier da Lage - (12/07/2000)

Em 1992, quando publicou L’Échec de l’islam politique, Olivier Roy provocou um ceticismo generalizado. Na época, é bom lembrar, o islamismo político encontrava-se em seu apogeu, radicalizando-se no Egito, na Argélia, na Bósnia etc. Após oito anos, e embora raramente citada na imprensa, a análise de Olivier Roy tornou-se consensual. Prova disso é a recente publicação, simultânea, dos livros Jihad, de Gilles Kepel, e L’Islamisme, une révolution avortée?, de Antoine Basbous. Como ressalta Gilles Kepel na introdução ao seu livro, dispomos hoje do distanciamento necessário para analisar esse fracasso.

Kepel distingue três fases. A gestação da idéia islâmica contemporânea na década de 60. Seus teóricos foram Sayyid Qotb, ideólogo dos Irmãos Muçulmanos egípcios que Nasser mandou enforcar em 1966; Mawdoudi, o paquistanês que exerceu grande influência na região Sul da Ásia, inclusive junto aos Talibans afegãos; e, é claro, o aiatolá Khomeini, único a ver seu projeto triunfar. A revolução islâmica no Irã simboliza o segundo período, na passagem da década de 70 para a de 80. Seu "efeito-sopro" se propaga por todo o mundo muçulmano, bem além das fronteiras xiitas. O combate dos mudjahidin afegãos — apoiados financeira e ideologicamente pelos sauditas — contra a invasão soviética representa o segundo pólo dessa expansão islâmica na década de 80. Seguem-se o apogeu e o declínio, que Kepel situa no início da década de 90 e que seriam a conseqüência, respectivamente, da invasão do Kuait pelo Iraque, da resistência dos poderes estabelecidos (muito mais importante do que avaliaram, na época, observadores e jornalistas) e a ruptura entre os diferentes componentes do movimento islâmico.

Uma aliança insólita

O aspecto mais revigorante do livro de Gilles Kepel é a análise, em perspectiva, dos êxitos e fracassos do islamismo político junto às camadas sociais que o apóiam: a burguesia crente, a juventude urbana pobre e a inteligentsia militante. Somente Khomeini, talvez devido à sua habilidade e a suas ambigüidades, conseguiu unificar esses três grupos, pelo menos pelo tempo de ver vitoriosa a revolução e consolidar o poder. Em todas as outras situações, a aliança entre a juventude urbana pobre e a burguesia crente — quando existiu — rompeu-se, com os primeiros criticando a timidez dos últimos e estes recuando frente a dissidências de cunho terrorista de grupos com referências teológicas duvidosas. Em todos os casos, a astúcia dos poderes estabelecidos — da Argélia ao Egito, passando pela Palestina e Jordânia — consistiu em recuperar a burguesia crente, marginalizando os grupos extremistas egressos da juventude pobre.

Sentimento de mal-estar e humilhação

Ao final desse relato-retrato, para surpresa — e, de certa forma, decepção — do leitor, o autor deduz desse fracasso que aqueles que viram frustrado o projeto islâmico não têm atualmente outra alternativa senão voltarem-se para a democracia ocidental, único vetor possível de uma modernidade a que aspiram. Ou seja: como se o mundo muçulmano também tivesse chegado ao "fim da história". Bastante mais interessantes são as questões em aberto deixadas por Antoine Basbous em seu livro. Após um estudo que passa em revista, país por país, as experiências islâmicas — com a tradução de diversos textos de apoio —, ele observa que os povos muçulmanos continuam sentindo um mal-estar e um sentimento de humilhação com relação ao Ocidente dos quais não conseguem se livrar. Após o fracasso do islamismo violento da década de 90 e diante da negligência dos respectivos regimes, Basbous aposta no surgimento de um novo tipo de islamismo, ainda desconhecido, mas que "tomará, sem qualquer sombra de dúvida, o lugar do vazio agora existente".

Olivier Roy, L’Échec de l’islam politique , ed. Seuil, Paris, 1992.

Gilles Kepel, Jihad, expansion et déclin de l’islamisme , ed. Gallimard, Paris, 2000.

Antoine Basbous, L’Islamisme, une révolution avortée? , ed. Hachette, Paris, 2000.




Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos